Notícias

SENAI assina protocolo de intenções com a Festo para transferência de Metodologia Educacional

Parceria vai resultar na transferência de conhecimento para o SENAI MG visando preparar mão de obra especializada

O SENAI MG assinou no dia 5/09, na sede da FIEMG, um protocolo de intenções com a Festo, empresa alemã que desenvolve tecnologia e maquinário para automação industrial e é referência mundial no tema Indústria 4.0. A parceria visa transferência de tecnologias e metodologias educacionais que vão contribuir para o aumento da competitividade da indústria mineira.

Segundo o diretor regional do SENAI MG, Cláudio Marcassa, o protocolo é apenas um começo e terá muitos desdobramentos. “Estamos trabalhando no conceito de uma fábrica modelo 4.0 para ser utilizada no ensino profissionalizante para treinamentos para a indústria, na homologação do SENAI MG como “FACT” (Festo Authorized and Certified Training) reconhecido pela Alemanha e também na parceria na inclusão de novas tecnologias educacionais para serem utilizadas na educação básica”, diz.

Ele enfatizou a necessidade do investimento em capacitação e nas pessoas. “O investimento nas novas tecnologias têm que vir junto com o investimento em educação, em como as pessoas lidam com os novos sistemas industriais”, diz. 

O gerente executivo da Festo, Victor Teles, afirmou que a tendência mundial do setor industrial é a manufatura avançada e fez coro quanto ao caminho para avançar: educação. “Não conseguiremos dar esse passo se não atuarmos fortemente na capacitação. Com dinheiro podemos comprar tecnologia. Podemos comprar uma fábrica inteira nos Estados Unidos, na Alemanha ou no Japão e instalar aqui. Mas ela não vai funcionar se não tivermos pessoas capacitadas para colocá-la em operação e mantê-la em ação, aplicando as mudanças necessárias para a indústria 4.0”, diz.

Teles ressaltou que o mundo está a bordo de uma revolução tecnológica que transformará  a forma como produzimos e vivemos. “É algo pela qual estamos passando, existe uma perspectiva e estamos em trânsito. A junção das tecnologias de informação com as de automação vão aumentar e muito a competitividade da indústria. No Brasil estamos em um nível de automação ainda não elevado, principalmente se tratando das indústrias de pequeno e médio porte. Há necessidade de investimentos em políticas púbicas e nas estratégias das empresas e das instituições. A CNI vem trabalhado junto conosco nesse conceito e com um grupo de empresas e instituições alemãs, sempre com o foco em educação”, diz.

Para ele, a atenção não deve ser dada apenas à inovação, mas também à utilização de conceitos que tragam resultados para cada indústria. “Não podemos jogar todo o parque industrial fora. Isso está fora da realidade brasileira e dos países em desenvolvimento. Temos que trabalhar com aquilo que mercado consumidor de cada país está requisitando para implantar dentro das indústrias transformações que resultem em redução de custos, personalização de produtos e  diversificação. De forma geral é isso que está ditando a indústria 4.0”, diz.

Galeria

Últimas notícias

  1. IEL e CNPq lançam programa para empresas que buscam soluções tecnológicas

    Leia

  2. Diretor do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Superfícies receberá homenagem do SAE Brasil

    Leia

  3. SENAI inaugura laboratório de ensaios em sistemas e materiais para construção civil

    Leia

  4. Laboratórios do Instituto SENAI de Tecnologia participam da FINIT

    Leia

  5. Interação entre Indústria e Institutos de Ciência e Tecnologia é tema de encontro na FINIT 2017

    Leia

  6. Seminário Invest in Minas debate as potencialidades do estado

    Leia

  7. Indústrias de alimentos e bebidas participam de “rodada de soluções” no CIT

    Leia

  8. Diplomata Juliano Alves visita o CIT SENAI FIEMG

    Leia