Notícia

As relações Brasil e Argentina na pauta dos empresários

Reinaldo José de Almeida Salgado, embaixador do Brasil na Argentina, participou do Ciclo de Conferências sobre a Nova Política Externa Brasileira

O embaixador do Brasil na Argentina, Reinaldo José de Almeida Salgado, apresentou, no dia 02/06, a palestra "As relações Brasil-Argentina”. O evento, que teve como mediador Roberto Goidanich, presidente da Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG), foi realizado de forma remota e com transmissão via WEBTV FIEMG.  

“A relação Brasil e Argentina é essencial e estratégica. Serve aos interesses permanentes do Brasil e vem trazendo benefícios concretos para o país e para a sociedade. Tenho certeza de que a Argentina pensa o mesmo, pois a prosperidade de ambos é de interesse de todos e a parceria entre os dois países traz vantagens, sendo que o crescimento mútuo é indiscutível”, afirmou Salgado na abertura de sua explanação.  

Segundo o embaixador, as relações diplomáticas entre os dois países se confundem com suas origens. Em 1821, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, foi pioneiro em reconhecer a independência da Argentina. “Apesar dos vínculos originários, Brasil e Argentina, durante mais de 150 anos, viveram entre a rivalidade e indiferença, com poucos períodos de cooperação sustentada. Entre a visita de Getúlio Vargas (1935) e Fernando Collor de Mello (1990) se passaram mais de 50 anos sem que qualquer presidente brasileiro visitasse a Argentina, salvo os encontros na fronteira”, esclareceu. Somente a partir da década de 1980 que o padrão da relação entre os dois países passou a ter estabilidade e contexto de cooperação. A relação dos dois países foi reforçada  com a assinatura da Declaração de Iguaçu (1985).

“A mudança aconteceu devido à Declaração de Iguaçu (1985) e a criação do Mercado Comum do Sul (Mercosul), em 1991. A fronteira Brasil/Argentina se estende por 1.261 quilômetros e a política de integração fronteiriça é essencial na agenda de cooperação bilateral. A Comissão de Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço (CODEFRO), acordada em 2011, é uma importância instância bilateral. “Não é a nossa maior fronteira, mas é a mais importante pois o Brasil é o principal parceiro internacional da Argentina e todo comércio e intercâmbio internacional com nosso parceiro na região é feito por barco, avião e ponte”, ressaltou.    

Os investimentos brasileiros na Argentina se concentram principalmente nos setores siderúrgico, petrolífero, bancário, automotivo, têxtil, calçadista, de máquinas agrícolas, de mineração e de construção civil. A presença de capitais argentinos no Brasil também é expressiva. Entre as áreas beneficiadas pela parceira bilateral, pode se destacar o setor automotivo, que tem efeitos diretos e indiretos sobre o conjunto da economia brasileira e na economia mineira. Também se destaca outros campos de cooperação como a mineração, siderurgia, metalurgia e química, entre outros. Dentre os principais acordos bilaterais entre Brasil e Argentina pode-se destacar o Acordo comercial Brasil-Argentina para o Setor Automotivo (2019), a Cooperação Nuclear Brasil-Argentina (2018) e Memorando de Entendimento entre Brasil e Argentina sobre Regulamentos Técnicos do Setor Automotivo (2018). 

Com relação ao Mercosul, o embaixador reforçou o trabalho do MRE na facilitação do comércio entre os países: “Desde 2017 o MRE ajudou a eliminar mais de 50 barreiras comerciais agrícolas entre Brasil e Argentina. Nossa embaixada na Argentina é uma das mais demandadas no mundo tratando-se se questões comerciais”, afirmou.  

A palestra "As relações Brasil-Argentina” faz parte da programação do Ciclo de Conferências Sobre a Nova Política Externa Brasileira - Diálogos com os Embaixadores, uma parceria entre a FIEMG e FUNAG. Fabiano Nogueira, diretor consultivo da FIEMG e presidente do Conselho de Política e Mercados Internacionais da Federação mineira, foi quem fez a abertura do evento e destacou que a Argentina é um dos principais parceiros comercial e de investimento do Brasil, sendo o principal sócio no Mercosul. “Apesar das dificuldades econômicas tanto do Brasil quanto da Argentina, a Argentina é um dos nossos principais compradores de produtos industrializados”, afirmou Nogueira pontuando que quase 200 empresas brasileiras têm negócios e investimentos na Argentina.  

Fábio Sacioto, vice-presidente da Câmara do Comércio Indústria Argentina-Minas Gerais (CCIAMG), presidente do CIEMG, 1º diretor Financeiro da FIEMG e delegado do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) também participou da abertura do evento e ressaltou que a Argentina é o principal mercado das exportações de Minas Gerais. “Precisamos, cada vez mais, aumentar a comunicação com nossos vizinhos, e identificar as oportunidades de negócios. É importante não termos uma visão de competitividade e sim, fomentar a sinergia, a potencialidade e os pontos positivos para podermos crescer e exportar os produtos do Mercosul para outros continentes”, reforçou Sacioto.

Agenda – A próxima palestra do Ciclo de Conferências Sobre a Nova Política Externa Brasileira - Diálogos com os Embaixadores será realizada no dia 9/06, às 10h, e o embaixador convidado, Sérgio Danese, representante do Brasil na África do Sul. O evento, que terá como tema “As relações do Brasil com a África do Sul, o Lesoto e Maurício” e será transmitido via WEBTV FIEMG. 

Últimas notícias

  1. Sindigraf-JF tem nova Diretoria

    Leia

  2. Cemig prevê investimento de R$ 15,4 bilhões nos próximos seis anos

    Leia

  3. Setor têxtil participa de projeto Setorial Lean Manufacturing

    Leia

  4. Conselho Tributário da FIEMG aborda temas diversos sobre ICMS

    Leia

  5. Inspeção veicular em pauta

    Leia

  6. FIEMG Jovem recebe Flávio Roscoe em conversa sobre rumos de Minas e do país

    Leia

  7. Sociedade, indústria e comunidade acadêmica conectadas

    Leia

  8. Tributos e Encargos do Setor Elétrico Brasileiro

    Leia