Notícias

Futuro da mineração no estado passa pela Internet das Coisas e Inteligência Artificial

Projeto liderado pela FIEMG pretende unir empresas da mineração e startups para desenvolvimento de tecnologias para o setor

A criação de um centro de tecnologias de Internet das Coisas (IoT) e Inteligência Artificial (AI) para a indústria de mineração em Minas Gerais, o IoT 4 Mining, foi o tema central de um encontro promovido pela FIEMG, no BH-Tec – Parque Tecnológico de Belo Horizonte, no dia 11/07.

O projeto liderado pela Federação tem como objetivo fomentar o uso de novas tecnologias digitais no setor de mineração visando aumento da eficiência e produtividade do setor, redução de custos, agregação de valor, além da geração de mercado para empresas e startups de base tecnológica de Minas Gerais. A expectativa é que o centro entre em funcionamento até novembro deste ano e atenda três segmentos da indústria como exploração, mineração e processamento metalúrgico.

O funcionamento do hub será baseado na identificação de desafios da indústria mineradora. A partir daí, serão feitas propostas e ideias pelas empresas de base tecnológica participantes do projeto que, em parcerias com as indústrias, farão os testes iniciais das soluções.

Durante o evento, o superintendente executivo de Relações Institucionais do Sistema FIEMG, Paulo Brant, afirmou que o caminho para reinventar a economia mineira passa pela internacionalização e inovação. O representante da Federação ainda completou, “esse projeto é muito interessante, pois além de possibilitar essas duas oportunidades à Minas Gerais, ainda alia revolução tecnológica com que o que há de mais tradicional no estado,” disse.

Já o superintendente de Desenvolvimento Industrial da entidade, Marcos Mandacaru, pontuou que o espaço demarca ainda mais a imagem de Belo Horizonte como capital do conhecimento e inovação. O diretor presidente do BH-Tec, Ronaldo Pena, enfatizou que a iniciativa é essencial para o estado e que também passa a importante mensagem de que a produção de commodities pode, sim, desenvolver novas tecnologias.

Um dos líderes do movimento, o professor da UFMG Virgílio Almeida comentou que as tecnologias geradas no centro para uso da mineração podem vir a ser exportadas e que o principal foco do espaço é fazer um “casamento” entre as necessidades das empresas e as ofertas do mercado.

Últimas notícias

  1. Etapa estadual do Circuito SESI de Tênis

    Leia

  2. Roberto Revelino toma posse da presidência da Regional Pontal do Triângulo

    Leia

  3. Time brasileiro que participou de mundial em Abu Dhabi é recebido pelo presidente Michel Temer

    Leia

  4. Sindicato das Indústrias de Alimentação de Juiz de Fora assina Protocolo de Intenções com ISTA&B

    Leia

  5. Integração e investimentos para inovação tecnológica

    Leia

  6. Teatro SESIMINAS recebe a grande final do Festival SESI Música 2017

    Leia

  7. Como implementar os ODS na estratégia empresarial

    Leia

  8. Seminário sobre construção sustentável reúne especialistas nacionais e internacionais na FIEMG

    Leia