Notícias

Curso de aprendizagem industrial é a chance de aprender uma profissão

Em Minas Gerais as aulas começaram no último dia 22/01. As próximas inscrições serão abertas em abril

Para jovens que têm a Carteira de Trabalho (CT) em branco, o curso de Aprendizagem Industrial do SENAI pode ser a porta de entrada do primeiro emprego.

 A estagiária de psicologia da multinacional BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, em Uberlândia, Vitória Souza, de 20 anos, começou a construir sua carreira no curso de Aprendizagem Industrial em Processos Administrativos, em 2014, no SENAI Fábio de Araújo Motta. “O curso foi maravilhoso em todos os sentidos porque foi a base de tudo. Eu era muito introvertida, não tinha facilidade em lidar com as pessoas, e hoje o que eu mais faço na empresa são entrevistas. Tudo o que aprendi, consigo aplicar na minha área e tudo o que faço aqui é buscando uma vaga de analista”, diz.

Quem faz um curso de aprendizagem tem aulas teóricas e práticas nas unidades do SENAI. Mas, além disso, tem a chance de vivenciar o dia-a-dia de uma empresa do setor escolhido. Os cursos são gratuitos e são oferecidos em diversos segmentos do setor produtivo. Para a experiência profissional, os estudantes assinam um contrato especial de até dois anos com carteira assinada e aí vem a chance de efetivação.

Para o gerente do SENAI de Uberlândia, Cláudio Galvão, o programa pode ser uma via de mão dupla. “O jovem aprendiz começa sua formação profissional de acordo com a necessidade de cada empresa e então é um investimento que a empresa faz para ter sua mão de obra qualificada. Um funcionário que executou suas funções na condição de aprendiz por mais de um ano tem todas as condições de ser bem avaliado e bem sucedido”, explica.

João Victor Caldeira, de 21 anos, é aluno do curso de Aprendizagem Industrial em Usinagem Mecânica, do SENAI Américo Renê Giannetti, a unidade da Lagoinha, em Belo Horizonte, no turno da manhã. Ele iniciou o curso em janeiro de 2016 e é contratado pela mineradora Vale. À noite, João Victor é aluno de Engenharia Mecânica na PUC-MG. “A experiência prática que tenho no SENAI é fundamental. Os professores são de alto nível e eu tenho esperança de sair efetivado pela empresa”, diz.

Em Minas Gerais, as aulas começaram na última segunda-feira (22/01) para 4.200 alunos, em 53 escolas, de 43 municípios. Os cursos mais procurados são de Manutenção Mecânica Industrial, Controle de Qualidade Industrial, Processos Administrativos e Aprendizagem em Desenho Mecânico.

Para participar do programa, os candidatos devem ter entre 14 e 24 anos. O jovem deve estar estudando a partir do 9° ano do Ensino Fundamental, EJA ou ter concluído o Ensino Médio. Os cursos têm duração entre seis meses e um ano e meio e para entrar em um deles é preciso passar pelo processo seletivo.

A remuneração de um aprendiz é calculada a partir do salário mínimo/hora e pode ser maior dependendo de acordos coletivos ou do setor. Eles têm os mesmos direitos dos demais trabalhadores como férias, 13º salário, vale-transporte e FGTS. A Aprendizagem Industrial é regida por normas como o art. 429 da Consolidação das Leis Trabalho (CLT), a Lei nº 10.097/2000 e o Decreto 5.598/2005.

 

Veja também:

Jovens aprendizes preenchem vagas do mercado de trabalho

Últimas notícias

  1. Aulas suspensas nas escolas SESI e SENAI de Minas

    Leia

  2. Industrial do Ano, Otávio Viegas se destaca por inovações no diagnóstico por imagem

    Leia

  3. Medalha do Mérito Industrial: reconhecimento por benefícios gerados às comunidades e à economia

    Leia

  4. Dia da Indústria 2018 presta homenagens e marca início de nova gestão na FIEMG

    Leia

  5. Presidente da CNI, Robson Andrade, recebe Colar do Mérito Industrial

    Leia

  6. No Dia da Indústria, Temer anuncia queda de impostos sobre combustíveis e cobra corte no ICMS

    Leia

  7. Governador critica política de preços da Petrobras

    Leia

  8. Flávio Roscoe toma posse e lança novos desafios para a indústria de Minas

    Leia