Palavra do Presidente

21/02/2020

União MG e ES

Flávio Roscoe Nogueira

Lançamos nesta segunda-feira, em Belo Horizonte, o Plano Estratégico Minas Gerais e Espírito Santo, com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico e industrial dos dois estados. É uma iniciativa ousada, que nasce vocacionada para o êxito, em razão direta da solidária parceria que a sustenta: Federação das Indústrias do Espírito Santo (FINDES), Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), governos de ambos os estados, as suas bancadas parlamentares no Congresso Nacional – 63 deputados federais e 6 senadores – e a sociedade mineira e capixaba. 

Durante o evento, realizado na FIEMG, os governadores Renato Casagrande e Romeu Zema, com o presidente da nossa coirmã FINDES, Leonardo de Castro, reafirmaram irrestrito apoio à iniciativa que prevê movimentar investimentos da ordem de R$ 56,5 bilhões, com potencial de aumentar o faturamento de diversos setores econômicos nacionais em R$ 170 bilhões, além de gerar mais de 100 mil novos empregos, mais R$ 33 bilhões de renda e R$ 8 bilhões em impostos nos dois estados e no restante do país. 

Trata-se, em essência, de um verdadeiro pacto que, temos certeza, já está mobilizando as forças políticas e econômicas dos dois estados, na medida em que visa transformar em efetiva realidade antigas, justas e legítimas aspirações de mineiros e capixabas. O importante é que se trata principalmente de recursos privados a serem viabilizados por meio de concessões e de parcerias público-privadas – o que significa que não haverá pressões sobre os orçamentos públicos do governo federal, de Minas e do Espírito Santo. O papel do poder público, fundamental, será o de normatizar e regulamentar. 

Entre os projetos incluídos no Plano Estratégico Minas Gerais e Espírito Santo, no campo da infraestrutura e logística, o principal é o da concessão ao setor privado das obras de duplicação da BR-381 Norte, que liga BH a Governador Valadares, e da BR-262 Leste, entre João Monlevade (MG) e Viana (ES). São obras fundamentais para os dois estados, tanto do ponto de vista econômico quanto social. No caso de Minas, no aspecto da economia e da indústria, a BR-381 é vital para o Vale do Aço e todo o leste do estado. Do ponto de vista social, ainda é uma estrada extremamente perigosa e responsável por elevado número de acidentes com alta taxa de mortalidade. A duplicação resolve os dois problemas – o econômico e o social. 

Também da maior relevância são as obras de construção do contorno ferroviário da Serra do Tigre (um gargalo que compromete a capacidade de transporte da Ferrovia Centro-Atlântica e da Estrada de Ferro Vitória a Minas) e a implantação das estradas de ferro 118 e 354. Ambos os projetos podem ser viabilizados com os recursos que a Vale aportará como contrapartida à renovação antecipada da concessão da própria Vitória a Minas. 

Outro projeto de grande relevância para a economia e a indústria de Minas Gerais é a recuperação do Rio Doce, afetado nos últimos anos pelo rompimento das barragens de Mariana e Brumadinho e, no decorrer de décadas, pelas descargas dos esgotos que recebe ao longo de todo o seu percurso. O que pretende o Plano Estratégico é a aprovação, no Congresso Nacional, da regulamentação para parcerias público-privadas em saneamento básico, com o objetivo de atender a bacia hidrográfica do Doce. 

O plano também contempla ações estratégicas no setor de óleo e gás, que, hoje, carece de diretrizes para o Mercado Livre de Gás, incluindo a aprovação do Projeto de Lei 6.407/13, que dispõe exatamente sobre medidas necessárias para incentivar a indústria nacional desse setor. Para garantir segurança jurídica e isonomia nas transações entre os dois estados, também serão estudadas e implementadas medidas de simplificação tributária e de convalidação de incentivos. Da mesma forma, será estabelecida entre os órgãos fiscais de Minas Gerais e Espírito Santo a redução de obrigações tributárias, que só dificultam a fiscalização e oneram o contribuinte. 

O Plano Estratégico Minas e Espírito Santo está na mesa e as expectativas são as mais otimistas. O governador Romeu Zema, cujo apoio é fundamental para assegurar o êxito da iniciativa, destaca a importância das obras nas BRs 381 e 262. Renato Casagrande, governador capixaba, chama a atenção para a sinergia entre as economias dos dois estados. Léo de Castro, presidente da FINDES, cuja atuação e entusiasmo foram fundamentais na elaboração do Plano, lembra a complementariedade entre as economias e a indústria de Minas Gerais e do Espírito Santo. 

É hora, finalmente, de transformar em realidade sonhos e justas aspirações. Para isso, além da solidária união entre a FIEMG e a FINDES, entre os governos de Minas e do Espírito Santo, também contamos, certamente, com a força e o compromisso das nossas bancadas no Congresso Nacional. Com o apoio de todos, e de cada um, vamos realmente contribuir para acelerar o crescimento econômico dos nossos estados e fazer deles efetivo instrumento de transformação e inclusão social.

"O Plano Estratégico Minas e Espírito Santo está na mesa e as expectativas são as mais otimistas"

Palavra do Presidente

Flávio Roscoe Nogueira
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Sistema FIEMG

Publicado no jornal Estado de Minas do dia 20/02/2020

Edições Anteriores

  1. Com a cara de Minas!

    Leia

  2. Nova Minas

    Leia

  3. Feito em Minas

    Leia

  4. Futuro de Minas

    Leia

  5. Missão da indústria

    Leia

  6. Crédito para os pequenos

    Leia

  7. Tempos de reconstrução

    Leia

  8. Agenda urgente

    Leia


Confira artigos anteriores