Notícia

Indústria mineira consegue vitória na Justiça contra Tabelamento de Frete

FIEMG e CIEMG haviam entrado com mandado de segurança para revisão das multas aplicadas pela ANTT

A FIEMG e o CIEMG obtiveram uma importante vitória para a indústria mineira contra medida do governo relativa à crise dos caminhoneiros e que onera o setor produtivo. No dia, 23/11, as entidades conseguiram decisão favorável sobre o mandado de segurança coletivo instaurado contra as multas aplicadas pela a Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT em função do Tabelamento de Frete, decorrente da Resolução 5.833 publicado no Diário Oficial da União.

A ação visa cumprir a defesa dos interesses dos associados das entidades e beneficia os associados do CIEMG, das entidades sindicais que participaram da ação conjuntamente com a FIEMG, além de proteger os direitos das indústrias e da classe empresarial diretamente afetadas pela oneração excessiva e ilegal imposta pelo ato.

FIEMG ativa

O Sistema FIEMG vem se pronunciando sobre os possíveis efeitos do Tabelamento de Frete desde o encerramento oficial da crise, em maio. Logo após o encerramento das negociações por parte do Governo Federal com os grevistas, a entidade já vem alertando sobre o efeito perverso sobre a economia da medida tomada pelo Estado na tentativa de debelar a crise dos combustíveis. “Essa proposta é um absurdo e vai gerar um custo enorme para a sociedade, pois vai onerar todos os produtos que chegam aos lares brasileiros”, criticou o presidente da FIEMG, Flávio Roscoe.

Em junho, baseada em um parecer do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que se manifestou contrário à criação de uma tabela com os valores mínimos a serem cobrados pelo frete do transporte rodoviário de cargas, a entidade também havia sinalizado sobre a intenção de judicializar o tema, caso o Governo Federal insistisse com a proposta.

Na ocasião, o presidente do Sistema FIEMG, Flávio Roscoe, reiterou o posicionamento da entidade. “Estamos com ações prontas contra a tabela de Valor Mínimo de Frete, que viola claramente a Constituição”.

Greve dos caminhoneiros

O movimento de paralização nacional dos caminhoneiros, em meados de maio, culminou com a edição, pelo Governo Federal, da Medida Provisória n° 832, que teve como escopo a drástica, inconstitucional e ilegal intervenção do Estado na economia nacional, instituindo a Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, com o intuito de promover condições razoáveis à realização de fretes no território nacional, de forma a proporcionar a adequada retribuição ao serviço prestado.

A norma determinou que a Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT publicasse uma tabela com preços mínimos de fretes de transporte de cargas. Para a FIEMG e o CIEMG, o tabelamento do frete vai contra a livre concorrência, que devem reger as relações de mercado em uma economia capitalista como a brasileira.

Últimas notícias

  1. Motivação foi o tema do último Café Empresarial do ano

    Leia

  2. FIEMG Jovem renovada em 2019

    Leia

  3. 8 motivos para apoiar o SESI e o SENAI

    Leia

  4. Pesquisa mostra empresário mais otimista

    Leia

  5. Escola de Esportes do SESI premia destaques do ano

    Leia

  6. SINPAPEL celebra 75 anos de atuação

    Leia

  7. FIEMG certifica futuros engenheiros

    Leia

  8. Itinerância do Museu de Artes e Ofícios em Ouro Preto

    Leia