Notícias

Queda de juros favorece ambiente de negócios

Presidente interino da FIEMG, Luciano José Araujo, elogia redução dos juros pelo Copom

O presidente em exercício da FIEMG, Luciano José de Araújo, elogiou a decisão do Copom de reduzir em 0,25 p.p. a taxa Selic, o que favorece o ambiente de negócios no país. O industrial alertou, no entanto, para a necessidade da reforma da Previdência para ajustar as contas da União e dos estados para não prejudicar a retomada econômica e dos empregos. Leia abaixo a íntegra da nota.

Posição da FIEMG

A redução de 0,25 p.p. na taxa de juros básica para 6,75% é positiva. O movimento de queda é benéfico ao país. Em outubro de 2016, a Selic era de 14,25% ao ano. Juros menores favorecem o ambiente de negócios no Brasil, que ainda tem uma longa agenda para alcançar os padrões internacionais.

É preciso seguir neste caminho, principalmente em um ano eleitoral, como 2018. A pauta de reformas fiscais não deve ser paralisada em virtude das eleições. Hoje, a receita governamental está fortemente comprometida com gastos obrigatórios, deixando pouco espaço para investimentos públicos.

Sem a reforma da Previdência, em alguns anos as contas dos estados e da União entrarão em colapso e as taxas de juros voltarão a crescer, mais uma vez, prejudicando a retomada da atividade econômica e dos empregos. É de extrema importância votar a reforma da Previdência no menor tempo possível.

Os EUA aprovaram recentemente um agudo corte de impostos para os setores produtivos, o que afeta diretamente o Brasil. A concorrência internacional por atração de investimentos é cada vez mais acirrada e vamos perdendo essa batalha com um sistema tributário complexo e oneroso como o brasileiro.

Ao mesmo tempo em que observamos a atividade econômica melhorar, ainda que de forma tímida, depois de dois anos de forte recessão, a incerteza tem crescido. Se não agirmos de forma contundente em prol da capacidade de competição com concorrentes internacionais, o Brasil seguirá comprometendo seu futuro do país. Mais um corte da taxa Selic é louvável. O Banco Central deu mais um passo positivo para a atividade industrial e para os demais setores nacionais.



Últimas notícias

  1. Presidente da CNI, Robson Andrade, recebe Colar do Mérito Industrial

    Leia

  2. No Dia da Indústria, Temer anuncia queda de impostos sobre combustíveis e cobra corte no ICMS

    Leia

  3. Governador critica política de preços da Petrobras

    Leia

  4. Flávio Roscoe toma posse e lança novos desafios para a indústria de Minas

    Leia

  5. Industrial do Ano, Otávio Viegas se destaca por inovações no diagnóstico por imagem

    Leia

  6. Medalha do Mérito Industrial: reconhecimento por benefícios gerados às comunidades e à economia

    Leia

  7. Dia da Indústria 2018 presta homenagens e marca início de nova gestão na FIEMG

    Leia

  8. Sistema FIEMG lança novo livro "A indústria de Minas Gerais no século 21"

    Leia