Notícias

Presidente da IBIO participa da reunião do Cema

Eduardo Figueiredo detalhou o Programa de Produção de Água e chamou a indústria para participar

A pouca disponibilidade de recursos para a recuperação ambiental é um dos principais obstáculos da Bacia do Rio Doce. Para o diretor-presidente do Instituto BioAtlântica (IBIO – AGB Doce), Eduardo Figueiredo, além da limitação orçamentária há falta de integração entre diferentes programas e ações. Ele detalhou tecnicamente o Programa de Produção de Água e chamou a indústria para participar, durante a reunião Conselho de Empresários para o Meio Ambiente (Cema), liderado por Julio Nery, no dia 14/11.

Segundo ele, os recursos atualmente vêm da cobrança pelo uso da água, aquela paga pelos usuários. Esse recurso financeiro é orientado pelo comitê e segue o Plano de Bacias. “A partir deste ano o foco está sendo na adequação do uso do solo, como por exemplo, na recuperação de nascentes e melhoria de pastagens. Estamos trabalhando com os produtores rurais para adequação de propriedades do ponto de vista ambiental. A ideia é partir do conceito de que se você não tiver uma adequação ambiental e produtiva, não teremos sucesso na recuperação da Bacia do Rio Doce”, diz.

O programa propõe uma metodologia para racionalizar e potencializar a aplicação dos recursos financeiros, baseada em três pilares: articulação inter setorial, identificação de áreas prioritárias: análise de vulnerabilidades e captação de recursos financeiros.

Ele salientou que a IBIO está incentivando uma integração de políticas públicas junto com uma série de atores, principalmente com os usuários de grande porte, que têm maior capacidade técnica e de inteligência para atuar junto, acompanhando e centralizando seus investimentos em ações de curto e médio prazo que levem a mudanças de comportamento do produtor rural. São ações para que a bacia tenha água, diversidade e carbono para a sociedade civil e seus usuários.

“A indústria tem um papel forte na sua operação, na conservação de água, na diminuição do lançamento de efluentes e em todos os controles ambientais que ela faz muito bem. Ou seja, é continuar fazendo e aprimorar o que for preciso. E como a indústria tem muitas ações atreladas às condicionantes e aos licenciamentos, tanto por obrigação quanto por liberalidade das empresas, o ideal é que esses investimentos sejam concatenados com os investimentos que os comitês de bacia estão fazendo, para que haja a redução da pulverização de esforços e o aumento do foco nos projetos que trarão resultados mais consolidados. O grande papel da indústria é acompanhar, cobrar e investir junto em uma bacia que seja capaz de fornecer água, fundamental para ela mesma”, diz.

Últimas notícias

  1. Câmara Portuguesa de Minas Gerais homenageia executivo da EBC

    Leia

  2. Índice de Atividade da Construção Mineira supera média histórica

    Leia

  3. Boas perspectivas para empresas mineiras na Alemanha

    Leia

  4. Empresários mineiros da panificação marcam presença em convenção da ABIP no ES

    Leia

  5. FIEMG apoia lançamento da Câmara de Comércio Belgo-Luxemburguesa em Belo Horizonte

    Leia

  6. Nova diretoria do SIPROCIMG toma posse em evento na FIEMG

    Leia

  7. Evento no P7 Criativo mostra que empresas não devem impor regras às startups

    Leia

  8. FIEMG abraça Campanha de Associativismo 2017

    Leia