Palavra do Presidente

28/05/2020

Tempos de reconstrução

Flávio Roscoe Nogueira

No rastro dos dramáticos efeitos sociais e econômicos causados pela Covid-19, com grave e inquestionável ameaça a milhões de empregos, emerge cristalina uma certeza irrefutável: passado este momento, teremos pela frente o indeclinável desafio de reconstruir o país. Precisamos, desde já, nos conscientizar e nos preparar – todos nós – para esta gigantesca missão para a qual nos convoca a sociedade brasileira. Esse, em essência, é um consenso que nasce da convicção de que, infelizmente, a crise sanitária em curso traz fortíssimos impactos recessivos sobre a economia, em escala talvez nunca vista antes. Para seguirmos adiante, precisamos de união entre todos os setores sociais e de previsibilidade, o que virá com medidas de incentivo ao emprego e à retomada do desenvolvimento.

Estudos realizados pela FIEMG, em sintonia com incontáveis diagnósticos produzidos por outras instituições, no Brasil e no exterior, entre eles o FMI e o Banco Mundial, apontam cenários fortemente recessivos, com evidentes e fortes repercussões nos níveis de emprego e até mesmo nas taxas de sobrevivência das empresas, variando segundo o período pelo qual se prolongar o distanciamento social.

Os indicadores dos primeiros 45 dias de isolamento corroboram com a nossa projeção de contração de 5,7% do PIB no Brasil e de 7% em Minas Gerais. O faturamento do setor de serviços registrou queda de quase 60% entre março e abril deste ano. A produção industrial nacional de março caiu 3,8% e a estadual, 4,2% em relação ao mesmo mês de 2019.

A piora do mercado de trabalho é evidente: 1,2 milhão de pessoas perderam o emprego no Brasil – sendo 212 mil delas em Minas Gerais – somente no primeiro trimestre deste ano. Um novo contingente de pessoas sem trabalho e sem perspectivas soma-se, portanto, aos 12 milhões de desempregados no país. Como agravante, aproximadamente 40% da força de trabalho nacional é informal. Assim, se as medidas de proteção ao emprego e à renda não forem eficazes, o número de desempregados pode dobrar, colocando o país na rota de um desastre social sem precedentes.

O importante é constatar que existe luz no fim do túnel sombrio que estamos atravessando – e constatar que a reconstrução do país é possível e só depende de nós, que, no coletivo, somos a sociedade brasileira. Precisamos, fundamentalmente, de líderes verdadeiros, que nos conduzam no pós-pandemia e se disponham, também verdadeiramente, a colocar os interesses do país e da sociedade acima de seus próprios desígnios corporativistas e focados sempre nas próximas eleições. Precisamos de líderes que se guiem pelo diálogo e, em um grande pacto, conduzam o país nos tempos de reconstrução que devemos viver desde agora.

As empresas brasileiras têm sido exemplares nesta direção. Com atos e fatos concretos, demonstram ter atingido a sua maturidade plena, entendendo e compreendendo que são parte integrante e ativa da sociedade na qual estão incluídas, das comunidades do entorno de suas fábricas. Tem sido muito gratificante acompanhar, na FIEMG, a disposição de empresas de todos os portes – dos micro aos grandes conglomerados – em participar de ações fundamentais para o atendimento às vítimas da Covid-19. Vai da produção e doação de álcool em gel à aquisição de respiradores mecânicos, incluindo a efetiva participação na construção de grandes hospitais de campanha.

Há exemplos notáveis e emblemáticos do desejo, da vontade e da disposição em dialogar e buscar o consenso. Há poucos dias, em ato realizado em nossa sede, a FIEMG e as três maiores centrais sindicais do Brasil – Central Única dos Trabalhadores (FEM/CUT), Central dos Trabalhadores do Brasil (FITMETAL/CTB) e FEMETAL/Força Sindical – chegaram a um acordo histórico, que vai preservar, no setor metalúrgico, o emprego de 180 mil trabalhadores, em 4 mil empresas, espalhados por 150 municípios mineiros. Somados a acordos estabelecidos com outros segmentos, alcançamos 300 mil empregos preservados em Minas Gerais.

Só depende de nós, de todos nós, de cada um de nós. Há um futuro pela frente e é nossa responsabilidade e dever construí-lo. Somos capazes, juntos, de cuidar das vítimas do coronavírus e recolocar o país no rumo do crescimento econômico, com as tão aguardadas e fundamentais reformas, em especial a tributária e a do Estado. Este é o caminho para fazer do crescimento efetivo um instrumento de inclusão e transformação social. Sem falsos dilemas.

"Precisamos de líderes que se guiem pelo diálogo e, em um grande pacto, conduzam o país nos tempos de reconstrução."

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 28/05/2020

Edições Anteriores

  1. Com a cara de Minas!

    Leia

  2. Nova Minas

    Leia

  3. Feito em Minas

    Leia

  4. Futuro de Minas

    Leia

  5. Missão da indústria

    Leia

  6. Crédito para os pequenos

    Leia

  7. Tempos de reconstrução

    Leia

  8. Agenda urgente

    Leia


Confira artigos anteriores