Notícias

Perspectivas econômicas e políticas para 2018

Seminário com o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, e o cientista político Rafael Cortez, na FIEMG, traça cenários para o Brasil

A implementação de reformas consideradas essenciais pelo governo, incluindo a previdenciária, podem contribuir para que o setor produtivo brasileiro dê um salto de produtividade nos próximos 10 anos, segundo o ex-presidente do Banco Central e fundador da Rio Bravo Investimentos, Gustavo Franco. Em seminário promovido pela FIEMG, SICEPOT/MG e a Rio Bravo Investimentos no dia 5/12, ele falou sobre as perspectivas econômicas para o país nos próximos anos. “Temos uma agenda complexa de ajustes que não são difíceis de identificar, mas que o Brasil precisa se mobilizar para fazer. O futuro está em nossas mãos”, avaliou.

Franco criticou, entre outros problemas que dificultam a redução dos gastos públicos, a diferença salarial discrepante entre o setor público e o privado, que chega, segundo ele, a 67%.

O seminário foi promovido em um esforço conjunto das entidades para traçar possíveis cenários que norteiem os empresários no seu posicionamento e na tomada de decisões em 2018. O evento contou ainda com a participação do cientista político e sócio da Tendências ConsultoriaRafael Cortez, que falou sobre a situação política atual e possibilidades futuras.

Segundo Cortez, a soma de um governo com baixíssima aprovação, a proximidade das eleições e a necessidade de aprovar medidas impopulares forma um quadro desafiador para a aprovação da Reforma da Previdência. “A incerteza em relação à corrida presidencial gera um viés negativo para a economia em 2018. A possibilidade de haver um racha na base aliada do governo traz o risco de uma disputa que poderá acabar viabilizando um candidato pequeno no segundo turno”, analisou.

Além disso, movimentos conjunturais, como o status jurídico do ex-presidente Lula (ainda indefinido), reforçam a possibilidade de polarização entre PT e PSDB.

Ainda assim, de acordo com Cortez, a Tendências Consultoria trabalha com a probabilidade maior de eleição de um candidato governista. Para ele, a sensação de que a economia está melhorando despertará no eleitor o sentimento de continuidade. “A eleição é quase um plebiscito do governo atual”, concluiu.

Livro – Além de falar sobre perspectivas econômicas, o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, lançou, na FIEMG, o livro “A Moeda e a Lei”. A obra faz uma retrospectiva da vida monetária do país nos últimos 80 anos.

 

Galeria

Últimas notícias

  1. Alunos de processamento de carnes concluem curso

    Leia

  2. Reforma da Previdência Já!

    Leia

  3. Indústria em destaque na Feira de Artesanato

    Leia

  4. Triângulo Mineiro realiza 1º Treinamento do LEAN CONSTRUCTION

    Leia

  5. SINDINOVA promove 16º Jantar de Confraternização

    Leia

  6. Solução digital para processo de outorga de recursos hídricos

    Leia

  7. Em defesa dos interesses da indústria

    Leia

  8. Cenário sindical e novas leis do trabalho

    Leia