Notícias

A evolução do papel de gestor de RH nas organizações

Palestra foi promovida pelo CIEMG em parceria com a Belgo Bekaert Arames

A evolução da área de Recursos Humanos foi o tema da palestra promovida Belgo Bekaert Arames e CIEMG, na sede da empresa, para os profissionais das empresas que integram o Grupo de Estudos das Melhores Práticas na Gestão de Recursos Humanos – GERH, coordenado por Dario Rios, gerente geral de RH da Belgo, em Contagem.   

Mestre em Administração de Empresas e extensa especialização em RH, Joaquim Patto mostrou, em sua palestra, a evolução do perfil de profissionais da área, desde a década de 30, "quando esse papel era do capataz e ninguém contestava as ordens do patrão", passando pela década de 40, com Getúlio Vargas e a CLT em vigor, até os anos 50, com o início da industrialização. 

Considerada uma década perdida, nos anos 60 prevaleceu o antagonismo entre capital e trabalho, traduzido como capitalismo selvagem versus sindicalismo radical. Já nos anos 80 quem ocupa a área de gestão de RH são os psicólogos, com predominância para os testes, jogos, dinâmicas e encontros de congraçamento, fora do ambiente de trabalho.

Nos anos 90, o RH é um resumo de todos os papéis desempenhados até então, e nos anos 2.000, de crise econômica global, é o financeiro que predomina. Nessa década, o RH é fundamentalmente em função de geração de valor, “isso porque, muitas vezes o RH não está vinculado ao negócio”, explica Joaqui. Segundo o palestrante, é preciso que os profissionais entendam que o RH é um instrumento da estratégia a serviço da empresa. 

A década iniciada em 2010 tem no gestor de RH o acumulador de ferramentas, “o que deixa muito a desejar quanto ao envolvimento com as pessoas”. Agora é hora de eliminar o que não serve mais e adotar a simplicidade “em função dos novos perfis de estrutura das organizações, muitas delas já evoluindo entre tradicionais e digitais”.

Hoje, com a velocidade das mudanças, o desafio é se adequar à nova realidade, em que o conhecimento, assim como as habilidades e qualificações profissionais, têm prazo de validade. No novo modelo, o trabalho atende projetos que evoluem por etapas até o resultado final.

"A geração anterior foi criada engajada no sucesso do negócio, mas a nova geração quer participar do negócio, da sociedade e ser feliz", conta Joaquim. Ser gestor nesse processo de evolução entre a organização tradicional e digital é muito mais complexo. É preciso ser gestor de projetos e de pessoas absolutamente distintas e de gerações diferentes. "Os valores que a empresa quer de seus profissionais é que ditarão o papel do RH no futuro", continua o palestrante. O profissional de Recursos Humanos precisa se preparar para o foco nas pessoas. “No futuro, o gestor de RH será responsável pela manutenção, divulgação e acompanhamento dos valores e propósitos da organização”, prevê Joaquim Patto.

Últimas notícias

  1. Projetos do setor de TI são aprovados no edital de inovação para a indústria

    Leia

  2. Como as inovações tecnológicas impactam o dia a dia das empresas

    Leia

  3. Sindicatos prestam homenagens ao presidente do Sistema FIEMG

    Leia

  4. Nova diretoria do SINDIVEST MG toma posse na FIEMG

    Leia

  5. Palcos para grandes espetáculos

    Leia

  6. Conselho de Assuntos Metropolitanos se reúne na FIEMG

    Leia

  7. As melhores práticas de liderança

    Leia

  8. SESI MAO como palco das celebrações do aniversário de BH

    Leia