Notícias

FIEMG revisa para baixo crescimento da indústria mineira

Em abril, o faturamento voltou a cair, após crescer 5,5% em março

A FIEMG reviu para baixo a estimativa de produção física da indústria de Minas Gerais de 3,3% para -1,5, em 2018. Segundo o superintendente de Ambiente de Negócios da FIEMG, Guilherme Velloso Leão, “a recuperação ainda é bastante oscilante e a projeção de queda na produção de 2018 é explicada pelo mau desempenho da indústria extrativa”. Os dados são da Pesquisa Indicadores Industriais (INDEX), divulgada hoje (4/6), pela FIEMG.

A projeção para o PIB foi revista de 2,6% para 1,2%. A revisão é justificada pelo impacto negativo da paralisação dos caminhoneiros, frustração na expectativa de retomada da produção da Samarco, a estratégia da Vale de redirecionamento da atividade de extração mineral para o estado do Pará, a interrupção das atividades da Anglo American, o aumento da incerteza política e a redução dos níveis de confiança.

O impacto da greve no PIB nacional foi de 0,5%, enquanto que para Minas Gerais foi e pelo menos 0,6%. “A greve foi o fator mais danoso porque abrange todos os segmentos e não foi um evento previsto pelas empresas”, diz o presidente da FIEMG, Flávio Roscoe Nogueira.

O faturamento real da indústria mineira recuou 2,7% em abril, em relação a março, na série com ajuste sazonal. A massa salarial real (-0,5) e o rendimento médio real (-1,3) também caíram. Por outro lado, as horas trabalhadas na produção e o emprego industrial aumentaram, ao passo que a utilização da capacidade instalada ficou estável em relação a março (79,4%).

Os resultados de abril sinalizam que a indústria mineira enfrenta dificuldades para voltar a crescer, e que a recuperação esperada para 2018 poderá acontecer de forma mais lenta do que antecipado ao final de 2017.

A massa salarial real recuou 0,5% entre março e abril, na série dessazonalizada, a quarta queda seguida da variável. O indicador caiu 4,1% em relação ao mesmo mês de 2017 e, no acumulado do ano até abril, frente ao mesmo período do ano passado, recuou 0,8%. Na análise dos últimos 12 meses, a variação ficou próxima de zero.

Clique aqui e confira a pesquisa na íntegra. 

Últimas notícias

  1. 22ª Fenova começa com grandes expectativas de vendas

    Leia

  2. SINDBEBIDAS e PCIR promovem mais uma ação do Projeto Pão de Malte

    Leia

  3. Sul-africanos querem mudar o saldo comercial com Minas Gerais

    Leia

  4. Tendências para a indústria em pauta em Governador Valadares

    Leia

  5. Empresas de Uberaba são aprovadas em edital de inovação

    Leia

  6. Noite de consagração no MegaCana Tech Show

    Leia

  7. FORLAC levou novidades para o setor de laticínios

    Leia

  8. FIEMG Lab 4.0 e o novo ciclo de aceleração de startups

    Leia