Notícias

Fiemg Regional e Adesp integram Grupo de Mobilização do Plano Diretor

Plano Diretor será revisto até o fim do ano

Nesta semana, a Prefeitura de Patos de Minas promoveu a primeira reunião de sensibilização e mobilização para a elaboração do Plano Diretor. Dentre as entidades/instituições que integram o grupo estão a FIEMG Regional Alto Paranaíba e a Adesp (Agência para o Desenvolvimento Econômico e Social de Patos de Minas), com a participação do presidente da Fiemg Regional e da Adesp, João Batista Nunes Nogueira; da técnica da Adesp, Sílvia Leão Barbosa Metz; do gerente Rodrigo Guimarães Motta e da analista de Comunicação Mariângela Nogueira, ambos da Fiemg Regional.

Durante a reunião, o diretor da Secretaria de Planejamento, Marcelo Ferreira Rodrigues, falou sobre a importância da realização de um Plano Diretor para o município, por ordenar o crescimento futuro, considerando-se o adensamento populacional; uso e ocupação de solo; mobilidade urbana, dentre outros instrumentos; de forma a garantir um lugar adequado para morar, trabalhar e viver com dignidade a todos os cidadãos do município.

Ele apresentou ainda a metodologia que será adotada, destacando que serão três etapas: mobilização e capacitação; realização de levantamentos e audiências temáticas e regionalizadas; e, a sistematização das propostas com a elaboração de projeto de lei pela Prefeitura e aprovação pela Câmara Municipal. Serão programadas audiências nas áreas urbana e rural, sendo que na área urbana, serão feitas divisões por regiões.

O presidente da Adesp e da Fiemg, João Batista Nunes Nogueira, destacou a importância de se ter o geoprocessamento do município para a análise das leis complementares e melhor adequação do planejamento urbano para os próximos anos. "É o momento de toda a comunidade participar para realizarmos os projetos da 'Cidade que Queremos'. O Plano Diretor é revisado a cada dez anos e a participação popular, manifestando os seus sonhos, é fundamental para a legitimidade das proposições", disse.

João Batista destacou que quer que a cidade seja mais inclusiva. “Que seja dada a oportunidade ao cidadão de ter acesso à todas as suas necessidades no entorno de sua residência, sem ter a necessidade de pegar um veículo ou acessar um transporte coletivo para ter acesso às suas fontes de emprego e renda, de lazer, de compra de produtos, de educação e de saúde. A cidade inclusiva permitirá que todos os cidadãos desfrutem de todos os serviços disponíveis para eles”, enfatizou.

 

Galeria