Palavra do Presidente

08/09/2020

Nova Minas

Flávio Roscoe Nogueira

A aprovação da reforma da previdência no serviço público de Minas Gerais pela Assembleia Legislativa mostra que os nossos deputados estaduais têm clara consciência de que a missão primordial do parlamento é criar leis que efetivamente contemplem os reais interesses do estado e de sua população. A decisão vai permitir que o governo inicie o processo que viabilizará o equilíbrio das contas públicas, hoje sufocadas por um bilionário e crescente déficit fiscal que impede o Estado de prover serviços de qualidade em áreas essenciais – saúde, educação, segurança pública – e interfere até no pagamento dos servidores públicos, que há mais de cinco anos recebem com atraso.

Têm, portanto, o reconhecimento da indústria, e os nossos cumprimentos, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, os deputados estaduais, o governador Romeu Zema e sua equipe. Todos, unidos, trabalham para criar em nosso estado uma legislação previdenciária moderna e justa. De fato, a partir da proposta inicial enviada pelo Executivo, os deputados, inclusive os da oposição, propuseram aperfeiçoamentos importantes que, a um só tempo, preservam a eficácia econômica e financeira da reforma e nela introduzem dispositivos efetivos de justiça social.

O princípio fundamental é o de que quem ganha mais paga mais – e quem ganha menos paga menos. Justo e necessário, esse critério está presente especialmente na definição das alíquotas da contribuição previdenciária paga pelos servidores públicos. Enquanto na proposta inicial ela variava entre 13% e 19%, no texto final, alterado pelos deputados, os percentuais foram reduzidos e ficam entre 11% e 16%, de acordo com as faixas salariais dos servidores.

Também a fixação da idade mínima para aposentadoria – 62 anos para mulheres e 65 anos para homens – se fundamenta nas mudanças no perfil demográfico dos brasileiros, considerando especialmente o quesito “expectativa de vida”. A reforma aprovada na Assembleia também cria regras de transição para funcionários que estejam próximos da aposentadoria e também para servidores de áreas especiais, como a segurança pública.

Com a aprovação da reforma da previdência, começa a ficar para trás o cenário preocupante que apontava para a falência do Estado, para a “quebradeira” definitiva. Os números que precisamos reverter são verdadeiramente dramáticos. Em valores atualizados, o déficit na previdência dos servidores públicos mineiros, acumulado ao longo dos últimos anos, já atinge R$ 130 bilhões – deste total, R$ 85,8 bi no período 2013/2020. Na verdade, os números das despesas com pessoal, ativo e inativo (aposentados e pensionistas), explicam o grave desajuste das contas públicas de Minas Gerais.

Em 2019, a receita corrente líquida estadual foi de R$ 64 bilhões. No mesmo período, a despesa bruta com pessoal atingiu R$ 52 bilhões – ou seja, 81% da receita é consumida com o pagamento de servidores. Sobra menos de 20% para realizar investimentos em áreas essenciais para a população – saúde, educação, segurança pública e infraestrutura de apoio ao setor produtivo, indispensável para que a economia possa funcionar com competitividade. Na prática, o Estado vive para cobrar impostos e pagar o funcionalismo. Essa é a realidade que começa a mudar com a aprovação da reforma da previdência estadual.

A brisa das grandes reformas estruturais, que começamos a sentir em Minas Gerais, sopra também no plano federal, na mesma direção. Depois de décadas de omissão e postergação, conseguimos aprovar a reforma da previdência, com efetiva e decisiva participação da sociedade brasileira e do Congresso Nacional, pondo fim a uma legislação do século passado, obsoleta e geradora de injustiça social e privilégios inaceitáveis. Neste momento, novas e ansiadas reformas entram em pauta. Já está no Congresso Nacional a proposta da reforma tributária e, há poucos dias, o presidente Bolsonaro encaminhou ao Congresso Nacional a proposta da reforma administrativa.

São, ambas, absolutamente necessárias e urgentes, no objetivo de reduzir o tamanho do Estado brasileiro, que assumiu proporções paquidérmicas e esmera-se em gastar muito e mal – um estado que, em vez de servir à sociedade, dela se serve. Hoje, a carga tributária brasileira, somada ao déficit anual, beira os 40% do Produto Interno Bruto. A maior parte desse gigantesco bolo tributário destina-se ao pagamento do funcionalismo. Como mostra a proposta orçamentária encaminhada na última terça-feira ao Congresso Nacional, 95% dos gastos do governo estão previamente “carimbados” e destinam-se, principalmente, ao pagamento dos servidores públicos – ativos e inativos (aposentados e pensionistas). Para investimentos, sobra quase nada – cerca de R$ 42 bilhões (0,6% do PIB).

Na prática, como mostram os números da carga tributária e do orçamento, o Estado brasileiro existe, hoje, para cobrar impostos e pagar o funcionalismo público. Por isso, é necessário reduzir o seu trabalho e recolocá-lo no caminho certo, que é o de servir a sociedade. Para isso, é fundamental e urgente fazer as reformas tributária e administrativa.

"O Estado brasileiro existe, hoje, para cobrar impostos e pagar o funcionalismo público."

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 08/09/2020

Edições Anteriores

  1. Com a cara de Minas!

    Leia

  2. Nova Minas

    Leia

  3. Feito em Minas

    Leia

  4. Futuro de Minas

    Leia

  5. Missão da indústria

    Leia

  6. Crédito para os pequenos

    Leia

  7. Tempos de reconstrução

    Leia

  8. Agenda urgente

    Leia


Confira artigos anteriores