Palavra do Presidente

23/03/2017

Carne Forte em Minas

por Olavo Machado Junior

Competitividade e confiança andam sempre juntas. A cadeia produtiva da indústria da carne e derivados em Minas Gerais conhece muito bem essa caminhada. Ao longo de décadas, o setor, um dos mais tradicionais do estado, construiu a sua reputação com uma busca constante por inovação e desenvolvimento de tecnologia, de forma a entregar aos consumidores produtos de reconhecida qualidade nos quatro cantos do mundo.

Resultado de um trabalho profissional e sério, sempre pautado pelo respeito ao meio ambiente e às regras sanitárias elaboradas com base em padrões internacionais, a nossa reputação não pode ser destruída pela inconsequência e desinformação. Essa é a grande ameaça trazida pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, deflagrada na última semana e que causou impactos negativos sobre toda a cadeia produtiva do setor. Nenhuma indústria mineira está envolvida, mas consideramos importante registrar o nosso alerta: é preciso ter cuidado para evitar danos às empresas que atuam nessa cadeia produtiva, colocando em risco o emprego de centenas de milhares de trabalhadores.

Não pregamos a impunidade – quem errou deve pagar pelo que fez. A indústria de carne e derivados em Minas Gerais defende inspeções sanitárias rigorosas e investigações necessárias para punir desvios. Não interessa a empresas sérias, que são a maioria esmagadora, que pessoas corruptas façam parte de seus quadros. Também não interessa à cadeia produtiva que irregularidades ameacem a reputação do setor. A integridade nos negócios e o respeito às normas é parte fundamental da concorrência ética e transparente.

Neste momento, precisamos preservar empresas que pautam sua atuação pela construção de um ambiente corporativo íntegro. É preciso evitar o sensacionalismo e a espetacularização de organismos fiscalizadores e policiais que geralmente se deixam levar por informações duvidosas e, muitas vezes, inverídicas. Desses agentes, exigem-se responsabilidade e compromisso com empreendedores e trabalhadores honestos que, em seu cotidiano, contribuem para o desenvolvimento econômico e social do país. Reconhecemos e aplaudimos o trabalho realizado pela Política Federal, mas não podemos concordar que, tendo sido detectado um problema que pode afetar a saúde da população, a solução seja postergada para viabilizar uma operação maior, como foi o caso. Constatado o erro, que ele seja imediatamente corrigido, cumprindo-se a lei e evitando o seu prolongamento.

Não por acaso, a indústria mineira recebeu, na última terça-feira (21), a visita do Ministro da Transparência, Torquato Jardim, na sede da FIEMG, em Belo Horizonte. O encontro com o empresariado do estado, para apresentar o Programa Pró-Ética, mostra o comprometimento com a integridade dos negócios em Minas Gerais. Somos todos parceiros na construção de um novo Brasil – um País que possa superar a crise econômica, política e ética, combatendo práticas ilegais e habilitando-se para competir globalmente.

A cadeia produtiva de carne e derivados em Minas Gerais está incluída de forma ativa nesse processo. Unidos, o Sistema FIEMG e os sindicatos que representam as empresas do setor (Sindicato Intermunicipal das Indústrias de Carnes e Derivados e do Frio no Estado de Minas Gerais, Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados de Uberlândia e Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado de Minas Gerais), bem como os demais sindicatos do setor alimentício e todos os sindicatos filiados ao Sistema FIEMG, reafirmam o compromisso com o mais absoluto respeito e reconhecimento às ações destinadas a identificar e punir irregularidades.

Entendemos que, administradas com responsabilidade e bom senso, ao lado de proteger o consumidor, tais ações cumprem a importante missão de resguardar a maioria esmagadora das empresas que operam no setor e que trabalham com o mais absoluto respeito à população, operando processos produtivos reconhecidos e aprovados em todo o país e nos grandes mercados internacionais.

Foi por esse trabalho sério que a cadeia produtiva de carne e derivados em Minas Gerais conquistou espaço em outros estados e nos grandes mercados mundiais. Os números são expressivos: a cadeia produtiva da indústria da carne mineira emprega mais de 155 mil trabalhadores, e o valor bruto da produção mineira de carnes representa 8,5% do total brasileiro. Com mão de obra qualificada, conseguimos aumentar o nosso volume de exportação em 24% nos últimos dez anos. Entregamos nossas carnes em destinos variados, como Hong Kong, China, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Holanda, Rússia, Irã, Chile e Israel. Em 2016, o valor comercializado com outros países somou US$ 831,8 milhões.

A conquista de mercados tão diversos só foi possível em razão da credibilidade construída ao longo das últimas décadas e deve-se, com certeza, à seriedade, ao empenho e à determinação dos empresários do setor, bem como à parceria com os órgãos oficiais de representação internacional. Com esses compromissos, seguiremos firmes para conquistar novos mercados. Não nos afastaremos do inarredável comprometimento com a sociedade mineira e com o completo cumprimento de todos os parâmetros legais estabelecidos pelo Ministério da Agricultura e Pecuária e pelo Serviço de Inspeção Federal. Este é o nosso rumo.

“É preciso evitar o sensacionalismo e a espetacularização de

organismos fiscalizadores e policiais (...)”

Palavra do Presidente

Olavo Machado Junior
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 23/03/2017

Edições Anteriores

  1. Não a mais impostos!

    Leia

  2. Somos um país honesto!

    Leia

  3. Unidos pelas reformas

    Leia

  4. Constituinte, já!

    Leia

  5. Direito da Cemig

    Leia

  6. Carne Forte em Minas

    Leia

  7. BH, capital da inovação

    Leia

  8. Educação campeã

    Leia


Confira artigos anteriores