Notícia

Na guerra cibernética, o inimigo é invisível

Ciberdefesa foi um dos temas da reunião da CONDEFESA

Espaço Cibernético – 5º Domínio de Combate foi o tema apresentado por Giovani Thiebau, sócio proprietário da TechBiz Forense Digital, na reunião da Câmara da Indústria da Defesa e Segurança da FIEMG (CONDEFESA), realizada no dia 14/09, de forma remota. Segundo Thiebau, a empresa é considerada uma das maiores da América Latina na área de investigação em meios digitais, ciberdefesa, antifraudes, auditoria e compliance.  

Um dos cases apresentados por Thiebau foi o do caça norte-americano F-35 Joint Strike Fighter que sofreu, em 2009, uma invasão no sistema que resultou no vazamento de vários terabytes de informações, o tornando mais vulnerável à invasões.  “Para nós, civis, a guerra pode representar um conflito armado, mas no mundo digital, esse conflito é travado de outra maneira e, os inimigos, são invisíveis”, pontou. 
 
Segundo o representante da TechBiz, para manter as suas defesas digitais, os empreendimentos enfrentam alguns desafios, como a rejeição da opinião pública, que teme um possível patrulhamento digital e o recrutamento mão de obra qualificada. “Hoje manter um time de defesa é muito difícil, devido a concorrência entre as empresas nacionais, o exército e também, as multinacionais que atuam no Brasil”, disse pontuando que, a superfície de ataque da guerra cibernético no país é grande, devido ao tamanho de nossas redes governamentais e infraestrutura brasileira.    
 
Outro tema debatido foi a nota técnica Bases para a Consolidação da Estratégia Brasileira do Hidrogênio, da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançada em fevereiro deste ano. Ailton Ricaldoni, sócio fundador da Clamper Indústria e Comércio, foi quem conduziu o assunto, que atualiza as diretrizes e as estratégias para a produção de hidrogênio no país. 

“É um mercado que está se apresentando com grandes possibilidades”, afirmou Ricaldoni, lembrando que, além dos mercados tradicionais, novos mercados para o hidrogênio podem ser desenvolvidos, como nos segmentos de transporte, geração elétrica, armazenamento de energia e processos industriais, dentre outros.  

O sócio-fundador da Clamper também explicou que o hidrogênio tem várias classificações, de acordo com a sua matéria-prima, como o Preto, produzido a partir do carvão, o Cinza, feito de gás natural sem carbon capture, utilisation and storage (CCUS) e o Verde, que advém de fontes renováveis, como energias eólicas e solar, via eletrólise da água, dentre outros. “É um assunto atual e o hidrogênio é uma fonte de energia limpa, moderna e, futuramente, barata”, reforçou René Wakil, presidente da Câmara da Indústria da Defesa e Segurança da FIEMG. 

A programação do encontro do colegiado também contou com a apresentação de Roberto Gallo, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), que explanou sobre o Organismo Certificação de Produtos (OCP) e as oportunidades para Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS).  

A empresa, criada em 1985, possui mais de 200 associadas em 14 estados brasileiros e trabalha com a emissão de declarações de Exclusividade, não Similaridade e Representação Comercial Exclusiva e também, Certificações. Também comentou a Portaria 189/18 de agosto de 2020, que estabelece a Base Normativa para os Produtos Controlados pelo Exército (PCE) e sujeitos à avaliação de conformidade e a acreditação pelo Inmetro de Organismo de Certificação de Produtos (OCP). Dentre os produtos PCE estão as armas de fogo, munições, fogos de artifícios e coletes balísticos. “Produtos importados serão submetidos às mesmas exigências de desempenho e qualidade dos produtos nacionais”, explicou esclarecendo que, no Brasil, alguns produtos precisam de certificação.   

O presidente do colegiado aproveitou a oportunidade e esclareceu que o SENAI Santo Antônio do Monte acabou de ser credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) como entidade certificadora de fogos de artifícios. "É importante o trabalho conjunto e da utilização da infraestrutura existente no país, como o SENAI”, reforçou Wakil. 

Últimas notícias

  1. Uma nova geração preparada para o futuro

    Leia

  2. Programa Economia Circular da FIEMG é desenvolvido em indústrias em Montes Claros

    Leia

  3. SESI promove VI Seminário de Segurança e Saúde de Juiz de Fora

    Leia

  4. Mais celeridade na certificação de fogos de artifício

    Leia

  5. Soluções para o setor automobilístico do país

    Leia

  6. Otimismo dos industriais permanece, mas em menor intensidade

    Leia

  7. Representante do Brasil na União Europeia realiza palestra para empresários mineiros

    Leia

  8. Presidente da Apex-Brasil visita a FIEMG

    Leia