Notícia

Ministro João Marcelo Galvão de Queiroz realiza palestra para empresários mineiros

Evento on-line fez parte do Ciclo de Conferências - A Nova Política Externa Brasileira

As relações do Brasil com seu entorno Sul-Americano, apresentado pelo ministro João Marcelo Galvão de Queiroz, diretor do Departamento de América do Sul do Itamaraty, foi o tema da palestra do Ciclo de Conferências - A Nova Política Externa Brasileira, realizada no dia 13/10, às 18h. O evento, que foi acompanhado por dezenas de pessoas, teve transmissão via FIEMG WebTV. 

“O tema enfatiza a importância do continente Sul-Americano para os interesses brasileiros e de Minas Gerais”, afirmou Fabiano Nogueira, diretor Consultivo da FIEMG e presidente do Conselho de Política e Mercados Internacionais da instituição, na abertura do evento. “Em 2019, as exportações das indústrias de transformação do Brasil, representaram, aproximadamente, US$ 24 bilhões, quase 20% do total das vendas deste segmento para o mundo”, disse esclarecendo que a palestra é a quarta no Ciclo de Conferências, que é o resultado da parceria entre o Ministério das Relações Exteriores, Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) e Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG).

As relações do Brasil com seu entorno Sul-Americano – “A dimensão Sul-Americana da política externa brasileira é incontornável, uma vez que o Brasil faz fronteira com 9 dos 11 países da América do Sul, além da Guiana Francesa e quase 17 mil km de fronteira terrestre”, explicou o Ministro João Marcelo Galvão de Queiroz no início de sua explanação. O ministro salientou que, ter um entorno estável e próspero, faz com que o Brasil tenha melhores condições de desenvolvimento e de inserção internacional. “A Constituição Federal estabelece a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina como objetivo permanente da política internacional brasileira”, pontuou. 

Segundo Queiroz , a política externa do Itamaraty tem como base duas ideias-força: Promoção da Democracia e Prosperidade Compartilhada. “A Promoção da Democracia impacta o plano político e nenhum tema reflete melhor do que a importância da promoção dos valores democráticos na região do que a situação da Venezuela, eleições da Bolívia, em 2019, e a ação do Brasil durante o atentado contra  Escola de Polícia General Santander ocorrido na Colômbia, dentre outras”, esclareceu. 

O diretor do Departamento da América do Sul do Itamaraty ressaltou que a crise na região é sem precedentes e que houve quebra da ordem democrática, crise econômica e social. “A crise multidimensional que se vive na Venezuela é prioritária na agenda do governo brasileiro e de todos os governos da região”, afirmou lembrando ainda que o Brasil não está sozinho na defesa dos valores democráticos e conta com parceiros importantes que comungam da mesma sinergia como o Grupo de Lima, Organização dos Estados Americanos e Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. 

Também citou com ação bem-sucedida durante a crise venezuelana, com a Operação Acolhida. “O país já investiu mais de US$ 400 milhões em resposta à crise imigratória, incluindo o fortalecimento de instituições públicas no estado de Roraima e a acolhida e interiorização dos imigrantes. Mais de 35 mil imigrantes e refugiados foram recebidos no Brasil”. 

Já a ideia-força Promoção Prosperidade Compartilhada, tem como pressuposto a nação de que um entorno seguro e próspero gera as condições para o desenvolvimento do país. Segundo Queiroz, ela se promove com a defesa da modernização econômica por meio da revisão da tarifa externa comum do Mercosul, consolidação da União Aduaneira e a negociação e adoção de acordos de livre comércio com outros países e blocos como a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). “A Promoção e Prosperidade não é sustentável sem a integração física, sustentabilidade ambiental e segurança das zonas de fronteira”, ressaltou. 

Também citou as ações do Ministério das Relações Exteriores  (MRE) durante a pandemia, como a manutenção de condições para o livre transporte internacional de cargas, repatriação de brasileiros retidos no exterior, facilitação do comércio fronteiriço, manutenção do “hub” humanitário e proteção da saúde dos povos indígenas. 

O Ciclo de Conferências - A Nova Política Externa Brasileira é uma realização do Ministério das Relações Exteriores e da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), em parceria com a Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG). A mediação do evento é feita pelo diplomata Roberto Goidanich, presidente FUNAG e a transmissão pela FIEMG WebTV. O Ciclo tem o intuito de trazer aos industriais e à comunidade internacional de Minas, conhecimento das políticas e estratégias comerciais do Brasil, visando facilitar a inserção internacional. Toda semana, uma nova palestra, com os embaixadores responsáveis por uma das áreas de interesse específico. 

Agenda – A próxima conferência será realizada no dia 20/10, às 18h, e o convidado será o diretor do Departamento de MERCOSUL e Integração Regional do Itamaraty, embaixador Michel Arslanian Neto, que apresentará o tema Integração Regional e Negociações Comerciais. Neto irá apresentar o tema “Integração Regional e Negociações Comerciais”. Os demais eventos serão realizados nos dias 22 e 27 de outubro, 3, 10, 17 e 24 de novembro e 1º, 8, 15 e 17 de dezembro. 

Últimas notícias

  1. FIEMG e SEBRAE Minas promovem curso: “Treinamento Fiscal para Compradores”

    Leia

  2. FIEMG promove encontro virtual de negócios da higiene pessoal, perfumaria e cosméticos

    Leia

  3. Bento Albuquerque destaca importância de Minas Gerais para o setor energético e de mineração

    Leia

  4. FIEMG participa de debate sobre a reforma administrativa

    Leia

  5. Entrega da DAMEF é prorrogada até dia 30/10

    Leia

  6. Minascon 2020 terá programação totalmente virtual

    Leia

  7. Inscrições prorrogadas: Encontro para exportação de indústrias da mineração

    Leia

  8. Confiança dos industriais mineiros se aproxima do patamar pré-pandemia

    Leia