Notícias

Presidente da FIEMG Regional ZM defende permanência da Mercedes-Benz em Juiz de Fora

Audiência Pública foi realizada após empresa anunciar transferência de parte de suas atividades para outros estados

Câmara Municipal de Juiz de Fora

A transferência de parte das atividades da montadora Mercedes-Benz de Juiz de Fora para São Paulo e Espírito Santo foi debatida durante uma Audiência Pública realizada na Câmara Municipal da cidade nesta segunda-feira, dia 15/04. A reunião aconteceu a pedido da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Assistência Social da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), conforme solicitação dos deputados Celinho Sintrocel (que preside a Comissão, mas não pode comparecer), Betão e Coronel Henrique.

Empregados da montadora e lideranças sindicais e políticas da região lotaram o auditório da Câmara Municipal, preocupados com a possível demissão de cerca de 800 trabalhadores caso a empresa, como já anunciou, venha a transferir algumas de suas atividades. Devido a vantagens oferecidas por outros estados, o planejamento da empresa é passar para o porto de Vitória (ES) o desembaraço aduaneiro da Sprinter, van importada da Argentina e nacionalizada atualmente no Porto Seco de Juiz de Fora. A direção da empresa confirmou também que a montagem do caminhão Actros vai mudar para São Bernardo do Campo (SP).

O presidente da FIEMG Regional Zona da Mata, Aurélio Marangon Sobrinho, participou da audiência e se manifestou na Tribuna, defendendo a permanência da Mercedes-Benz em Juiz de Fora, o que evitaria a perda de centenas de empregos diretos e indiretos. “Além disso, nossa preocupação também se refere ao impacto causado pela queda da arrecadação para o estado e o município, pois consideramos de extrema importância a manutenção das atividades da montadora para a economia e o desenvolvimento da cidade. Desta forma, a FIEMG fará todo possível para lutar pela permanência da Mercedes, articulando inclusive junto ao governo estadual e federal, em favor da continuidade de todas as atividades da indústria no município”, declarou.

Segundo o deputado Betão, que presidiu a audiência, a saída da Mercedes de Juiz de Fora poderá desarticular a economia da região, onde já está instalada há 20 anos, atraída por benefícios como isenção de impostos, doação de terreno e investimentos em obras de infraestrutura. “A empresa emprega, atualmente, 1.150 pessoas, inclusive mulheres, e é fundamental que trabalhadores, governo e políticos assumam o compromisso de fazer uma ampla discussão pelo fim da guerra fiscal que tem levado as empresas a se evadirem de um estado para outro em busca de vantagens.

O deputado Coronel Henrique afirmou que “a cidade se confunde com a empresa em termos de geração de empregos diretos e indiretos” e não pode correr o risco de perder um investimento de tantos anos. “O papel do Legislativo Estadual é estar presente e atento às demandas da população", destacou.

O diretor de Comunicação e Relações Institucionais da empresa, Luís Carlos Gomes de Moraes, disse que a Mercedes tem “a melhor e mais moderna fábrica de cabines de caminhões da América Latina”, mas não negou que é intenção da empresa transferir atividades para São Bernardo do Campo e Vitória. O executivo alegou que a montadora investiu mais de R$ 2,4 bilhões, entre 2010 e 2015, e, mesmo com a crise, em 2016, continuou apostando no mercado brasileiro e na fábrica da cidade mineira, a maior da empresa fora da Alemanha. “Mas agora precisamos buscar eficiência para continuar exportando e sermos mais competitivos”, disse.

Ricardo Miranda, subsecretário de Assuntos Parlamentares da Secretaria de Estado de Governo, afirmou que o governador Romeu Zema iniciou, em março, uma interlocução com governadores do Sul e Sudeste para tentar unificar o discurso com relação à disputa fiscal e buscar um projeto de simplificação de impostos. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora e Região, João César da Silva, reivindicou que a empresa dialogue com os funcionários e aceite negociar um acordo de manutenção dos empregos por 24 meses. Ele lamentou ainda que todos os anos os trabalhadores da montadora vivam momentos de intranquilidade com ameaças de cortes e mudanças. Já o prefeito de Juiz de Fora, Antônio Almas, também manifestou a mesma preocupação “num universo de crise e de grande número de desempregados que o país está vivendo”.

Da audiência foram retiradas algumas propostas de requerimentos que serão votadas na próxima reunião da Comissão em Belo Horizonte. Entre eles pedido de providências para a direção da Mercedes não demitir os trabalhadores no prazo de 24 meses. Também pedem a solicitação de visita da Comissão, Sindicato e vereadores à planta da empresa para conhecimento. Ao secretário da Fazenda de Minas Gerais será feito pedido de informação sobre a situação do Porto Seco em Juiz de Fora. E à Prefeitura sobre os benefícios e acordos firmados desde 1996 com a empresa por meio de planilhas, as vantagens concedidas e formas de contratação.

DSC_9319.jpg

Últimas notícias

  1. FIEMG comemora o Dia da Indústria 2019

    Leia

  2. Rubens Menin Teixeira de Souza recebe a Ordem do Mérito Industrial da CNI

    Leia

  3. FIEMG homenageia diretor - presidente da Cenibra

    Leia

  4. Agricultura mais forte e trabalho reconhecido

    Leia

  5. Conselho de Política Econômica se reúne na FIEMG

    Leia

  6. Compliance Ambiental em pauta

    Leia

  7. Atividade da construção recua em março, mas empresários permanecem otimistas

    Leia

  8. Agência RMBH recebe contribuições sobre regularização fundiária

    Leia