Notícia

Decisão da Justiça garante debate ampliado sobre novo Plano Diretor

Vitória reforça a mobilização “Mais Imposto Não, BH” liderada pelo presidente da FIEMG, Flávio Roscoe, sindicatos, organizações de classe e que teve ampla adesão da sociedade

A FIEMG conseguiu importante vitória para impedir o que considera a criação de mais um imposto para a população de Belo Horizonte.  A gerência jurídica da entidade empresarial obteve decisão favorável na justiça, tendo sido determinado o adiamento da V Conferência Municipal de Políticas Urbanas para a inclusão da discussão da Lei n. 1.749/15, que trata do Plano Diretor e que está em tramitação na Câmara Municipal de Belo Horizonte. 

Mobilização -“Nossa mobilização defende o direito da sociedade de discutir e entender o Plano Diretor e suas implicações para a vida da população”, ressaltou Teodomiro Diniz, vice-presidente da FIEMG, lembrando que movimento “Mais Imposto Não, BH” lançado em 9 de julho deste ano pela FIEMG e mais 27 entidades de profissionais e empresas que atuam na capital mineira. A iniciativa defende a necessidade de rever alguns pontos do plano, já conta com a adesão de mais de 100 mil pessoas. 

Um dos principais pontos questionados é o coeficiente de aproveitamento dos terrenos. Atualmente, na capital, proprietários que possuem, por exemplo, áreas de 1.000m² podem construir até 2,7 vezes sobre o tamanho dela. Pela proposta do novo plano, o coeficiente de aproveitamento cai para 1,0. Na prática, em um lote de 1.000 m² será possível construir restritivamente 1.000m². Quem quiser construir mais que isso terá que pagar a chamada outorga onerosa à Prefeitura de BH. De acordo com um estudo técnico, se aprovada pelos vereadores, a medida vai gerar aumento final médio de 30% nos preços dos imóveis. 

Estudo - O argumento defendido pelo movimento “Mais Imposto Não, BH” é embasado por um estudo independente desenvolvido pelo arquiteto e economista Thiago Jardim, pesquisador no Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), que associa o nível de produtividade dos municípios brasileiros à forma como a população urbana ocupa o espaço. 

De acordo com o trabalho, a legislação urbana das principais capitais brasileiras, caracterizada pela restrição ao potencial de construção de terrenos e pela homogeneização da intensidade de uso do solo, vem fomentando a dispersão da população, o trânsito e a desintegração da população nos municípios em multicentros, prejudicando o desempenho econômico das cidades brasileiras nos últimos 30 anos.

Últimas notícias

  1. Motivação foi o tema do último Café Empresarial do ano

    Leia

  2. FIEMG Jovem renovada em 2019

    Leia

  3. 8 motivos para apoiar o SESI e o SENAI

    Leia

  4. Pesquisa mostra empresário mais otimista

    Leia

  5. Escola de Esportes do SESI premia destaques do ano

    Leia

  6. SINPAPEL celebra 75 anos de atuação

    Leia

  7. FIEMG certifica futuros engenheiros

    Leia

  8. Itinerância do Museu de Artes e Ofícios em Ouro Preto

    Leia