Notícia

Não existe investimento maior do que a educação, diz economista

ODS 4 (Educação de Qualidade) foi um dos temas tratados no 1° almoço-palestra ADCE de 2019

Muito já se disse sobre os impactos da paralisação parcial das atividades extrativistas em Minas Gerais e esse também foi o assunto do 1° almoço-palestra de 2019 da Associação de Dirigentes Cristões de Empresas (ADCE-MG). Realizado na sede da FIEMG, no dia 12/04, o evento teve como palestrante o economista da Federação, Sérgio Luiz Guerra Xavier, que extrapolou a analise econômica da situação. Xavier propôs, aos presentes, uma reflexão de como a comunidade empresarial poderia auxiliar esses municípios, que dependem da atividade mineradora, a superarem a crise.

Xavier ressaltou que, uma das maneiras de minimizar os impactos humanos e econômicos decorrentes do rompimento Barragem do Córrego do Feijão, ocorrido em Brumadinho, no dia 25/01, é o setor industriário e a sociedade estarem em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O economista citou alguns deles e destacou o Objetivo 4 – Educação de Qualidade. “Esse é um dos objetivos mais bem escritos, pois está totalmente sintonizado com o momento que estamos vivenciando e com o mundo do futuro”, pontuou.

Segundo ele, projeções mostram a tendência inevitável da redução da vida útil das qualificações que são ensinadas atualmente. “As pessoas terão que ser treinadas e recicladas ao longo de suas carreiras”, afirmou, lembrando que isso traz um impacto muito grande na maneira como se ensina. “Precisamos ensinar as pessoas a aprender, constantemente”, ressaltou.

Xavier esclareceu que essa é uma reflexão que deve ser tanto do Sistema FIEMG, que se dedica à educação por meio do SESI e do SENAI, quanto da nossa sociedade como um todo. Segundo ele, quem se dedica a educação, como a Federação, é preciso se atentar para as novas formas de ensinar, como, por exemplo, o campo da linguagem. “Não apenas do idioma materno ou estrangeiro, mas também, o domínio de linguagens artísticas, como a música, programação e matemática”, afirmou, pontuando que o SESI é uma das referências nessas áreas, com o ensino de Robótica Educacional em suas escolas. “É necessário que as pessoas aprendam a se expressarem de diversas formas”, disse citando a literatura e a encenação teatral como métodos importantes para se trabalhar a linguagem. “Isso permitirá com que os trabalhadores do futuro estejam disponíveis para aprender e se adequarem a novas realidades”.

O economista ressaltou que, neste momento delicado que as cidades mineradoras estão passando, ações da área de educação são muito bem-vindas. “Esses municípios são propícios, pois podem vincular recursos, que eles já possuem, para essas atividades. Não há retorno econômico maior do que o investimento em educação”, disse ressaltando que essa é uma necessidade imediata para esses locais.
Durante o encontro, foram citados também os seguintes ODS: Trabalho Decente e Crescimento Econômico, Indústria, Inovação e Infraestruturas, Cidades e Comunidades e Sustentáveis, Consumo e Produção Responsável, Paz, Justiça e Instituições Eficazes. “A nossa sociedade estimula a gestão responsável de riscos? O que fazemos, na prática? Qual é o papel dos gestores?”, provocou o economista da FIEMG.

Almoço palestra da Associação de Dirigentes Cristões de Empresas (ADCE-MG) – Realizado periodicamente e em parceria com a FIEMG, o evento tem dentre seus objetivos o compartilhamento de informações e conhecimento de interesse do empresariado, abrindo um canal de troca entre os envolvidos. “Devido ao momento econômico que estamos vivendo em Minas, escolhemos o estudo realizado pela Federação para apresentarmos aos nossos associados e dirigentes de empresas”, disse Sérgio Frade, presidente da ADCE-MG. “Minas Gerais irá superar a crise com o dialogo e compromisso”, afirmou. Saiba mais sobre o trabalho desenvolvido pela ADCE NESTE LINK.

IMG_9936.JPG

ODS - Os ODS são um grande plano estratégico para as empresas, governos e entidades compreenderem as oportunidades de negócios existentes dentro de uma prática sustentável e responsável. Para conhecer todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o Guia SESI: Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, CLIQUE NESTE LINK.

Paralisação da mineração - O PIB mineiro pode fechar 2019 com recuo de 4% com a perda de 851 mil empregos. A estimativa está em um estudo que a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) lançou, no qual analisa os efeitos da paralisação das atividades minerárias no estado. O trabalho considera três diferentes cenários no horizonte de três anos (2019-2021): “pessimista”, com a interrupção de 70% das atividades do setor, “otimista”, com a retomada gradual da mineração, e “atual”, marcado pela paralisação de aproximadamente 50% da produção minerária estimada para 2019. A atividade em algumas minas no estado foi interrompida após o rompimento da Barragem do Córrego do Feijão. Faça o download do estudo completo NESTE LINK.

Últimas notícias

  1. "eSocial para gestores” é tema de palestra na FIEMG Regional ZM

    Leia

  2. Os novos caminhos da mineração

    Leia

  3. Gestão do tempo, foco e produtividade em pauta

    Leia

  4. Reestruturação da base sindical é tema de reunião na FIEMG

    Leia

  5. Comércio com a Alemanha

    Leia

  6. SILEMG debate instruções normativas

    Leia

  7. Regras do financiamento para energias renováveis é tema de reunião na FIEMG

    Leia

  8. FIEMG discute o futuro da mineração em Minas Gerais

    Leia