Notícias

No CIEMG, presidente eleito da FIEMG convida para o trabalho participativo

Momento exige estratégia para mostrar à sociedade a importância da indústria

"A indústria é o primeiro setor a sofrer o impacto de todos os problemas vividos pela sociedade, da qual faz parte, e é preciso assumir o papel de defensores de suas demandas", anunciou o presidente eleito da FIEMG, Flávio Roscoe, em reunião com diretores, associados e empresários convidados, no dia 7/5, no auditório do CIEMG.

A partir de sua importância no cenário nacional, é imprescindível estabelecer novas estratégias para se comunicar com a sociedade e para uma nova maneira de comunicação e de abordagem também com órgãos públicos, além do legislativo federal e estadual.

Essas são algumas das propostas anunciadas pelo presidente que tomará posse no próximo dia 24 de maio. Segundo a norma da entidade, no próximo dia 28, será eleita também a nova diretoria do CIEMG e, entre os eleitos, “de acordo com prerrogativa institucional, escolherei o presidente”,  explicou Roscoe, sobre o processo.

"Foram anos de muito trabalho e dedicação e estaremos sempre juntos nessa missão de fortalecer o setor”, disse o presidente do CIEMG, José Agostinho da Silveira Neto, ao abrir a reunião de trabalho. Na ocasião, agradeceu a dedicação de todos envolvidos nesse trabalho e destacou a oportunidade e importância desse encontro de novas lideranças. "Conseguimos ampliar nossa participação em todo o estado, contribuindo para que todos, e especialmente os pequenos e médios empresários, se mantenham atualizados sobre o sistema de produção, para que administrem suas empresas para que cresçam cada vez mais para gerar mais empregos e renda", disse José Agostinho.

"O presidente dessa Casa da Indústria sempre buscou o melhor para o nosso setor e queremos continuar contando com toda a sua experiência e capacidade de trabalho”, anunciou, na ocasião, o presidente eleito do Sistema FIEMG. 

A importância do consenso, de valorização da união, de alinhamento das ideias e princípios com a sociedade, pelos quais a chapa foi escolhida, foi um dos destaques do vice-presidente eleito da FIEMG, Teodomiro Diniz Camargos. “Contamos com a participação de todos e, principalmente, no engajamento, na hora de mudanças, alinhadas às estratégias que serão desenhadas de forma consensual”, disse.  

“O chamado aqui é para o trabalho participativo, para conseguir grandes mudanças, mas sozinho não conseguirei fazer nada”, disse Flávio Roscoe, ao apresentar seu plano de ação. “Foi omissão nossa, deixar chegar a esse nível as dificuldades impostas ao empresário”, admitiu. “Estão aí o Bloco K e o eSocial e a grande questão é: vai melhorar para as empresas?”. Esse foi apenas um exemplo, entre os muitos problemas por ele citados, entre as conhecidas questões tributárias, custos da produção, prazos e exigências ambientais vividas pelo setor.  

DEMANDAS DA SOCIEDADE

A indústria é o primeiro setor a sofrer o impacto de todos os problemas vividos pela sociedade, “da qual somos parte e devemos assumir esse papel de defensores de suas demandas” ressaltou o presidente eleito, ao citar, entre outras grandes questões, a insegurança pública e a precariedade da infraestrutura instalada.  "A sociedade precisa saber a dimensão do impacto da atividade na vida de cada um. Questões que afligem a sociedade, como, por exemplo, o exagerado tamanho do Estado arrecadador, que precisa ser reduzido, têm que ser entendidas por todos", avaliou.     

Sobre essa proposta, Roscoe citou um exemplo clássico vivido pelas indústrias: são anos para se conseguir uma licença ambiental, o que leva à demora na oferta de vagas de trabalho e na geração de renda, entre outros tantos prejuízos para a sociedade. "São mudanças que podem ser implementadas, ao atuar ao mesmo tempo com a sociedade”, afirmou. 

AMBIENTE DE NEGÓCIOS

Cássio Braga, diretor do CIEMG, reforçou a importância de mobilizar a sociedade e mostrar a força dos industriais. Para Martha Lassance, vice-diretora do CIEMG, deve-se valorizar o que foi conquistado até agora e não deixar para outras gerações a responsabilidade de resgatar o que foi perdido.

De acordo com o presidente eleito, o CIEMG, importante braço institucional do Sistema FIEMG terá uma visão de longo prazo, de estratégia mais aguerrida, como porta-voz das mudanças. Ele identificou como um desafio para todos e para a FIEMG, “a identificação e preparação de novas lideranças”. Segundo o industrial, “Como líderes que somos, é nossa responsabilidade abrir espaço para os novos”, disse.

Flávio Roscoe considera que a construção de um novo ambiente de negócios depende de continuidade na formação da juventude para liderar. É muito importante que a nova geração de industriais participem desse projeto, ressaltou. E deixou o convite: “tragam seus filhos”.

SJJ_5296.JPG

Últimas notícias

  1. Minas Gerais quer ampliar negócios com sul-africanos

    Leia

  2. Aprovado Projeto de Lei de Reinstituição dos Benefícios para a indústria

    Leia

  3. Indústria sensibiliza Governo Federal sobre rotulagem de alimentos

    Leia

  4. Empresariado mineiro discute propostas com pré-candidato à presidência Geraldo Alckmin

    Leia

  5. Nova diretoria do CIEMG toma posse

    Leia

  6. Novo conceito de vendas corporativas em pauta no Café Empresarial

    Leia

  7. Indústria quer mais competitividade para Contagem

    Leia

  8. Indústria consegue na Justiça estender consulta sobre rotulagem na Anvisa

    Leia