Notícia

Reforma que proporcione simplificação tributária trará benefícios para indústria e sociedade

Especialista da FIEMG falou sobre o tema em debate promovido pelo jornal Diário do Comércio

O Congresso Nacional avalia propostas para realizar a reforma tributária e, de acordo com a gerente de Assuntos Tributários da FIEMG, Luciana Mundim, todas elas têm em comum um ponto importante e essencial: a simplificação. “Elas trazem a proposta de simplificar ao unificar tributos que são semelhantes em sua essência. Com isso, a indústria pode ganhar em produtividade e toda a sociedade ganha também com mais transparência”, afirmou Mundim durante a live “Reforma Tributária e os possíveis impactos na indústria de Minas”. O bate-papo, realizado dia 16/9, foi promovido pelo jornal Diário do Comércio.

Em relação às propostas é importante fazer acompanhamento de como está sendo tratada, alertou Mundim. “Temos que lembrar que o processo Legislativo tem o papel de amadurecer as propostas para que elas saiam, ao final, uma lei de acordo com o que a sociedade e o país precisam para o desenvolvimento e a competividade internacional”.

A gerente da FIEMG falou também à jornalista Ana Carolina Dias Schenk que, antes de uma reforma tributária, é preciso repensar o tamanho do Estado brasileiro. “A reforma tributária e a administrativa são necessárias e uma depende da outra. A administrativa, por exemplo, deveria vir antes, pois se não diminuirmos o número das contas para pagar, será preciso aumentar a arrecadação para fechar as contas no fim do mês”, alertou Mundim.

Custos ocultos

Para que as empresas paguem corretamente seus impostos, é preciso se adaptar e isso gera custos administrativos, que poderiam ser melhor empregados na produção, de acordo com a gerente da FIEMG. “A legislação é tão complexa, que a empresa tem um gasto além. Exemplo de custo oculto é a apuração de tributos. As empresas maiores, tem que montar uma equipe, é necessário investir em equipamento tecnológico. Isso não é custo direto, mas é necessário arcar com o pagamento correto dos tributos”, explica.

Outro ponto importante destacado por Mundim é o pagamento da folha de pessoal. “O custo chega a ser o dobro do salário pago para o empregado. A desoneração tem que entrar em discussão na reforma para alcançarmos a simplificação e transparência do sistema”.  

Impacto na vida do cidadão brasileiro

Não será apenas o setor produtivo diretamente impactado com a reforma tributária. Mundim afirmou que a transparência e simplicidade afeta a vida de todos os cidadãos. “A desoneração da folha de pagamento, por exemplo, impacta diretamente o cidadão, pois contribui para a geração de emprego. Além disso, a transparência não será apenas para as empresas, nós precisamos saber quanto efetivamente pagamos de tributo e saber se ele está sendo corretamente empregado”.

Mundim disse ainda que o país vive um momento único em sua história ao debater essa importante reforma. “Não sabemos como a proposta vai sair do Congresso, temos que ser vigilantes para que possamos fazer algo importante e não desperdicemos uma oportunidade como esta”, finalizou.

 

Últimas notícias

  1. FIEMG abre licitação para ampliar e construir novas unidades do SESI

    Leia

  2. Presidente Flávio Roscoe visita Uberlândia e Araguari

    Leia

  3. Debate entre o setor produtivo e o Ministério do Trabalho

    Leia

  4. TRENDBIJOUX: nova opção para compradores do setor

    Leia

  5. Conecta Hub aproxima Indústria e comunidade acadêmica para promover soluções no mercado

    Leia

  6. É professor? Faça parte da Rede SESI de Educação!

    Leia

  7. Investimentos e atração de negócios para obras industriais

    Leia

  8. Cemig e FIEMG promovem webinar

    Leia