Palavra do Presidente

29/07/2020

Futuro de Minas

Flávio Roscoe Nogueira

O futuro de Minas e a capacidade de o estado retomar os trilhos de crescimento econômico e fazer dele instrumento efetivo de inclusão e transformação, com geração de emprego e bem-estar social, estão nas mãos dos nossos 77 deputados estaduais – nos próximos dias e semanas, eles terão a oportunidade de decidir sobre a proposta de reforma da previdência encaminhada à Assembleia Legislativa pelo governador Romeu Zema. Iniciativas semelhantes já foram aprovadas no âmbito da maioria dos Estados brasileiros. Em Minas, neste momento, a aprovação da reforma da previdência é absolutamente necessária para estancar a sangria provocada por déficits sucessivos e crescentes, que já colocam o Estado em situação de insolvência e podem levá-lo à falência irreversível.

Os números são dramáticos. Em valores atualizados, o déficit da previdência dos servidores públicos mineiros, acumulado ao longo dos últimos anos, já atinge R$ 130 bilhões – deste total, R$ 85,5 bi referem-se ao período 2013/2020. Na verdade, os números das despesas com pessoal, ativo e inativo (aposentados e pensionistas), explicam o grave desajuste das contas públicas de Minas Gerais. Em 2019, a receita corrente líquida estadual foi de R$ 64 bilhões. No mesmo período, a despesa bruta com pessoal atingiu R$ 52 bilhões – ou seja, 81% da receita do estado é consumida pelo pagamento de servidores ativos e inativos. Menos de 20% é o que sobra para realizar investimentos em áreas essenciais para a população – saúde, educação, segurança pública – e em infraestrutura de apoio ao setor produtivo, indispensável para que a economia possa funcionar. O Estado vive para cobrar impostos e pagar o funcionalismo.

Se a reforma não for aprovada, a perspectiva é de que estes números continuem crescendo de forma absolutamente descontrolada pelo simples fato de que, hoje, as despesas crescem mais do que as receitas. É um cenário que se agrava a cada dia: em 2002, havia 1,6 servidor ativo para cada aposentado e/ou pensionista – hoje essa relação caiu para 0,6. Como resultado, o déficit da previdência estadual vem crescendo exponencialmente, saltando de R$ 5,8 bilhões em 2013 para R$ 12,5 bilhões em 2019, somando R$ 85,5 bilhões neste período.

É certo que esse desequilíbrio tende a aumentar aceleradamente nos próximos anos, em razão de acontecimentos inesperados, e dramáticos, que atingiram Minas Gerais nos últimos dois anos. Em janeiro de 2019, o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, que além das perdas humanas, teve efeito devastador sobre o nosso Produto Interno Bruto (PIB), contribuindo para a reversão do projetado crescimento de 3,3% para uma queda da ordem de 0,3%. Até hoje não voltou ao normal a produção de minério de ferro, de geração de empregos, dos salários dos trabalhadores e dos impostos que o Estado utilizava para honrar compromissos, incluindo salários dos servidores, e financiar programas sociais.

Desde o começo do ano, surge outro revés com o novo coronavírus. O número de pessoas contaminadas e de óbitos, abaixo da média nacional, indica o acerto da maneira como o governo mineiro comandou o combate à doença, embora os efeitos sejam devastadores sobre a economia, com a quase paralisação do setor produtivo, a interrupção das atividades de empresas, o desemprego e a consequente redução das receitas do Estado. Na outra ponta, as despesas se mantêm e até aumentam. Além dos gastos para combater a doença, o maior peso é representado exatamente pelos vencimentos dos servidores públicos, aposentadorias e pensões.

Neste cenário de “tempestade perfeita”, a reforma da previdência, que já era absolutamente necessária, torna-se urgente e emergencial. Discutir a proposta encaminhada pelo governador Romeu Zema, aperfeiçoá-la e aprová-la é, neste momento, a missão dos deputados mineiros, que, majoritariamente, estão comprometidos com Minas Gerais e contam com a confiança da FIEMG de que conduzirão o projeto da melhor maneira para o Estado. Ademais, a proposta é justa e necessária, tanto que já foi analisada e aprovada pelos deputados da Comissão de Constituição e Justiça.

Seus principais pilares são o total respeito aos chamados “direitos adquiridos” e o menor impacto possível sobre os servidores. Comparando a reforma em tramitação na Assembleia Legislativa com outras já aprovadas em outros Estados, constata-se que, aqui, o aumento da alíquota de contribuição previdenciária é o menor de todos, sobretudo para os servidores que ganham menos: 83% dos servidores (153 mil) vão pagar menos que o teto mínimo previsto, de 14%. A regra é: quem ganha mais paga mais, quem ganha menos paga menos.

O segundo pilar da reforma da previdência em Minas – o estabelecimento da idade mínima para aposentadoria – segue parâmetros utilizados de forma universal em todos os países que já fizeram suas reformas, inclusive o Brasil. O principal argumento é exatamente a mudança no perfil demográfico, o que tem aumentado permanentemente a expectativa de vida das pessoas. A reforma é o primeiro passo para que Minas retome os caminhos do crescimento econômico e da transformação social. A reforma vai propiciar uma economia de R$ 32,6 bilhões em dez anos, dinheiro que vai financiar projetos e programas em áreas essenciais para a população na educação, saúde e segurança pública.

Felizmente, temos a certeza, pelo histórico de bons trabalhos prestados a Minas Gerais e aos mineiros, que nossos deputados avaliarão e estudarão com competência e propriedade a reforma da previdência – uma oportunidade que se abre para que o Estado retome, com força e consistência, os caminhos do crescimento e dos avanços sociais.

"A reforma da Previdência em Minas, que já era absolutamente necessária, torna-se urgente e emergencial."

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 21/07/2020

Edições Anteriores

  1. Com a cara de Minas!

    Leia

  2. Nova Minas

    Leia

  3. Feito em Minas

    Leia

  4. Futuro de Minas

    Leia

  5. Missão da indústria

    Leia

  6. Crédito para os pequenos

    Leia

  7. Tempos de reconstrução

    Leia

  8. Agenda urgente

    Leia


Confira artigos anteriores