Notícias

Combater violência contra a mulher permitiria ao Brasil incrementar PIB em R$ 214,4 bilhões

Pesquisa da Gerência de Economia e Finanças Empresariais da FIEMG mostra impactos econômicos da violência contra a mulher

O fim da violência contra a mulher garantiria, em 10 anos, um incremento de R$ 214,4 bilhões no PIB brasileiro – valor que equivale a uma década do programa Bolsa-Família. Ao mesmo tempo, possibilitaria a criação de mais 2 milhões de empregos no país e acréscimo superior a R$ 97 bilhões na massa salarial e R$ 16,4 bilhões na arrecadação do governo.

Essas são conclusões da pesquisa “Impactos Econômicos da Violência contra a Mulher”, feita pela Gerência de Economia e Finanças Empresariais da FIEMG. Um dos responsáveis pelo levantamento, João Pio, consultor de Estudos Econômicos da Federação, ressalta que a violência contra a mulher afeta a sociedade como um todo.

Reflexos

A mulher vítima de violência, explica Pio, é abalada sob vários aspectos, como físico, moral e emocional. Do ponto de vista da economia, essa violência pode levar, a curto prazo, a reflexos como absenteísmo, atrasos no trabalho e perda do emprego. A longo prazo, reduz a produtividade, diminui a capacidade laboral de forma permanente e o capital humano.

“Entre as consequências dessa realidade para a conjuntura econômica vêm queda na renda, com redução do consumo, e, por consequência, diminuição do faturamento das empresas, que passam a investir menos e a demitir”, pondera ainda João Pio.

Confira toda a pesquisa clicando aqui.

Últimas notícias

  1. Programa FIEMG Jovem recebe Mentoria em ESG

    Leia

  2. Taxa de Incêndio em Minas Gerais é declarada inconstitucional

    Leia

  3. Minascon: economia circular e arquitetura por Marcelo Rosenbaum

    Leia

  4. Embaixador do Chile no Brasil visita a FIEMG

    Leia

  5. Simpósio de Recursos Hídricos chega ao fim com Carta de Belo Horizonte

    Leia

  6. Especialistas em recursos hídricos visitam laboratórios do CIT SENAI

    Leia

  7. Grupo de trabalho buscará soluções para problemas entre BH e Nova Lima

    Leia

  8. Minascon: novidades fotovoltaicas integradas à construção

    Leia