Palavra do Presidente

19/04/2021

Maturidade empresarial

Flávio Roscoe Nogueira

Fica cada vez mais clara a importância da economia, e da indústria, como poderoso instrumento de inclusão e transformação social. Na verdade, ao longo dos últimos anos e décadas, extrapolando sua missão primordial de produzir e gerar empregos, esses setores da vida nacional se afirmaram de forma muito especial como vetores fundamentais de políticas sociais eficientes e eficazes. A pandemia da Covid-19 veio mostrar que o empresariado nacional entendeu que empresas só atingem a verdadeira maturidade, a maturidade plena, quando compreendem que ao lado e além de gerar lucro para seus acionistas têm, igualmente, a missão de distribuí-los com justiça e equidade.

Desde o começo do ano passado, quando a pandemia se instalou com violência em nosso estado, assim como no Brasil e no mundo, a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) e também os sindicatos e empresas a eles vinculados assumiram a responsabilidade de postarem-se ao lado da sociedade mineira na guerra contra o coronavírus em todas as frentes necessárias, com ações nos campos da economia e da saúde. Nesse momento, por acreditar que a vacinação massiva da população é a nossa principal arma contra esta moléstia insidiosa, a FIEMG e a indústria mineira trabalham para oferecer ao país, e a Minas Gerais, ações em duas frentes: na aquisição de equipamentos que permitem que a vacina seja aplicada, como refrigeradores para acondicionamento dos frascos, e no investimento para o desenvolvimento de uma nova opção de vacina, que virá somar-se às que já estão em uso.

Nessa empreitada, unimo-nos, ainda em 2020, a empresas mineiras e brasileiras para a criação do imunizante UB-612, desenvolvido pela Covaxx, que integra o conglomerado da United Biomedical, empresa internacional com fábricas nos EUA, China e Taiwan. Estamos investindo R$ 30 milhões – o Instituto Dasa, de São Paulo, entra com R$ 15 milhões e as indústrias de Minas Gerais com mais R$ 15 milhões. Com isso, asseguramos que a pesquisa clínica da vacina seja feita também em nosso país, como já está ocorrendo. Caso o UB-612 seja aprovado pela Anvisa, nossa expectativa é que, já no segundo semestre, 50 milhões de doses venham para o Brasil – serão entregues ao Ministério da Saúde e distribuídas aos postos de vacinação do SUS. Trata-se de uma vacina de dose única e é mais uma alternativa para a população mineira e brasileira.

Com o Conselho Estratégico da FIEMG, também apoiamos, com entusiasmo, a campanha Unidos pela Vacina, idealizada e liderada pela empresária Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza. Com esse objetivo, mobilizamos os maiores industriais do estado e vamos doar, para pelo menos 275 municípios mineiros, itens essenciais para que a vacinação da população ocorra de maneira mais rápida e eficaz, como câmaras frias e freezers, que são fundamentais para o acondicionamento das vacinas. Registre-se, por necessário e justo, que a iniciativa de Luiza Trajano é, de fato, exemplo a ser seguido e compartilhado.

Também, por justo e necessário, é preciso reconhecer e ressaltar a elevada sensibilidade dos empresários e empresas mineiras diante da gravidade do cenário e, via de consequência, da necessidade de ajudar, participar e compartilhar. O trabalho que realizamos nos últimos 12 meses mostra, de fato, a força da união da indústria mineira, que, mobilizada em torno da FIEMG, viabilizou recursos para importantes projetos que atendem a demandas que emergiram em razão direta da pandemia. O solidário mutirão que se formou trouxe, com certeza, intenso aprendizado nos campos da medicina, ciência, educação, políticas sociais e até no campo individual, com profundas mudanças no comportamento de todos nós.

Os resultados são expressivos e falam por si. Em 2020, doamos 1.600 ventiladores pulmonares e equipamentos de leitos hospitalares para centenas de cidades de todo o estado. Foram distribuídos 1.428 respiradores (para 268 municípios) e 166 leitos em 12 regionais que contemplam todo o território mineiro. Mas, os equipamentos, essenciais para salvar a vida de pacientes com dificuldades respiratórias, beneficiarão também brasileiros de outros estados. Outros 100 equipamentos foram doados ao governo federal.

O trabalho continua este ano, começando com a doação de 100 ventiladores mecânicos ao governo do Estado, o que permitiu a montagem de 100 novos leitos de UTI para atendimento a pacientes da Covid-19 em Belo Horizonte, Betim, Juiz de Fora, Timóteo, Montes Claros, Viçosa, Ponte Nova, São Lourenço, Paracatu e São João del-Rei. Eles receberam os equipamentos segundo critérios da Secretaria de Estado de Saúde. No Centro de Inovação e Tecnologia SENAI (CIT SENAI), um mutirão de 20 profissionais – engenheiros mecânicos, eletricistas e de automação, além de técnicos especializados em eletroeletrônica – recuperaram 240 respiradores para atender pacientes com Covid-19 nas diversas regiões brasileiras.

Atuamos igualmente em uma das áreas mais dramáticas da pandemia, que é a de fornecimento de oxigênio. A indústria mineira está mobilizada e vai ceder aos hospitais, pelo tempo que for necessário, 2 mil cilindros para armazenamento do oxigênio medicinal. Também vamos doar mais de 500 “capacetes Elmo”, equipamento capaz de reduzir em até 60% a necessidade de internação em leitos de UTI. Desde o início da pandemia, o SENAI-MG produziu e doou 180 mil litros de álcool glicerinado 70% (parceria com a UFMG e o Sindicato do Açúcar e Álcool de Minas Gerais), 1,63 milhão de máscaras e 11 mil jalecos, além de 1.988 conjuntos de válvula e 12.827 pistões para a fabricação dos ventiladores mecânicos. Em parceria com as empresas Fiat e Suppress, o SENAI ainda apoiou municípios da RMBH na desinfecção de ruas.

Atuando sempre em permanente sintonia com os governos federal e estadual, além de governos municipais, a FIEMG também participou de importantes ações na área econômica, nos campos trabalhista, tributário, ambiental, acesso ao crédito e prorrogação de prazos para pagamento de tributos. Destacam-se, aqui, as Medidas Provisórias 927 e 936/2020, que, somente em Minas Gerais, preservaram mais de 300 mil empregos. Com todas essas iniciativas, foi possível evitar a “morte” de um expressivo número de empresas e preservar milhares de empregos.

São todas, igualmente, ações que colocam a FIEMG e a indústria mineira entre as organizações que mais colaboram e se conectam à sociedade brasileira no desenvolvimento de iniciativas que mitigam os efeitos da pandemia. Nesta jornada que já entra em seu segundo ano, a indústria mostrou-se atividade verdadeiramente essencial, como reconhecido oficialmente pelo Estado desde março de 2020. E vamos seguir adiante nessa mesma direção, cientes e conscientes de nossa responsabilidade diante da sociedade.

"Fica cada vez mais clara a importância da economia, e da indústria, como poderoso instrumento de inclusão e transformação social"

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Edição do Brasil em 16/4/2021

Edições Anteriores

  1. Futuro incerto

    Leia

  2. Maturidade empresarial

    Leia

  3. Vote por Minas!

    Leia

  4. Com a cara de Minas!

    Leia

  5. Nova Minas

    Leia

  6. Feito em Minas

    Leia

  7. Futuro de Minas

    Leia

  8. Missão da indústria

    Leia


Confira artigos anteriores