Notícia

Roberto Brandão, da UFRJ, ministra palestra na Fiemg

Evento marcou o início das atividades da Câmara da Indústria de Energia

Realizada no dia 3/3, na sede da Fiemg, a primeira reunião do ano da Câmara da Indústria de Energia teve como tema “O impacto do preço horário na comercialização de energia”. O assunto foi conduzido pelo economista Roberto Brandão, que é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisador sênior do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL).

Segundo o professor, historicamente o sistema brasileiro de geração de energia tem uma lógica de funcionamento próprio a sistemas hídricos. Desta maneira, as hidroelétricas atendem à maior parte das demandas, sendo que as termoelétricas são acionadas para economizar água nos reservatórios. “Ao contrário do que acontece em outros países, o ajuste fino entre a geração e a carga no Brasil é feito pelas hidroelétricas”, disse.

Entretanto, o especialista apontou que o país está passando por um processo de mudança na matriz de geração. Elas estão sendo capitaneadas por três vetores principais: a redução da participação hídrica na capacidade instalada total do Sistema Interligado Nacional (SIN), a expansão hídrica recente, fundamentada quase que exclusivamente na construção de usinas a fio d´água sem grandes capacidades de armazenamento e um forte movimento de expansão de energias renováveis alternativas, sobretudo das fontes sobretudo das fontes eólica e solar.

Brandão pontuou que na maior parte dos sistemas elétricos do mundo, os preços da eletricidade nos mercados atacadistas do curto prazo variam de hora a hora ou em intervalos mais curtos. Assim, em outros países os preços são mais baixos à noite, fixados pelas termoelétricas de base, com custos variáveis mais baixos. “Durante a maior parte do dia os preços são fixados por termoelétricas a gás, com custos variáveis intermediários”, afirmou. “É inevitável que o setor de geração de energia brasileiro evolua para a adoção de preços horários”. Porém, ele salientou que no Brasil a disponibilidade ou não da geração hídrica é que modula os preços. Então, existe um elevado grau de dependência de regime hidrológico favorável para a garantia de segurança energética. Ressaltou que ocorreu em janeiro deste ano, dentro do mesmo dia, o preço horário de energia (preço sombra) variando do piso ao teto, em razão da situação ruim do nível de reservatórios na região e a limitação de transmissão do sudeste para o nordeste. “É um ponto de atenção para os agentes geradores e consumidores livres daquele subsistema, a partir de janeiro de 2021, quando deverá ser implantado o Preço de Liquidação das Diferenças – PLD horário”, disse.

Para saber mais sobre a atuação das Câmaras e Conselhos da Fiemg, clique NESTE LINK.

Últimas notícias

  1. Setor produtivo celebra decisão do STF

    Leia

  2. Escolas de Esportes SESI retomam suas atividades

    Leia

  3. Repercussões do Enquadramento da Covid-19 como Doença Ocupacional é tema de debate

    Leia

  4. Sinquifar realiza doação de capacetes para instituição de saúde de Juiz de Fora

    Leia

  5. Mais solidariedade no combate a Covid-19

    Leia

  6. Equipe de São João del-Rei vence Torneio SESI de Robótica FFL

    Leia

  7. Conselho FIEMG Jovem discute os tratamentos tributários setoriais de MG

    Leia

  8. Apex apresenta oportunidades no setor de energia, petróleo e gás

    Leia