Notícia

Setor industrial mineiro é contrário ao texto atual da Reforma Tributária

Para a FIEMG, projeto não simplifica carga tributária do país

A Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) se posiciona contrária à proposta da Reforma Tributária enviada pelo governo ao Congresso Nacional. A entidade acredita que o texto do projeto não contempla a simplificação dos tributos, um pedido antigo da classe empresarial do país.

A Reforma Tributária que tramita na Câmara dos Deputados propõe a reformulação do sistema tributário brasileiro, simplificando a arrecadação de taxas, impostos e contribuições, e substituindo cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) pelo Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). A proposta, no entanto, esbarra na redução dos custos administrativos por parte do governo federal.

Segundo o presidente da FIEMG, Flávio Roscoe, o projeto de Reforma Tributária não deveria ser votado antes da Reforma Administrativa (PEC 32/20). “Os empresários entendem que reforma tributária ideal deve ser aquela que unifica e simplifica impostos, colaborando para redução do custo Brasil. Isso só será possível com o enxugamento da máquina pública, ou seja, com o corte de custos administrativos do fisco”, afirma Roscoe.

O custo Brasil se refere a um conjunto de impasses estruturais, burocráticos, trabalhistas e econômicos que atrapalham o crescimento do país, influenciam negativamente o ambiente de negócios, encarecem os preços dos produtos nacionais e custos de logística, comprometem investimentos e colaboram com a alta carga tributária. De acordo com levantamento do Movimento Brasil Competitivo, o custo Brasil consome anualmente R$ 1,5 trilhão das empresas, o que equivale a 22% do PIB nacional. O estudo revela que as companhias brasileiras dedicam quase 40% de seus lucros para o pagamento de tributos.

O objetivo dos empresários brasileiros é aumentar a competitividade dos produtos nacionais por meio da simplificação da carga tributária, resultando em uma redução da insegurança jurídica e custos trabalhistas. “Os custos gerenciais decorrentes da complexidade da legislação trabalhista elevam em mais de 40% a folha salarial das empresas. Gasta-se mais de 30% do tempo de produção com o cálculo da carga tributária”, destaca o presidente da FIEMG.

Para o setor industrial mineiro, a Reforma Tributária é urgente e necessária, entretanto, não está em sintonia com o momento e a necessidade dos setores produtivos da economia. Entre os pontos discordantes estão as alterações no cálculo de apuração do IRPJ; taxação de 20% dos lucros e dividendos, considerando o contexto econômico da pandemia, além do rigor excessivo da carga tributária para empresas, investidores e boa parte dos cidadãos. Dessa forma perde quem mais investe e gera empregos e a proposta não ataca um dos principais pontos responsáveis pelo custo Brasil: a enorme burocracia tributária.

Últimas notícias

  1. FIEMG e sindicatos apoiam trabalhadores e empresas de Sabará afetados por chuvas

    Leia

  2. TJMG recebe visita do presidente da FIEMG

    Leia

  3. Treinamento orienta sobre eSocial na FIEMG Regional Zona da Mata

    Leia

  4. Atividade industrial desacelera em dezembro, aponta pesquisa

    Leia

  5. Empresas da Grande BH reúnem-se com CEMIG para discutir atendimento no período chuvoso

    Leia

  6. FEMUR 2022 é aberta em Ubá e marca a retomada econômica do setor moveleiro

    Leia

  7. FIEMG abre busca da Vale de fornecedores para obras na Bacia do Paraopeba

    Leia

  8. Startups: ideias que transformam a sua vida

    Leia