Notícia

SindBebidas lança app para denúncia anônima de produção e comércio ilegais de cachaça

Plataforma está disponível gratuitamente para celulares Android e iOS

A cachaça é o destilado brasileiro mais famoso no mundo. A produção e a venda da bebida à base de cana-de-açúcar precisam ser feitas conforme diversos padrões de qualidade, incluindo boas práticas de fabricação, caso contrário, o resultado será uma bebida ilícita. Para combater essa prática, o Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral do Estado de Minas Gerais (SindBebidas) lançou, nesta semana, o aplicativo Cachaça Ilegal, que incentiva produtores e consumidores a denunciarem, anonimamente, a produção e a comercialização irregulares da cachaça.

O app, criado pela entidade com apoio da FIEMG, é gratuito, seguro e dispensa a necessidade de que o denunciante se identifique. O Cachaça Ilegal está disponível para download nas lojas oficiais dos sistemas operacionais Android, iOS ou diretamente no site (www.cachacailegal.com.br). O funcionamento é simples: dentro da plataforma, o usuário pode fazer a denúncia, que será processada em sigilo, e encaminhada para os órgãos fiscalizadores (veja mais abaixo).

Como explica o presidente do SindBebidas, Mário Morais, o aplicativo é lançado como projeto modelo em Minas, com perspectiva de ser replicado nos demais estados brasileiros. Com isso, a proposta é fortalecer o trabalho de fiscalização oficial e apoiar a conscientização dos produtores irregulares (entenda abaixo), para que esses promovam a formalização e a padronização do produto e do estabelecimento. Com isso, alcança-se a diminuição da clandestinidade no setor e a elevação da qualidade da bebida produzida.

"É crime tanto a fabricação quanto o comércio irregular de cachaça. A produção de bebidas se enquadra na categoria alimentos e, portanto, segue as normativas rígidas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Em Minas, a fiscalização é apoiada pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)", afirmou a executiva do SindBebidas, Tatiana Santos, que também é coordenadora da Câmara Técnica Setorial da Cachaça de Alambique em Minas Gerais.

Ela ainda explicou que a cachaça ilegal oferece riscos à saúde do consumidor; à credibilidade do produtor legal, que segue todas as normas; ao Estado, que deixa de arrecadar impostos; e ao país, que tem um produto nacionalmente reconhecido e visto em todo mundo como um produto de qualidade. "A informalidade e a concorrência desleal ferem a cidadania. O consumo consciente e o processo de escolha equilibram as relações de consumo e a responsabilidade social e ambiental", completou Tatiana.

Como funciona

Primeiramente, é importante entender o que é uma cachaça ilícita. Segundo o SindBebidas, a cachaça produzida ilegalmente é aquela cuja fabricação e/ou engarrafamento ocorreu em estabelecimento possivelmente sem registro, fora do padrão, com inconformidades no produto (que pode ser falso) e/ou na embalagem e rótulo.

Entre as irregularidades, estão cachaças com termos como "da roça" sem registro; comercializadas em valores muito abaixo do mercado (que podem ter origem duvidosa); em garrafas de outras bebidas, como de refrigerante dois litros; e com rótulos sem dados como produtor ou fabricante, padronizador, envasilhador ou engarrafador, nome empresarial, CNPJ, endereço, lote, e número de registro do produto no Mapa.

Diante dessas informações, o usuário que identificar bebidas em desacordo pode realizar a denúncia. Para começar é necessário baixar o app gratuitamente em uma das lojas oficiais dos sistemas operacionais Android ou no site www.cachacailegal.com.br. Em seguida, o usuário precisa fazer um cadastro na plataforma. No smartphone, é só clicar em "Ainda não é cadastrado? Crie uma conta" e preencher os campos solicitados. O fornecimento do e-mail é opcional.

Logo após, surgem as opções "Nova Denúncia", "Acompanhar Denúncia"; e "Fale Conosco". Ao iniciar uma denúncia, o cidadão precisa escolher entre "Produto ilegal" ou "Fabricação ilegal". O usuário também pode anexar fotos. Após o envio, os administradores do app verificam se as informações são suficientes, antes de disponibilizar ao órgão fiscalizador. O Mapa e o IMA têm acesso às denúncias. O denunciante acompanha no próprio aplicativo a condução dada pelos órgãos, e também pode fazer outras notificações.

Você sabia?

O Dia Nacional da Cachaça é celebrado em 13 de setembro. A data foi escolhida porque, nesse mesmo dia, em 1661, a Corte Portuguesa oficializou a permissão para a comercialização da aguardente no Brasil. Até então, a cachaça era vendida sem distinção da bagaceira (feita com uva).

Mesclando-se à história nacional, o destilado também é um dos patrimônios de Minas, que celebra a bebida produzida no estado em 21 de maio, data escolhida por marcar o início da safra da cana-de-açúcar. O Dia da Cachaça Mineira é comemorado desde 2001.

Últimas notícias

  1. FIEMG e sindicatos apoiam trabalhadores e empresas de Sabará afetados por chuvas

    Leia

  2. TJMG recebe visita do presidente da FIEMG

    Leia

  3. Treinamento orienta sobre eSocial na FIEMG Regional Zona da Mata

    Leia

  4. Atividade industrial desacelera em dezembro, aponta pesquisa

    Leia

  5. Empresas da Grande BH reúnem-se com CEMIG para discutir atendimento no período chuvoso

    Leia

  6. FEMUR 2022 é aberta em Ubá e marca a retomada econômica do setor moveleiro

    Leia

  7. FIEMG abre busca da Vale de fornecedores para obras na Bacia do Paraopeba

    Leia

  8. Startups: ideias que transformam a sua vida

    Leia