Notícias

Minianel Viário de Juiz de Fora é reivindicado pela FIEMG na ALMG

Presidente da Regional ZM participou de audiência pública para discutir a renovação antecipada da concessão da malha viária de Juiz de Fora pela MRS Logística

O presidente da FIEMG Regional Zona da Mata, Francisco Campolina, participou, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais - ALMG, em Belo Horizonte, dia 30 de maio, de uma Audiência Pública para discutir os investimentos no município de Juiz de Fora e região, decorrentes da prorrogação do contrato de concessão no setor ferroviário com a empresa MRS Logística, no âmbito do Programa de Parcerias de Investimento – PPI, a convite da Comissão de Desenvolvimento Econômico da ALMG.

Como alternativa para aliviar o tráfego pesado na cidade, Campolina reivindicou que seja executada pela MRS a obra de construção do Minianel Viário de Juiz de Fora, uma das propostas que integram o estudo da FIEMG “Perspectivas para o desenvolvimento da Zona da Mata Mineira”, publicado em 2015.

O objetivo da obra é o remanejamento do trânsito de caminhões na região urbana de Juiz de Fora, através da ligação entre as rodovias BR-267 e BR-040. O minianel aliviaria o trânsito da cidade, evitaria congestionamentos, e resultaria para a população em ganhos de produtividade e segurança, além da redução dos custos em logística para veículos em passagem pelo município.

Durante a audiência, o diretor de Relações Institucionais da MRS Logística, Luiz Gustavo Bambini de Assis, destacou a parceria da MRS com o SENAI, e elogio a qualidade dos treinamentos recebidos pela equipe na unidade José Fagundes Neto. Ele também afirmou que a sede da MRS permanecerá em Juiz de Fora e que a empresa continuará a investir na cidade, aumentando o número de empregos de qualidade. A transposição da linha férrea foi descartada pelo representante da empresa.

Vários prefeitos e vereadores da Zona da Mata estiveram presentes, além do assessor da prefeitura de Simão Pereira, Virgílio Furtado. Os parlamentares juiz-foranos se posicionaram e pediram várias soluções para os transtornos provocados pelo tráfego ferroviário. A possibilidade de renovação antecipada da concessão foi aprovada pelo Congresso por medida provisório em 2016 e ainda necessita de sanção presidencial.