Notícias

Empresários debatem sobre cenário econômico pós-eleições

Economista Rafael Cortez palestrou sobre o tema na sede da FIEMG, em Belo Horizonte

O economista da Tendências Consultoria, Rafael Cortez, mostrou a empresários da indústria mineira três perspectivas para o Brasil no período de 2015 a 2018. No dia 16/09, ele apresentou, na sede da FIEMG, em Belo Horizonte, a palestra “Cenário Político e Perspectivas para a Economia Brasileira” (veja apresentação), em que apontou as diferenças entre os três principais candidatos à presidência da República. 

Cortez apontou diferenças entre Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves. No entanto, ele acredita que há pouco espaço para grandes e abruptas mudanças no cenário político-econômico do país, independentemente do vencedor das eleições. “A expectativa é que se continue executando ações pontuais e graduais, aquém do desejado para alterar de forma consistente a economia brasileira. Isso porque o impacto político é muito alto para quem executa amplas reformas”, disse. 

Na avaliação da Tendências Consultoria, somente se Aécio Neves for presidente, é que grandes reformas – fiscal e tributária – devem ser feitas, com a opção por políticas monetárias e fiscais fortes e transparentes. No caso da eleição de Marina Silva, a política monetária seria forte, mas a fiscal média. “Os dois candidatos possuem planos de governo para a área econômica muito semelhantes”, afirmou. Para Cortez, a reeleição de Dilma Rousseff significaria, basicamente, a manutenção do modelo atual, com política monetária média e fiscal frouxa e pouco transparente. 

Considerando esses cenários, conheças as projeções do economista para câmbio, superávit primário, taxa básica de juros (Selic), Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e Produto Interno Bruto (PIB). Os números são as médias para o período de 2015 a 2018.

 

 

Dilma Rousseff

Marina Silva

Aécio Neves

Câmbio (R$/US$)

3

2,75

2,51

Superávit primário

1,2%

1,8%

2,2%

Taxa Selic

11,5%

10,4%

9,6%

IPCA

6,2%

5,7%

5,4%

PIB

1,9%

2,5%

3,1%

 

De acordo com o presidente do Conselho de Política Econômica e Industrial da FIEMG, Lincoln Fernandes, é importante conhecer as propostas dos presidenciáveis e debatê-las. “Não há um grande ‘ganhador’ pelos conteúdos programáticos propostos, apesar de termos candidatos com perfis muito distintos”, opinou.

Galeria

Últimas notícias

  1. Coordenadores sindicais se reúnem na FIEMG

    Leia

  2. Minas Gerais quer ampliar negócios com sul-africanos

    Leia

  3. Aprovado Projeto de Lei de Reinstituição dos Benefícios para a indústria

    Leia

  4. Indústria sensibiliza Governo Federal sobre rotulagem de alimentos

    Leia

  5. Empresariado mineiro discute propostas com pré-candidato à presidência Geraldo Alckmin

    Leia

  6. Nova diretoria do CIEMG toma posse

    Leia

  7. Novo conceito de vendas corporativas em pauta no Café Empresarial

    Leia

  8. Indústria quer mais competitividade para Contagem

    Leia