Notícias

Governança corporativa e familiar

Grupo Delp e Forno de Minas se apresentaram no 2º Seminário Mineiro de Governança Corporativa

Grupo Delp e Forno de Minas mostraram que é possível adotar ações rigorosas de governança corporativa e manter uma estrutura de comando familiar. As duas empresas se apresentaram no 2º Seminário Mineiro de Governança Corporativa, realizado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), junto com o Instituto Mineiro de Mercado de Capitais (IMMC) e com o Instituto Brasileiro de Gestão Corporativa (IBGC), no dia 25/09. O evento foi realizado na sede da FIEMG, em Belo Horizonte. 

O caso da Forno de Minas foi apresentado pela sua sócia-fundadora e diretora de Recursos Humanos e Comunicação, Hélida Stael Mendonça. Ela mostrou que a indústria alimentícia, desde sua fundação, em 1990 – feita por ela, sua mãe e dona da famosa receita dos pães de queijo, Maria Dalva Couto Mendonça, e seu irmão, Helder Mendonça – já contava com princípios de gestão corporativa como missão, valores e visão de negócio. Em 2009, quando os três recompraram a empresa que havia sido vendida, em 1999, ao grupo inglês Pillsbury, essas ações se intensificaram e ajudaram a recuperar a imagem da marca. 

“Passamos a contar com auditorias externas e com conselhos de administração e fiscal”, disse. Hoje, a Bozano Investimentos tem participação na empresa, mas o núcleo familiar permanece com os dois irmãos e Dona Dalva, como é conhecida a mãe. “Isso nos fez adotar inúmeras práticas de governança corporativa, que ajudam ainda mais nos negócios”, garantiu. A Forno de Minas é líder de mercado no Brasil, exporta para países com EUA, Portugal, Chile e Uruguai, possui cerca de 700 funcionários e teve faturamento, em 2013, de R$ 148,5 milhões. 

O presidente do Conselho de Administração do Grupo Delp, Humberto Zica, contou a história da empresa. Criada em 1964 pelo empresário e seu pai, Petrônio Machado Zica, e seus irmãos, passou por diferentes momentos até 1998. “O foco era grande em mineração e siderurgia. Passamos a atuar nos segmentos de energia, naval e petróleo e gás. Os dois últimos respondem hoje por 98% da produção. ‘Refundamos’ a nossa indústria”, pontuou Humberto Zica. 

Em 2005, ele e dois irmãos, a segunda geração da família, assumiram o comando da empresa. A gestão passou a contar com os três e outros dois diretores de fora do núcleo familiar. “Pessoas diferentes nos trouxeram novas opiniões e reorganizamos a estrutura da Delp”, informou. Zica explicou que a alteração foi motivada pelo crescimento dos negócios, quando fundaram uma segunda planta, em Vespasiano, por demanda de alguns clientes nas áreas ambiental e de segurança e, principalmente, pelo desejo de expandir os negócios. O Grupo faturou cerca de R$ 160 milhões em 2013 e possui quase mil empregados. “Com as ações de governança corporativa, aumentamos a proporção faturamento/funcionário e faturamento/hora paga”, acrescentou. 

O presidente do Conselho de Política Econômica da FIEMG, Lincoln Fernandes, afirmou que a proposta do Seminário é mostrar os benefícios da gestão corporativa para as indústrias mineiras. “Isso significa maior transparência e mais possibilidades de investimento nos negócios das empresas, o que aumenta a competitividade delas”, garante.

Galeria

Últimas notícias

  1. Indústria mineira atenta ao futuro do país

    Leia

  2. FIEMG Vale do Aço debate “Integridade nos Negócios” e ações contra a corrupção

    Leia

  3. Ações culturais no SESI Museu de Artes e Ofícios e arredores marcaram as comemorações pelo Dia da Indústria

    Leia

  4. Inova Moda revela tendências para o inverno 2018

    Leia

  5. Mídias Digitais e E-commerce como propulsores da competitividade para as indústrias da moda

    Leia

  6. Câmara da Indústria de Energia discute oportunidades e desafios do setor

    Leia

  7. Conselho de Representantes reúne-se na FIEMG

    Leia

  8. FIEMG comemora o Dia da Indústria 2017

    Leia