Notícias

Programa de Educação Ambiental mobiliza debates

Workshop na FIEMG esclarece dúvidas sobre a Deliberação Normativa Copam nº 214, de 26/04/2017

As diretrizes para elaboração e execução dos Programas de Educação Ambiental (PEA) no âmbito dos processos de licenciamento ambiental em Minas Gerais estiveram em debate na FIEMG, no dia 17/07, durante o Workshop Programa de Educação Ambiental – PEA. O objetivo foi esclarecer dúvidas em relação à Deliberação Normativa (DN) nº 214/2017, aprovada em 26 de abril desse ano pela Câmara Normativa Recursal (CNR), vinculada ao Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam).

O Workshop foi aberto pelo assessor de Educação Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – Semad, André Luis Ruas. Ele detalhou o processo de construção da nova Norma, executado durante mais de um ano, em parceria com consultorias ambientais. André Ruas explicou que a DN nº 214/2017 revoga a DN nº 110/2007. “A DN atual foi adequada de acordo com a federal (Ibama nº 02/2012) e, hoje, a de Minas Gerais é uma das mais avançadas do país”, disse.

De acordo com a DN nº 214/2017, os empreendimentos sujeitos à apresentação de EIA/RIMA são obrigados a elaborar o Programa de Educação Ambiental - PEA. Entretanto, o órgão ambiental pode determinar a apresentação e execução do programa, caso entenda ser necessário, independente dos estudos apresentados. O empreendedor por sua vez, poderá solicitar ao órgão ambiental a dispensa de apresentação do Programa, com as devidas justificativas, e o órgão ambiental se manifestará sobre este pedido.

André Ruas ressaltou que, atualmente, em Minas Gerais, nove Superintendências Regionais de Meio Ambiente – Supram fazem análise do Licenciamento Ambiental. O PEA deverá ser elaborado e executado considerando o empreendimento como um todo, mesmo que esse possua mais de um licenciamento ambiental. Ele poderá ser feito em parceria entre empresas que atuam na mesma região. “Esta é uma vantagem para as empresas, considerando-se que a parceria provoca redução de custos na elaboração e execução do PEA”, disse, ressaltando, porém, que as regras e exigências são claras e objetivas.

“O escopo do PEA deverá ser apresentado pela empresa durante a Licença Prévia (LP), e o projeto será executado após a obtenção da Licença de Instalação (LA)”, completou. O Workshop lotou o auditório da FIEMG, reunindo representantes de empresas e especialistas na questão ambiental de todo o estado. Eles ouviram também palestra da Gerente de Planejamento, Inteligência e Meio Ambiente da Vale, Thaís Rêgo de Oliveira, que falou sobre Projetos de Educação Ambiental desenvolvidos pela empresa. Consultores ambientais também debateram a nova Norma junto aos representantes das empresas, esclarecendo dúvidas e apontando sugestões para a implantação adequada do PEA.

SJJ_7351-1-.JPG

Últimas notícias

  1. Etapa estadual do Circuito SESI de Tênis

    Leia

  2. Roberto Revelino toma posse da presidência da Regional Pontal do Triângulo

    Leia

  3. Time brasileiro que participou de mundial em Abu Dhabi é recebido pelo presidente Michel Temer

    Leia

  4. Sindicato das Indústrias de Alimentação de Juiz de Fora assina Protocolo de Intenções com ISTA&B

    Leia

  5. Integração e investimentos para inovação tecnológica

    Leia

  6. Teatro SESIMINAS recebe a grande final do Festival SESI Música 2017

    Leia

  7. Como implementar os ODS na estratégia empresarial

    Leia

  8. Seminário sobre construção sustentável reúne especialistas nacionais e internacionais na FIEMG

    Leia