Notícia

Inovação e sustentabilidade como estratégias para a competitividade

Tema foi abordado em encontro de jovens industriais

Para encerrar os trabalhos do ciclo da sustentabilidade, os membros do conselho FIEMG Jovem se reuniram virtualmente, dia 20/4, e acompanharam casos apresentados por profissionais do mercado nacional que atuam diretamente com a inovação e a sustentabilidade no dia a dia. De acordo com o presidente do colegiado, Humberto Noronha, todo o debate acerca do tema que foi desenvolvido até aqui contribuiu para a formação empresarial, mas também pessoal e que esse tema não termina com o fim do ciclo.

“Estamos encerrando do ciclo de sustentabilidade nesse momento e a gente já passou por vários assuntos na área como a criação de ambiente de inclusão social, corporativa, ambiental, Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a responsabilidade social e o capitalismo consciente. E hoje teremos uma visão um pouco mais do ponto de vista econômico, sobre como o mercado enxerga isso. É a ponta onde o valor está sendo criado e a gente consegue medir isso”, reforçou Noronha.

Denise Valadares, diretora de sustentabilidade do FIEMG Jovem agradeceu todo o apoio que recebeu durante o desenvolvimento dos trabalhos apresentados no ciclo. “Agradeço especialmente a minha mentora, Luciene Araújo. Fiquei muito feliz pelo feedback, foi grandioso trabalhar esse assunto e hoje a gente encerra um ciclo. Agora nós vamos entrar na parte das mentorias individuais e em grupo e será nosso próximo passo”, contou Valadares.

fiemg_jovem_20_4.jpeg

Visão do mercado

Com a palestra “Estratégias para a competitividade: Inovação e Sustentabilidade”, Marta Pinheiro, diretora de ESG na XP Inc, iniciou sua apresentação falando que políticas de ESG (environmental, social and corporate governance, que significa governança ambiental, social e corporativa) são importantes não só para as empresas que estão olhando o futuro, mas para aquelas que olham para a sociedade.

“A XP é uma empresa de capital aberto fora do Brasil e os investidores estrangeiros já acompanham esse mercado alguns anos”, iniciou ao contextualizar que as empresas necessitam se adequar a esta demanda global. Segundo ela, o mercado já percebe uma mudança de gerações que tem valores como sustentabilidade e propósito muito mais presentes em suas escolhas. “Se a gente não se adequar, vamos perder espaço, pois eles são os consumidores e os talentos das empresas do futuro. Queremos ser referência em práticas de ESG no Brasil e que isso esteja incorporado na cultura da XP”.

E como induzir os pequenos negócios a se mobilizarem na prática da ESG? Com esse questionamento, Pinheiro explicou que é preciso pensar estrategicamente, ver qual é o impacto direto daquele negócio e pensar em soluções que estejam relacionados a esse impacto. “É importante olhar para cada um, o que é relevante e material para aquele setor? Na XP, somos uma empresa de produtos e serviços financeiros, não temos impacto direto no meio ambiente, mas tem no lado social. Por exemplo, políticas que estimulem a diversidade de inclusão, tem peso maior na avaliação da nossa empresa. Minha dica é, olhem o que é relevante dentro do contexto do negócio de vocês”, reforçou a diretora da XP.

Pinheiro disse que existem muitos caminhos e formas de começar a pensar e conhecer ESG na realidade do dia a dia. “Desde as pequenas coisas, assuntos mais familiares às indústrias de vocês, por exemplo. O meio que você está é diverso como a sociedade? Se não é, como começar a mudar? O seu negócio é sustentável, desde a reciclagem até na possibilidade de ter uma matéria prima que possa ser reutilizada? A política de ESG não precisa ser só um gasto, as vezes é questão de economia”, reforçou Pinheiro.

Soluções para os pequenos agricultores.

Juliane Mendes Lemos Blainski, co-fundadora e CEO da ManejeBem, startup que faz parte do Programa FIEMG Lab 4.0, apresentou como seu negócio pode conectar os pequenos agricultores com as indústrias de todo o Brasil. A empresa de base tecnológica conta com um site aberto para agricultores e técnicos, com mais de 100 culturas mapeadas, os principais problemas e formas de controlá-los. 

Segundo Blainski, a atuação da empresa contempla três ODS, o ODS 2, que contempla a fome zero e agricultura sustentável, o ODS 8, que prega o trabalho decente e crescimento econômico e o ODS 11, que fala sobre cidades e comunidades sustentáveis. “Nós achamos um modelo onde as indústrias são nossos clientes e pagam para ter essas informações. Observamos que a cada R$ 1 investido na plataforma, R$ 5 voltam para a comunidade”, explicou a CEO que contou ainda que eles trabalham com a venda de diagnósticos e a monetização é feita por meio de uma mensalidade que as indústrias pagam. Hoje a empresa atende grandes players como a Ambev, Dengo Chocolates e a Fundação Cargill.

“Queremos transformar a vida dos agricultores do Brasil e do mundo. Sabemos que a assistência e desenvolvimento desses profissionais está a um clique de distância e que juntos conseguimos modificar essa realidade tão difícil”, finalizou Blainski.

Por Flávia Carolina Costa

Últimas notícias

  1. Setor produtivo celebra decisão do STF

    Leia

  2. Escolas de Esportes SESI retomam suas atividades

    Leia

  3. Repercussões do Enquadramento da Covid-19 como Doença Ocupacional é tema de debate

    Leia

  4. Sinquifar realiza doação de capacetes para instituição de saúde de Juiz de Fora

    Leia

  5. Mais solidariedade no combate a Covid-19

    Leia

  6. Equipe de São João del-Rei vence Torneio SESI de Robótica FFL

    Leia

  7. Conselho FIEMG Jovem discute os tratamentos tributários setoriais de MG

    Leia

  8. Apex apresenta oportunidades no setor de energia, petróleo e gás

    Leia