Notícias

SENAI MG forma turma de Aprendizagem Industrial em Processamento de Carne

Curso é uma parceria com o SINDUSCARNE

O SENAI Lagoinha formou, no dia 06/12, a 10º turma de Aprendizagem Industrial em Processamento de Carnes, onde 21 alunos receberam o diploma de conclusão de curso.

Realizado em parceria com o SINDUSCARNE, a modalidade é feita pelo sistema DUAL, onde os estudantes têm a parte teórica na unidade do SENAI e a prática na empresa.

Para o presidente do Sindicato Intermunicipal das Indústrias de Carnes e Derivados de MG, Leônidas Vicente da Silva Maciel, a formação profissional na área é importante não só pela qualificação dos profissionais, mas também para o entendimento melhor do setor. “Preparamos os alunos para entrar na indústria e entender o porquê das coisas, como o cumprimento da legislação, questões sanitárias e até mesmo postura no ambiente de trabalho, já que trabalhamos em um segmento de muita responsabilidade, que é o de alimentos”, pontua.

O Brasil é um grande exportador de carnes e o setor ainda é carente de mão de obra qualificada. “É necessário qualificar pessoas para as empresas e o SENAI é a melhor escola. A base teórica é o diferencial, porque dá a noção de responsabilidade que nós, empresários, queremos em um empregado”, avalia o líder industrial, que foi paraninfo da turma.

Para Gerson Gonçalves, gerente da unidade, a parceria com o sindicato aproxima a escola – e os alunos - das empresas. “Por fazer um curso onde há a parte teórica e prática, os estudantes saem mais preparados, com mais oportunidades no mercado e constroem carreiras promissoras”, fala.

É o caso de Thiago de Castro Araújo, de 27 anos, que formou na primeira turma, há dez anos atrás. Thiago começou como jovem aprendiz e hoje é coordenador de produtos na Plena Alimentos. “A teoria que aprendemos no curso agrega muito ao nosso trabalho. Além disso, é apaixonante. Quem entra para essa área não abandona mais”, fala.

Maria Clara Borges da Costa, de 20 anos, que formou o ano passado, compartilha da mesma opinião.  Ela entrou na Aprendizagem por indicação de uma amiga, sem saber muito do que se tratava, mas acabou se apaixonando pelo assunto e já saiu do curso contratada. “Há um ano atrás eu queria ser Arquiteta, mas hoje não deixo minha carreira por nada”, conta a jovem, que é assistente de pesquisa na Plena Alimentos e atua no desenvolvimento de formulação, embalagens e layouts de produtos. “Ter estudado como Aprendiz me possibilitou conhecimento, pois passamos por todas as áreas e isso contribuiu muito para o meu desenvolvimento, pois me permitiu conhecer todo o processo da empresa. Amo meu trabalho!”, resume.

Expectativa de futuro promissor para Letícia Maria Antunes Sales, de 19 anos. Por causa do curso ela quer expandir seus conhecimentos e fazer futuramente uma graduação em Veterinária ou Engenharia de Alimentos. “O curso foi muito mais do que eu esperava. O conhecimento é amplo e vai muito além do que apenas falar de carnes. Gostaria que todos pudessem ter a oportunidade de aprender o que eu aprendi”, conclui.

Galeria

Últimas notícias

  1. FIEMG Jovem renovada em 2019

    Leia

  2. 8 motivos para apoiar o SESI e o SENAI

    Leia

  3. Cemig e FIEMG firmam acordo para redução de custos na indústria

    Leia

  4. SINPAPEL celebra 75 anos de atuação

    Leia

  5. Presidente da FIEMG destaca segurança como fator primordial de competitividade

    Leia

  6. Procompi realiza série de ações para o desenvolvimento das indústrias de Itajubá

    Leia

  7. FIEMG recebe visita do novo diretor geral da Agência Nacional de Mineração

    Leia

  8. Associativismo é destaque no balanço da indústria da Zona da Mata

    Leia