Notícias

Tweed Ride BH no "Domingo com Arte no Museu"

Mergulho nos anos 1920, época de inauguração (1922) do prédio onde está instalado o SESI Museu de Artes e Ofícios, o evento desse domingo incentivou o uso da bicicleta como meio de transporte

O Tweed Ride foi criado em 2009 em Londres, quando um grupo de ciclistas resolveu pedalar resgatando vestimentas de inverno dos anos 20, 30 e 40, entre eles o tweed, um tecido de lã utilizado em estações frias. O passeio batizado de Tweed Ride, ou Tweed Run, ganhou o mundo com a mesma mensagem: a bicicleta é uma forma elegante de se deslocar pela cidade. Em Belo Horizonte a primeira edição ocorreu em 2013.

A edição de inverno do Tweed Ride BH aconteceu no domingo, 6 de agosto, às 9h, no  SESI Museu de Artes e Ofícios, como parte do projeto Domingo com Arte no Museu e homenageou a primeira capital planejada do Brasil, que comemora 120 anos, em dezembro. Inspirada na arquitetura de cidades modernas como Paris e Washington, Belo Horizonte só ganhou alma e corpo por meio dos diversos ofícios dos trabalhadores que vinham de várias partes do mundo e tinham como ponto de chegada a Estação Ferroviária da Estrada de Ferro Vitória Minas.

O dia de homenagens aos primeiros cidadãos trabalhadores da cidade começou com um café coletivo, no saguão de entrada do Museu, onde os apreciadores do universo vintage também assistiram ao pocket show da Banda Faca Amolada

A programação se estendeu com uma visita mediada ao acervo do MAO. “É importante lembrar também que o Tweed Ride celebra a bicicleta como um meio de transporte de todas as épocas e que muitas pessoas daquele período que moravam além do horizonte da Avenida do Contorno tinham a bicicleta como seu principal meio de transporte. Não é à toa que escolhemos o Museu de Artes e Ofícios, que exatamente homenageia muitas das profissões que compunham a sociedade belorizontina no início do século passado”, declara Gil Sotero, jornalista e co-produtor do Tweed Ride BH.

Ele completa que a noção de elegância é uma construção social vinculada a cada época e que o Tweed revive essa elegância dos tempos passados: “Muita gente de maneira equivocada acha que o Tweed Ride BH é um pedal elite, pois as pessoas capricham no visual que hoje é vinculado a uma camada da sociedade apenas. Basta uma pesquisa familiar ou rever os álbuns de fotografia de seus avós e antepassados para se inteirarem de como se vestiam essas pessoas ou as fotos do grande retratista Chichico Alkmim, Diamantina, que retratou a população mineira há décadas. Não existia a produção fast fashion e as roupas eram feitas por familiares ou encomendadas. Os trabalhadores possuíam poucas roupas e era absolutamente normal sair de casa com blazer, gravata e chapéu. Nós revivemos essa época como se o Tweed fosse a missa de domingo”, brinca Sotero.

A bicicleta era o veículo de muitos trabalhadores. Elas se popularizaram em Belo Horizonte após 1945 segundo o advogado e pesquisador do tema Eric Elias “Os europeus precisavam expandir mercado, por isso principalmente as inglesas vieram para cá em peso após 1945 e nos anos seguinte a bicicleta se consolidou como transporte individual popular”, declarou Eric

Depois da concentração no MAO os participantes que foram de bicicleta puderam fazer um passeio pelas ruas da região centro-sul da cidade visitando locais históricos.

Ride.png

Domingo com Arte no Museu

Projeto que conta com apresentações de música, dança, teatro e circo em manhãs de domingo, no SESI Museu de Artes e Ofícios, sempre com entrada franca.

 

Banda Faca Amolada

A banda constitui-se da união familiar e de amigos para a celebração da boa música e para o despertar do bem viver. Formada por Chico Bread (pai/violão, guitarra, gaita e voz), Isadora Rocha (filha/ukulele, violão, castanhola e voz), Emanuel Rocha (filho/guitarra e violão), Júlio Moura e Mauro Mourão (amigos/bateria e baixo), a banda desenvolve um trabalho de músicas autorais, que tratam da simplicidade da vida, das ruas e montanhas de Minas Gerais, das suas belezas e encantamentos. Com suas melodias “sincopadas”, Chico Bread, o autor das músicas tocadas, iniciou sua carreira nos anos 60. Participou de diversos festivais de música no estado de Minas Gerais, já tocou em teatros e universidades nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Após um tempo imerso em outras atividades que o distanciou da música, há cinco anos retornou a cidade de Belo Horizonte e reiniciou sua carreira artística. Agora com sua filha Isadora Rocha, seu filho Emanuel Rocha e amigos, toca pelas feiras e espaços culturais da cidade de Belo Horizonte e pelas cidades do interior do estado.

Galeria

Últimas notícias

  1. Inscrições para o Rota Global estão abertas

    Leia

  2. Largada da última etapa do Circuito SESI de Corrida de Rua será em Contagem, RMBH

    Leia

  3. Última semana de inscrições para o FIEMG Lab Acelera Mestrado e Doutorado

    Leia

  4. Mediação na solução de conflitos

    Leia

  5. Celso Afonso toma posse da presidência do Sindibolsas

    Leia

  6. Falta de confiança do empresariado mineiro persiste em agosto

    Leia

  7. "A Tropa", estrelada por Otávio Augusto do alto de seus 50 anos de carreira

    Leia

  8. CNI lança publicação sobre Modernização Trabalhista

    Leia