Notícia

Empresas devem estar atentas à Aposentadoria Especial

Tema foi pauta de seminário virtual promovido pelo Conselho de Relações do Trabalho da FIEMG

Com o objetivo de esclarecer os principais pontos e levar informações para as empresas que têm dúvidas sobre a Aposentadoria Especial, o Conselho de Relações do Trabalho da FIEMG promoveu nesta quinta-feira, dia 23/7, seminário on-line com grandes especialistas de diversas frentes para debater o tema "Aposentadoria especial e seus impactos previdenciários e trabalhistas".

Para Érika Morreale, presidente do Conselho, o tema pode trazer insegurança jurídica e grandes impactos financeiros para as empresas, e requer atenção. "A cobrança do ADRAT, que é o Adicional do RAT (Risco Ambiental do Trabalho) é ligada à Aposentadoria Especial e reflete em um grave problema dentro das empresas", diz. Segundo Morrale, existe um "limbo" entre o jurídico Trabalhista e Tributária e as demais áreas das empresas, como Recursos Humanos e Segurança e Saúde do Trabalho.

Já a Receita Federal tem se especializado, cada dia mais, e as empresas têm que se preparar para estar à frente das demandas. "É fundamental despertar para a elaboração de uma rica documentação, laudos relacionados à SST, recibos de entrega de EPI, por exemplo", afirma a presidente do Conselho.

De acordo com Morreale, o objetivo principal do seminário foi alertar e preparar as empresas para a onda de fiscalização e possíveis autuações por parte da Receita Federal, principalmente após a confusão gerada com a edição do Ato Declaratório Interpretativo Nº 02, da RFB, de setembro de 2019. "Sempre fomos orientados ao entendimento de que, se a empresa adota medidas de proteção que neutralizam ou reduzam o grau de exposição a níveis legais de tolerência, não há que se falar em Aposentadoria Especial e nem em ADRAT. Mas, a Receita firmou o entendimento de que, mesmo se a empresa adotar o EPI ou EPC adqueados e suficientes, havendo o direito à Aposentadoria Especial, ocorre a incidência da ADRAT. Na nossa visão há uma distorção", pontua.

O que é a Aposentadoria Especial
A Aposentadoria Especial é um benefício concedido ao cidadão que trabalha exposto a agentes nocivos à saúde, como calor ou ruído, de forma contínua e ininterrupta, em níveis de exposição acima dos limites estabelecidos em legislação própria, que podem causar algum prejuízo à sua saúde e integridade física ao longo do tempo. É possível aposentar-se após cumprir 25, 20 ou 15 anos de contribuição, conforme o agente nocivo. Além do tempo de contribuição, é necessário que o cidadão tenha efetivamente trabalhado por, no mínimo, 180 meses. Períodos de auxílio-doença, por exemplo, não são considerados para cumprir este requisito.

Participaram do debate os palestrantes Paulo Roberto Coimbra Silva; Onofre Alves Batista Júnior; Alice de Abreu Lima Jorge; Guilherme Bagno; Valton Pessoa e Eduardo de Carvalho Nascimento que trouxeram uma abordagem tributária, previdênciária e também trabalhista das consequências da Aposentadoria Especial e da Cobrança do ADRAT.

Últimas notícias

  1. Diretores do CIEMG se reúnem para acompanharem ações da entidade

    Leia

  2. Lei que facilita a venda de imóveis da União é pauta de encontro

    Leia

  3. FIEMG e CCEE apresentam as regras gerais de comercialização de energia

    Leia

  4. Conselho de Infraestrutura da FIEMG recebe secretário estadual

    Leia

  5. União para um ambiente de negócios mais justo em Santa Luzia

    Leia

  6. Apoio à exportação de empresas brasileiras é tema de webinar

    Leia

  7. Presidente Flávio Roscoe visita Uberlândia e Araguari

    Leia

  8. FIEMG abre licitação para ampliar e construir novas unidades do SESI

    Leia