Notícia

Reforma da Previdência. Necessária. Fundamental. Urgente

A Nova Previdência apresenta as medidas para corrigir as principais distorções que hoje comprometem o futuro dos trabalhadores

O déficit previdenciário no Brasil alcança proporções alarmantes. A diferença entre as estimativas de pagamento de benefícios e estimativas de contribuições ao sistema (déficit atuarial) é da ordem de duas vezes o produto interno bruto (PIB) do país no ano. O modelo atual da Previdência Social ficou desajustado.

Aproximadamente, a metade do déficit atuarial refere-se aos regimes previdenciários do funcionalismo público. Em Minas Gerais, o déficit atuarial da previdência pública é um dos piores do país — estima-se que chegue a 11 vezes o montante da receita corrente líquida do Estado em um ano.

O modelo atual é desigual e corrobora o desequilíbrio do orçamento público. Em termos gerais, o pagamento da previdência aos mais ricos chega a 41% e, aos mais pobres, fica em torno de 3%. De outra perspectiva, os gastos do Governo com a Previdência alcançam 52% do orçamento, enquanto o investimento em Saúde fica com apenas 8% e a Educação recebe 7%.

O velho modelo é insustentável.  A expectativa de vida do brasileiro aumentou — de 69,8 anos em 2000 para 75,5 anos em 2015 — e a taxa de fecundidade caiu — de 4,1 filhos por mulher em 1980 para 1,7 em 2015 (segundo o IBGE). O número de idosos cresce mais do que o de jovens. Em pouco tempo, haverá mais gente recebendo benefícios do que pessoas contribuindo para a Previdência. Isso inviabilizará o sistema e ameaçará o pagamento das pensões e aposentadorias. É preciso mudança, o Brasil não pode esperar.

Está claro que a sociedade brasileira terá que fazer difíceis escolhas para que a economia cresça a ponto de promover distribuição de renda menos desigual e alcançar o padrão de vida de nações mais desenvolvidas, além do ajuste das contas da Previdência.

É fundamental e urgente reduzir despesas previdenciárias e aumentar as contribuições ao sistema. Caso contrário, tem-se à frente o aumento da carga tributária ou, pior, a insolvência do setor público.

É necessário um esforço arrecadatório da ordem de R$ 300 bilhões de reais no âmbito federal e de R$ 18 bilhões adicionais em Minas Gerais, somente para equacionar o problema de fluxos.

A Reforma da Previdência é urgente. E inevitável. Frear o avanço do déficit previdenciário permitirá que União, estados e municípios retomem sua capacidade de investimento em infraestrutura e de provimento de bens públicos de qualidade, permitindo alavancar o potencial de crescimento.

A Nova Previdência apresenta as medidas para corrigir as principais distorções que hoje comprometem o futuro dos trabalhadores. E, assim, poderá garantir a cada brasileiro o seu direito à aposentadoria.


A REFORMA É PARA TODOS. TODOS PELA REFORMA.

 

Acesse mais informações sobre a Nova Previdência.

Últimas notícias

  1. Sondagem Industrial revela desconfiança da indústria mineira

    Leia

  2. Seminário Apresentação do Passaporte Aduaneiro Internacional

    Leia

  3. Mais sinergia entre o governo estadual e a indústria mineira

    Leia

  4. Energia mais barata para a indústria mineira

    Leia

  5. Implantação do Bloco K e do e-Social é retrocesso para o país

    Leia

  6. SESI firma acordo com o JF Vôlei para a formação das categorias de base do time

    Leia

  7. SINDUSFARQ realiza palestra com especialistas da Anvisa

    Leia

  8. SILEMG premia redações e desenhos sobre leite e seus derivados

    Leia