Notícia

A industrialização como fortalecimento e expansão dos negócios de produtores de café

Processo agrega valor ao grão e amplia as possibilidades de negócios de diversos produtores que também são empresários

Uma tradição familiar com mais de 50 anos na produção de café. A família de Brainne Cardoso Vaneli realiza a plantação, o cultivo, a colheita e a preparação do grão. Ao ter em mãos um produto certificado e de qualidade, vencedor de prêmios, a possibilidade de ir além da venda das sacas levou o produtor e a esposa, Kamila Cardoso Pereira Oliveira Vaneli, a iniciarem o processo de industrialização. Agora eles também são empresários e donos da sua própria marca de café, a Cardioli Cafés Especiais.

Cultivado na Fazenda Córrego Bonito, localizada nas montanhas da cidade de Ilicínea, no Sul de Minas Gerais e com uma altitude média de 1.250 metros, o grão produzido por Brainne e Kamila era caracterizado como básico dentro do padrão de qualidade da certificação de grãos especiais, mas eles decidiram procurar novos caminhos para valorizar o produto. “Em 2013 participamos de um concurso de qualidade e ficamos em terceiro lugar. Em 2014, 2015 e 2016, conquistamos o primeiro lugar, com dois lotes diferentes. A partir daí não paramos de participar e de nos destacar em concursos”, contou o empresário e produtor.

Desde então, a vontade de ampliar os negócios e começar o processo de industrialização para vender o grão empacotado e com uma marca própria não saiu do foco dos produtores. “A ideia de industrializar começou em 2015, quando conseguimos aumentar a produção e ter volume para realmente colocar o projeto em prática. No início de 2020, apesar da pandemia, conseguimos sair do zero, criamos a marca e colocamos o produto para rodar. Atualmente vendemos o café empacotado em embalagens em grãos torrados e na versão moído. É um novo caminho e um desafio, nossa marca está ganhando escala aos poucos, estamos em estudo de mercado e vendo a aceitação. Queremos crescer mais”, celebrou Brainne. Atualmente o Cardioli Cafés Especiais é vendido no varejo nas cidades de Varginha, Alfenas e Belo Horizonte e o plano prevê a expansão para vendas no atacado e por um e-commerce próprio.

Kamila contou que a ideia de iniciar o processo de industrialização foi incentivada por aqueles que provavam a bebida, o que contribuiu diretamente para o aumento da procura do grão premiado. “Amigos e parentes indicaram nosso café para conhecidos. Foi quando começamos a melhorar nosso processo de torra e moagem, além de conseguir um profissional qualificado para a classificação e degustação do café. Além disso criamos o nome, logo e melhoramos as embalagens. Com a industrialização conseguimos ter um padrão com a qualidade adequada, fazendo com que tivéssemos a confiança e ânimo para expandir as vendas”, explicou.

O Cardioli é um café 100% arábica com notas de flor de laranjeira, limpo e equilibrado de sabor caramelo, mel e floral, acidez cítrica, corpo cremoso e final equilibrado, somando 86 pontos na classificação de cafés especiais. De acordo com a Metodologia de Avaliação Sensorial da SCA (Specialty Coffee Association), usada no mundo todo, um café especial é aquele que atinge, no mínimo, 80 pontos na escala de pontuação da metodologia, que vai até 100.

A industrialização

O processo de industrialização agrega mão de obra qualificada, respeita normas de segurança e higiene e procura utilizar equipamentos ecologicamente corretos, tudo dentro das exigências de órgãos competentes.

De acordo com gerente de Projetos para a Indústria do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), Thadeu Neves, atualmente existe uma tendência de produtores de café realizando o beneficiamento do produto para atender a um público que procura por cafés especiais. “Quem produz e quer industrializar precisa identificar qual nicho quer atuar, se vai fornecer para alguma indústria ou se quer empreender com uma marca própria”, explicou.

A partir dessa tomada de decisão, uma análise de mercado e um plano de negócios são o ponto de partida. “Estudar bem o mercado e formalizar o negócio, ajustando seu contrato social, a Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE) para que o empreendedor possa receber apoio como empresário da indústria e colocar seu produto de forma oficial no mercado é fundamental. A FIEMG está preparada apoiar quem já está no processo da indústria e, para quem vai começar do zero, o Sebrae é um dos parceiros mais estratégicos”, finalizou Neves.

Dia Mundial do Café

Em 14 de abril a indústria cafeeira mundial celebra a segunda bebida mais consumida do mundo, perdendo apenas para a água. O café foi para o Brasil e ainda é para várias de suas regiões produtoras a força propulsora do desenvolvimento socioeconômico, produzindo e distribuindo riquezas, além de ter uma grande capacidade geradora de empregos. Mais forte, mais suave, instantâneo, expresso, orgânico, descafeinado ou gourmet. O café é praticamente uma unanimidade.

Leia também

Café: a indústria que movimenta a economia, a história e o coração dos mineiros

 Inovação e tecnologia para agregar valor ao grão

Uma paixão nacional que faz bem para a saúde

Sabor que leva Minas mundo afora

Por Flávia Carolina Costa

Galeria

Últimas notícias

  1. Setor produtivo celebra decisão do STF

    Leia

  2. Escolas de Esportes SESI retomam suas atividades

    Leia

  3. Repercussões do Enquadramento da Covid-19 como Doença Ocupacional é tema de debate

    Leia

  4. Sinquifar realiza doação de capacetes para instituição de saúde de Juiz de Fora

    Leia

  5. Mais solidariedade no combate a Covid-19

    Leia

  6. Equipe de São João del-Rei vence Torneio SESI de Robótica FFL

    Leia

  7. Conselho FIEMG Jovem discute os tratamentos tributários setoriais de MG

    Leia

  8. Apex apresenta oportunidades no setor de energia, petróleo e gás

    Leia