Notícias

FIEMG mostra impactos das sobretaxas de Trump na economia mineira

Em 2017, as exportações de produtos metalúrgicos do estado somaram US$5,3 bilhões. Desse total, 12,2% tiveram como destino o mercado americano

A decisão do governo americano de aplicar sobretaxa de 25% às importações de aço e 10% às importações de alumínio de origem brasileira atinge diretamente um setor conta com mais de 56,5 mil empregos em Minas Gerais, 28% do total brasileiro, distribuídos entre 546 empresas instaladas no estado. A informação é da Superintendência de Economia da FIEMG, lembrando que no ano passado, as exportações de produtos metalúrgicos de Minas Gerais somaram US$5,3 bilhões. Desse total, 12,2% tiveram como destino o mercado dos Estados Unidos.

“Tal medida ocorre num momento em que a metalurgia brasileira esboça recuperação, após as intensas quedas registradas na produção industrial entre 2014 e 2017 (16,7% no Brasil e 10,9% em Minas Gerais)”, afirma o superintendente da FIEMG, Guilherme Leão. Em 2017, o segmento gerou 1.127 empregos em Minas Gerais e 2.472 no Brasil. “Desde a semana passada, quando Donald Trump antecipou a medida, empresas do setor siderúrgico brasileiro, excluindo aquelas que têm plantas nos EUA, perderam 5,7% de valor de mercado, o que equivale a R$3,5 bilhões”, alerta.

De acordo com o superintendente da FIEMG, como a sobretaxa entra em vigor em 15 dias, há tempo para que as autoridades brasileiras atuem no sentido da isenção das tarifas, tendo em vista que 80% das exportações da siderurgia brasileira para os EUA são de produtos semiacabados, que servem de insumos para as próprias siderúrgicas americanas. Ele vê até um cenário favorável aos produtos mineiros: “A manutenção de uma tarifa de importação, tal como proposta, implicará no aumento de custos no mercado interno americano”.

Neste sentido, Guilherme Leão também entende que o decreto assinado pelo Presidente americano, Donald Trump, em 08 de março, abre espaço para negociações com países que não apresentaram superávit comercial com os EUA, como é o caso do Brasil, que, entre 2009 e 2017, registrou déficit comercial de mais de US$46 bilhões.

Confira a Nota Técnica - Sobretaxa americana às importações de Aço

Conheça o posicionamento do Instituto Aço Brasil sobre os impactos da sobretaxação norte-americana

Últimas notícias

  1. PCIR é destaque no Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação

    Leia

  2. Ousadia e inovação em atividades de Segurança e Saúde do Trabalho

    Leia

  3. Indústrias de Minas e São Paulo se reúnem

    Leia

  4. Direito de Minas

    Leia

  5. Orquestra de Câmara SESIMINAS se apresenta com Antônio de Meneses

    Leia

  6. Código Ambiental de Contagem em foco no G7

    Leia

  7. Empresas associadas ao CIEMG têm novo benefício

    Leia

  8. FIEMG se posiciona sobre decisão do Banco Central

    Leia