Notícias

O valor da confiança para empresa e sociedade

Plenárias do 11º Seminário de Sustentabilidade enfatizam valores intangíveis de mercado como a reputação

Equipe engajada, princípios e valores claros, relacionamento robusto com a sociedade, líderes que inspiram. Essas são algumas características básicas que uma empresa precisa ter para gerar um negócio sustentável, na visão do presidente da Anglo American Brasil, Ruben Fernandes. A opinião do executivo, um dos participantes da plenária sobre “Lideranças transformadoras que promovem sociedades pacíficas, justas e inclusivas”, dentro do  11º Seminário Internacional de Sustentabilidade da FIEMG, tem o peso de quem dirige uma companhia que acaba de completar 100 anos de existência. “A evolução da sociedade passa, necessariamente, pela ética. Integridade é fundamental, e o líder deve dar o exemplo”, salientou Fernandes, reforçando a importância da reputação da empresa para sua permanência no mercado. “Hoje, mais de 80% do valor de mercado de uma empresa é intangível, está na sua reputação”, explicou.

A ideia foi corroborada pelo professor da FIA Business School e da Fundação de Desenvolvimento da UNICAMP, Robert Henry Srour, na discussão da plenária sobre “Ética e Integridade — o valor da confiança para os negócios e para a sociedade”. “O capital de reputação deve ser preservado. A corrupção detona a credibilidade porque afeta esse capital”, frisou. De acordo com o professor, é possível bloquear oportunidades de corrupção dentro de uma empresa, por meio da realização de um diagnóstico de atividades sensíveis e elaboração de um sistema de controle para essas tarefas.

ALC_0068.JPG

Na mesma plenária, o diretor de Compliance da Siemens do Brasil, Reynaldo Goto, explicou porque a companhia, que protagonizou um dos maiores casos de corrupção dos últimos anos, em 2006, conseguiu sobreviver à crise de credibilidade. Segundo ele, a colaboração com as autoridades no sentido de investigar e descobrir o que realmente aconteceu foi uma das ações decisivas para manter a empresa no mercado. Depois do episódio, a Siemens pagou uma multa que chegou a 1,6 bilhão de euros e implantou um programa global de Compliance.

ALC_0142.JPG 

O debate contou ainda com a participação da secretária de Transparência e Combate à Corrupção da Controladoria Geral da União (CGU), Claúdia Taya, que apresentou iniciativas governamentais como o “Programa Nacional de Prevenção Primária à Corrupção”. “É preciso romper o DNA da corrupção formando valores desde a infância”, afirmou.

Engajamento

Investir na “felicidade” de seus trabalhadores foi a estratégia seguida pelo ex-presidente da Elektro (quando na direção da empresa), Márcio Fernandes, apresentada durante a plenária sobre “Lideranças transformadoras que promovem sociedades pacíficas, justas e inclusivas”.

ALC_9907.JPG

Partindo da premissa de que a base da felicidade é o propósito, o líder contou como conseguiu inspirar as pessoas criando vínculos e compromisso entre elas e a empresa.

A iniciativa rendeu à Elektro o título de melhor empresa para se trabalhar do Brasil. A empresa alcançou, em um ano de implantação do programa, aumento de 27% de produtividade.

 

Últimas notícias

  1. Setores da panificação e supermercadista confiantes na recuperação econômica do país

    Leia

  2. Dono da rede de escolas Chromos faz palestra em almoço da ADCE

    Leia

  3. Indústria apresenta oportunidades de negócios no Brasil a empresários dos Emirados Árabes

    Leia

  4. Fogos de artifício para Festa da Padroeira

    Leia

  5. ABIMAQ celebra oito décadas de atuação em benefício da indústria

    Leia

  6. Empresários do setor metalmecânico do Vale do Aço participam da Missão de Prospecção Comercial

    Leia

  7. FIEMG inicia terceira ação PROCOMPI do setor metalmecânico do Vale do Aço

    Leia

  8. Alunos do SENAI-MG competem na WorldSkills

    Leia