Notícias

ISI-CEDIIEE participa do Projeto Forte da FIEMG

Implantação do Instituto SENAI de Inovação em Itajubá trará ao país infraestrutura voltada para P&D&I. Empresas se preparam para fornecimento ao projeto

Sebastião Jacinto Júnior

A implantação do Instituto SENAI de Inovação, em Itajubá, no Sul de Minas, vai gerar oportunidades de negócios para a indústria mineira. O Instituto Senai de Inovação - Centro Empresarial de Desenvolvimento e Inovação da Indústria Elétrica e Eletrônica (ISI-CEDIIEE) participou nesta quarta-feira (11/10) do Projeto Forte da FIEMG para apresentar as próximas contratações.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou em agosto/2017 o financiamento de R$ 122,8 milhões para o projeto. O investimento total no empreendimento é de R$ 450 milhões, sendo que R$ 76,1 milhões já tinham sido aprovados em 2014.

O encontro também visa deixar mais transparente ainda os próximos editais que serão lançados para que os fornecedores se preparem. “Estamos mostrando as projeções de como serão feitas as compras. É muito importante a presença dos fornecedores aqui porque eles serão subcontratados pelo empreiteiro da obra. O conceito de divisão em partes foi feito depois de estudos para possibilitar a participação de pequenas empresas”, diz o presidente do Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares no Estado de Minas Gerais (Sinaees-MG), Ricardo Vinhas.

Segundo a coordenadora do ISI-CEDIIEE, Gilmara de Oliveira, o complexo em Itajubá ocupará uma área de 210 mil metros quadrados, sendo 60 mil m2 de área útil. Pioneiro na América Latina no que se refere à pesquisa e desenvolvimento de novos equipamentos na área, o local contará com dez galpões de 450 m2 cada, destinados à parceria com o meio acadêmico. A integração com as universidades da região foi um dos fatores que pesou para a escolha do município. “Itajubá foi escolhida por ser um polo com várias indústrias do setor e um meio acadêmico voltado para a engenharia. Está nesse triângulo formado entre Minas, Rio de Janeiro e São Paulo. E ainda por ter uma subestação com capacidade de fornecer energia necessária particularmente para os ensaios de curto-circuito. Não há na América Latina nenhum laboratório que use esse equipamento nos testes de curto-circuito, que é um dos mais demandados pela indústria”, diz.

O projeto deve ser entregue no máximo em 2020. “Em termos de obras, a terraplenagem, a camada asfáltica e a drenagem estão finalizadas. A próxima obra, que já foi licitada, é a construção da subestação, que começa em novembro. O primeiro edital a ser lançado será o do laboratório de alta potência, que é a ‘cereja do bolo’, o principal laboratório. E logo depois, a parte de construção civil”, detalha Oliveira.

O projeto é desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), FIEMG e o Sinaees-MG e conta com parceria do governo de Minas Gerais.

Últimas notícias

  1. Alunos do SENAI-MG competem na WorldSkills

    Leia

  2. Belo Horizonte será a capital da inovação e tecnologia

    Leia

  3. Oportunidade de exportação para o setor metalmecânico

    Leia

  4. Empresários do setor metalmecânico do Vale do Aço participam da Missão de Prospecção Comercial

    Leia

  5. ABIMAQ celebra oito décadas de atuação em benefício da indústria

    Leia

  6. FIEMG inicia terceira ação PROCOMPI do setor metalmecânico do Vale do Aço

    Leia

  7. SuperMinas 2017 traz as últimas novidades do varejo e oportunidades de negócios

    Leia

  8. SESI Música seleciona dez finalistas para cada categoria dentre os talentos da indústria

    Leia