Notícia

Modernização da cadeia veicular é destaque em reunião na FIEMG

Membros da Câmara da Indústria Automotiva e Mobilidade também discutiram panorama e perspectivas do setor

O estímulo à modernização da cadeia da mobilidade em Minas, que provoca melhorias para todos os usuários, é o principal propósito da Câmara da Indústria Automotiva e Mobilidade da FIEMG. Em consonância à proposta, o grupo reuniu-se, nesta quinta-feira (09/12), para debater temas do setor, incluindo a apresentação do projeto de modernização UFMG Powertrain.

O encontro, realizado em formato híbrido, na sede da Federação, em Belo Horizonte, foi aberto e conduzido pelo presidente da Câmara, Valentino Rizzioli. Na oportunidade, a analista de Estudos Econômicos, da Gerência de Economia e Finanças Empresariais da Federação, Julia Silper Fonseca Pereira, apresentou o "Boletim Setorial: conjuntura e perspectivas da indústria automotiva". O documento atualiza os empresários e sindicalistas sobre as mudanças na área da mobilidade.

Entre elas, a especialista explicou como a produção de veículos foi prejudicada na pandemia de Covid-19. Conforme Silper, três fatores contextualizam a crise, sendo o primeiro deles o fato de que muitas pessoas precisaram trabalhar e viver experiências de lazer em casa no período. Assim, a demanda por aparelhos tecnológicos, incluindo computadores e videogames, foi sensivelmente ampliada. Esses equipamentos necessitam de semicondutores - materiais também utilizados na produção de diversos módulos eletrônicos que equipam automóveis.

Em seguida, as indústrias automotivas foram forçadas a adaptar os processos produtivos aos novos protocolos sanitários de prevenção à doença, causando a parada momentânea dos trabalhos, novamente restringindo a produção. "Outro fator que contribuiu foi as sanções aplicadas ainda por (Donald) Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, à China. O país também acusou a China de espionagem cibernética", lembrou Julia. Os três fatores dificultaram o acesso aos necessários semicondutores.

"A estimativa é que entre 100 mil e 120 mil veículos tenham deixado de ser fabricados no Brasil devido à crise de componentes. No mundo, o número fica entre sete e nove milhões. Para o setor conseguir reajustar a oferta, a solução perpassa pelos semicondutores. No entanto, essa cadeia é muito específica. Para ser instalada, ela exige investimetnos de 10 bilhões de dólares. E para começar a funcionar, demora cerca de três anos", afirmou a especialista da FIEMG.

Capturar.JPG

UFMG Powertrain

Outro importante ponto em discussão durante a reunião da Câmara da Indústria Automotiva e Mobilidade da FIEMG foi a apresentação do UFMG Powertrain (veja mais aqui), unidade da Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), para projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no âmbito do Rota 2030 - lei criada pelo governo federal em 2018 para estimular a produção de novas tecnologias, e promover o uso de biocombustíveis.

A EMBRAPII, por sua vez, é uma organização social qualificada pelo governo federal, desde 2013, para apoiar instituições de pesquisa tecnológica, fomentando a inovação na indústria brasileira. A unidade da EMBRAPII em parceria com a UFMG, chamada UFMG Powertrain, foi apresentada à Câmara pelo coordenador do programa, o professor Braz de Jesus Cardoso Filho. O programa é executado por 16 pesquisadores. O UFMG Powertrain, juntamente com outras três unidades EMBRAPII no país, já captaram recurso superior a R$ 12 milhões para P&D nos últimos três anos.

"Além de todo esse recurso de infraestrutura e conhecimento, estamos associando os recursos da EMBRAPII, que foram colocados sobre a nossa guarda", lembrou Braz. Ao todo, conforme a UFMG, três laboratórios de pesquisa da universidade desenvolveram tecnologias aplicadas a Powertrain elétrico e híbrido a biocombustíveis. São eles: Tesla Engenharia de Potência, e Centro de Tecnologia da Mobilidade (CTM), ambos da Escola de Engenharia; e Laboratório de Ensaio de Combustíveis (LEC), do Instituto de Ciências Exatas.

A unidade EMBRAPII da UFMG tem capacidade para realizar projeto e testes de motores e de geradores elétricos; projeto, montagem e testes de conversores eletrônicos; desenvolvimento e testes de sistemas de acionamento elétrico; projeto, montagem e testes de recarregadores veiculares; estudos e testes de armazenadores de energia elétrica e de BMSs (battery management systems); pesquisas relacionadas com aumento de eficiência energética em combustíveis, combustão, motores e veículos; desenvolvimento de reformadores para o etanol; e desenvolvimento de tecnologias para mapeamento em tempo real da qualidade do biocombustível.

Por meio do Escritório de Ligação (ELO), há um trabalho de identificação e apresentação dos laboratórios de pesquisa às empresas, em busca de parceiros. Na prática, o UFMG Powertrain está apto a atender montadoras, empresas fabricantes de tratores, caminhões e veículos militares, bem como o setor de autopeças. Atualmente, são parceiros da unidade, além do próprio Sistema FIEMG, empresas como CNHi, IVECO, FCA, BMW, Bosch, Petrobras, Halliburton, Esab, Aperam, Arcelor, VALE, Boeing, CODEMGE, Aetra, CEMIG, Coelba e Cosern.

Câmara da Indústria Automotiva e Mobilidade

A Câmara da Indústria Automotiva e Mobilidade da FIEMG tem como propósito fomentar a modernização da cadeia da mobilidade em Minas Gerais, buscando melhorias para todos os usuários. A Câmara possui cinco diretrizes de atuação, que são trabalhadas no período entre 2019 e 2022. São elas: inspeção técnica veicular e reciclagem; promoção de novas formas de mobilidade; capacitação; Rota 2030; e interface com outras Câmaras e Conselhos da Federação.

Últimas notícias

  1. Anglo American Challenge FIEMG Lab recebe inscrições para 2ª edição

    Leia

  2. FIEMG busca fornecedores de materiais de higiene, limpeza e descartáveis

    Leia

  3. Programa de Desenvolvimento de Conselheiros conclui a capacitação da 11ª turma

    Leia

  4. Programa Residência Industrial forma primeira turma com 33% dos alunos já contratados

    Leia

  5. Minas Gerais precisa qualificar 1 milhão trabalhadores em ocupações industriais até 2025

    Leia

  6. Aberta segunda edição do programa Legado

    Leia

  7. FIEMG busca fornecedores para indústrias de bebidas da Zona da Mata

    Leia

  8. Desempenho da panificação é tema de workshop promovido pelo Sindipan-JF

    Leia