Palavra do Presidente

16/05/2019

Previdência: reforma ou falência?

Flávio Roscoe Nogueira

A atual legislação previdenciária brasileira é, na prática, o maior programa de concentração de renda do mundo, com uma característica absolutamente perversa: tira dos mais pobres e dá aos mais ricos. A aposentadoria dos pobres fica cada vez menor e a dos ricos, cada vez maior.

O Brasil não tem opção: ou faz – agora e com urgência – a reforma da previdência ou entrará em situação de irreversível insolvência. Vale dizer: sem a reforma da previdência, o Estado quebra.

Essas são verdades sobre a previdência social que só agora a sociedade brasileira está entendendo e compreendendo. São verdades irrefutáveis na visão de dez entre dez especialistas e também que se destacam a partir da análise de estatísticas definitivamente inaceitáveis, por criar no país brasileiros de primeira e de segunda classe.

De fato, são números chocantes, que explicitam privilégios que beneficiam o funcionalismo público e precisam acabar. Enquanto os aposentados da iniciativa privada, que recebem do INSS, têm aposentadoria média de R$ 1.404,67, no serviço público ela chega a ser até 20 vezes maior. Funcionários aposentados do Executivo recebem aposentadoria média de R$ 7 mil; R$ 18 mil no Ministério Público; R$ 26,3 mil no Judiciário e R$ 28,5 mil no Legislativo. Quando se considera o teto das aposentadorias, o cenário é igualmente inaceitável: menos de R$ 6 mil na iniciativa privada (INSS) e R$ 30 mil no serviço público.

Do ponto de vista social, portanto, o atual modelo previdenciário do país é injusto e, desde a sua criação, há muitas décadas, penaliza os mais carentes. Do ponto de vista econômico-financeiro, é uma tragédia de proporções alarmantes. O déficit atuarial – diferença entre as estimativas de pagamento de benefícios e as estimativas de arrecadação de contribuições ao longo do tempo – atinge, no âmbito da União, duas vezes o Produto Interno Bruto (PIB) do país, ou seja, cerca de R$ 13 trilhões.

O cenário é igualmente grave em todos os estados do país e nos mais de 5.500 municípios. Em Minas Gerais, o déficit atuarial da previdência pública, que atende exclusivamente aos servidores públicos, é um dos piores do país, e estudos mostram que ele chega a 11 vezes o montante da receita corrente líquida anual do Estado.

Em termos anuais, no âmbito da União, o déficit foi de R$ 300 bilhões em 2018 – cerca de 5% do PIB. Em Minas Gerais, foi de, aproximadamente, R$ 18 bilhões, o que representa algo em torno de 3% do PIB estadual, que é da ordem de R$ 600 bilhões.

Fica clara, portanto, a necessidade e a urgência de se fazer a reforma da previdência no país e de, necessariamente, estendê-la aos estados e municípios, nos quais a situação chega a ser ainda mais grave. Afinal, estados e municípios não têm poder para a emissão de dívidas, o que só é permitido ao governo federal. O mais preocupante é que essa é uma realidade que só tende a se agravar, pois, se nada for feito agora, é inevitável que a distância entre receitas e despesas, já quilométrica hoje, se amplie no futuro.

Em razão de mudanças no perfil etário da população, o Brasil perde aceleradamente o chamado “bônus demográfico”, caracterizado por ter uma parcela maior de população jovem. Hoje, o número de aposentados cresce a um ritmo de 3,5% ao ano, enquanto a população em idade de trabalhar cresce a apenas 0,7% ao ano. Ou seja: no final das três próximas décadas – em 2040 –, teremos muito menos trabalhadores na ativa para pagar a aposentadoria dos inativos. Simplesmente não haverá dinheiro.

Assim, se a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) enviada pelo governo ao Congresso Nacional, instituindo a “Nova Previdência”, não for aprovada, restaria, como única opção, aumentar os impostos federais, para cobrir o déficit anual de R$ 300 bilhões, e os impostos estaduais (ICMS), para cobrir o déficit de R$ 18 bilhões com a previdência dos servidores públicos mineiros. Para o país, isso representaria uma redução na taxa de crescimento da ordem de 3,6 pontos percentuais do PIB, o que levaria a economia imediatamente de volta à recessão. Em Minas, o aumento do ICMS para cobrir o déficit de R$ 18 bilhões implicaria uma redução de 1,6 ponto percentual do potencial de crescimento do Estado – uma perspectiva dramática.

Esses são dados que reafirmam, de modo enfático e definitivo, a necessidade urgente de implantação da “Nova Previdência”. Aumentar impostos em um país com 13 milhões de desempregados e no qual União, Estados e Municípios já ficam com quase 40% do PIB é absolutamente inadmissível. Assim como também é inaceitável quebrar o país, levando-o à insolvência, para garantir privilégios de poucos em prejuízo da maioria dos 200 milhões de brasileiros.

 

“O Brasil não tem opção: ou faz a reforma ou entrará em situação de irreversível insolvência.“

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 16/5/2019

Edições Anteriores

  1. Previdência: reforma ou falência?

    Leia

  2. Pacto por Minas

    Leia

  3. Nova mineração

    Leia

  4. Em dias de sol

    Leia

  5. Futuro de Minas

    Leia

  6. Um novo país!

    Leia

  7. Reforma da Previdência, já!

    Leia

  8. Brasil aprova Sistema S

    Leia


Confira artigos anteriores