Notícias

Projeto radiante

Exposição de arte da revista A Estrela na Galeria SESIMINAS reflete o olhar de pessoas em detenção

Estão iluminando a Galeria de Artes do Centro Cultural SESIMINAS BH, a partir de hoje, 2/12/17 (até 4/2/18), belas obras em fotografia, poesia e crônica, que também figuram nas páginas da brilhante revista A Estrela.

A revista, já na 5ª edição, é o resultado de um projeto ousado e muito direto, que tem por intenção “dar voz às pessoas que se encontram privadas de liberdade”, comunica o fotógrafo Léo Drumond, idealizador da empreitada em parceria com a jornalista Natália Martino. O nome foi resgatado de uma revista que circulou na década de 1940, com proposta semelhante.

O projeto leva oficinas e ferramentas de comunicação para dentro de unidades prisionais — fotografia, vídeo, narrativas textuais — e, Natália completa: “material que a imprensa produz sobre a população carcerária. Depois a gente discute isso com os recuperandos e, a partir de então, os convoca a tomar o lugar da palavra. Agora são eles, e não os jornalistas, a falar de si”.

Eles fazem uma reunião de pauta, definem quais os temas de suas vidas querem abordar, votam e priorizam. O projeto disponibiliza cinco kits com câmeras fotográficas e eles vão a campo. Voltam com textos manuscritos. Depois são digitados e editados. As fotos são selecionadas e editadas. Como numa pequena redação. A revista então é produzida e o primeiro lançamento é sempre feito na unidade prisional. Depois são lançadas em outros lugares e distribuídas. O Instituto Minas Pela Paz, parceiro do Sistema FIEMG, que nasceu ali no Centro Cultural SESIMINAS, é também um parceiro d’A Estrela e distribui a revista pelo Poder Judiciário e no Executivo. Lançam também em Festivais de Fotografia e outros lugares.

A revista acontece nos moldes de uma produção jornalística, mas o resultado tem o brilho de uma revista de arte. É uma iniciativa notável em muitos aspectos, mas um salta aos olhos. As pessoas hoje privadas de liberdade não são subestimadas ou reduzidas; ao contrário, é um projeto que trabalha o protagonismo. Elas são os protagonistas de suas próprias histórias. Os relatos sinceros em primeira pessoa e a sensibilidade nas fotografias refletem as pessoas que ali estão por trás das lentes e narrativas e, apenas por ora, das grades.

A Estrela aos olhos de todos

A abertura da Exposição teve sua primeira parte no Teatro de Bolso (o contrário do tamanho da revista, grandinha, formato quase A3), com as boas-vindas da receptiva Karla Bittar, gerente do Centro Cultural. Em seguida, o agradecimento dos idealizadores aos envolvidos, muitas pessoas e entidades, como é preciso num projeto ousado de transformação social. Depois, a voz audível em relatos na mesa redonda, com a mediação de Daniela Fazzion, representante da diretoria da APAC de São João del Rei, Rodrigo Machado, diretor da Dutra Ladeira, e os apenados envolvidos no projeto Karine, Jennifer e Wellington Paixão.

Wellington conta que depois de seis vezes preso, com pena de 20 anos de cadeia, nunca havia pensado em mudança. Mas hoje tem foco e tem ideais. Ele toma para si um dos lemas da instituição: ”A APAC dá o suporte, mas quem muda é o recuperando”.

André Gustavo, da APAC de São João del Rei, participou como fotógrafo da 2ª edição. Ele acaba de deixar o presídio, ainda em liberdade condicional, e compartilha: “Achei ótimo fazer parte, eu gosto de tecnologia, de estar por trás das câmeras. Cada momento é oportunidade pra criar uma foto.” Ele ressalta que o conhecimento adquirido no projeto vai ajudá-lo a ter mais oportunidade, a partir de agora, de trabalhar em áreas que antes não eram opções. Ele ainda comenta da satisfação de as pessoas passarem a conhecê-lo por terem gostado de seu trabalho.

Ernani Paulo e Raimundo, de São João, participaram do projeto com fotografia, texto, entrevistas, desenhos e em oficinas de teatro. "Achei importante, nunca havia feito nada assim, ainda mais poder escrever coisas que milhares de pessoas vão ler futuramente!”, conta Ernani. "Foi interessante também desenvolvermos o diálogo entre nós mesmos e com o pessoal que organizou o projeto", diz.

5.jpg

Raimundo declara: "participar aflorou o que eu tenho, que é fazer poesia e desenho, trouxe isso de volta". Ambos concordam (e completam a fala um do outro): “perceber as pessoas gostando de algo que você fez é o mais importante”, e “não há o que pague isso”.

Karine Cândida atualmente cumpre pena no presídio feminino no Horto e conseguiu ser liberada por ordem judicial por seis horas para estar presente na abertura da exposição e participar da mesa redonda. Ela comenta que todos querem saber os porquês. “Por que você é tão bonita e tá presa?”, “Por que você que tem estudo tá presa?”, “por que você fala mais de uma língua e tá presa?”. Ela responde: “os porquês não têm justificativas, o que importa é o que eu sou agora, o que eu quero ser daqui pra frente.”

karine.png

Ela confessa que havia desistido de si mesma depois de três anos de privação de liberdade, mas encontrou na Revista A Estrela “uma injeção de ânimo. Nem sabia que eu sabia escrever tão bem". Karine, que interrompeu a faculdade de Direito, mudou o foco e afirma ter muito mais a ajudar na Assistência Social. E ainda promete continuar escrevendo e fotografando.

O Coral da APAC de São João del Rei completou o evento traduzindo brilhantemente a noção de dar voz às pessoas em situação temporária de privação de liberdade.

 

APAC

Associação de Proteção e Assistência ao Condenado, APAC, é uma entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica própria, dedicada à recuperação e reintegração social dos condenados às penas privativas de liberdade. Ela figura como forma alternativa ao modelo prisional tradicional, promovendo a humanização da pena de prisão e a valorização do ser humano. Busca, também, em uma perspectiva mais ampla, a proteção da sociedade, a promoção da justiça e o socorro às vítimas.

Na APAC, diferentemente do sistema carcerário comum, os próprios presos são corresponsáveis pela sua recuperação, tendo assistência espiritual, social, médica, psicológica e jurídica prestada por voluntários da comunidade. Os presos têm acesso a cursos supletivos, profissionalizantes, técnicos e alguns casos de graduação, oficinas de arte, laborterapia e outras atividades que contribuem para a reinserção social.

(fonte: domTotal)

 

 

Galeria

Últimas notícias

  1. Projetos do setor de TI são aprovados no edital de inovação para a indústria

    Leia

  2. Como as inovações tecnológicas impactam o dia a dia das empresas

    Leia

  3. Sindicatos prestam homenagens ao presidente do Sistema FIEMG

    Leia

  4. Nova diretoria do SINDIVEST MG toma posse na FIEMG

    Leia

  5. Palcos para grandes espetáculos

    Leia

  6. Conselho de Assuntos Metropolitanos se reúne na FIEMG

    Leia

  7. As melhores práticas de liderança

    Leia

  8. SESI MAO como palco das celebrações do aniversário de BH

    Leia