Notícias

Alunos do SESI se preparam para participar para a Mostra Brasileira de Foguetes

O evento acontece neste sábado (23) na Feira da Paz com a participação de 14 equipes

Os alunos da Escola Sesi de Governador Valadares participam anualmente da Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). Trata-se de uma olimpíada inteiramente experimental, pois consiste em construir e lançar, obliquamente, foguetes, a partir de uma base de lançamento, o mais distante possível e tudo construído pelos alunos.

A MOBFOG, que neste ano está na 16ª edição, tem o objetivo de fomentar o interesse dos jovens pela Astronáutica, Física, Astronomia, ciências e afins, promovendo a difusão dos conhecimentos básicos de uma forma lúdica e cooperativa.

No sábado (09/04), os alunos do 9º ano e ensino médio participaram das primeiras atividades da pré-seleção. Nessa fase avaliativa, foram selecionadas para a próxima etapa, três equipes do 9º ano e 11 equipes do ensino médio, que irão participar oficialmente da MOBFOG.

A avaliação dos foguetes e bases foram feitas por uma comissão de juízes, que já participaram da mostra e avaliaram os seguintes critérios: aerodinâmica do foguete, organização da equipe, estrutura da base e desempenho do foguete. As equipes selecionadas irão participar oficialmente da MOBFOG neste sábado, dia 23 de abril. O evento acontece na Feira da Paz, das 7h às 11h. Nesse dia, toda a competição é registrada e encaminhada para a OBA (Olimpíada Brasileira de Astronomia) e MOBFOG.

Os alunos do 9º ano estão concorrendo no “nível 3”, já os do ensino médio no “nível 4”. O foguete será construído pelos alunos a partir de duas ou mais garrafas pets de qualquer volume, que ficará presa numa base de lançamento presa no chão, também construída pelos alunos.

O destaque dessa proposta é a interdisciplinaridade entre Matemática, ensinando os cálculos e os ângulos necessários para o arremesso, Física, orientando sobre a aerodinâmica do foguete e como alcançar o melhor voo e também Química, onde é percebida a reação química entre bicabornato e vinagre, e a culminância é o lançamento do foguete.

Para a professora de matemática e autora do projeto, Carolina Lelis, a competição vai além do lançamento do foguete. “Apesar do lançamento do foguete ser o resultado final do projeto, há uma preparação importante, onde os alunos também passam por etapas teóricas com aplicação dos conhecimentos de disciplinas da área de exatas. Eles recebem orientações quanto ao funcionamento e montagem dos foguetes durante as aulas e no laboratório físico-químico, tornando o ensino ainda mais eficiente e aplicando os conceitos teóricos na prática” reforçou Lelis.

De acordo com a gerente da Escola SESI, Jacqueline Silva Iamin Coelho, as olimpíadas científicas, além do conhecimento adquirido, abrem portas para as universidades brasileiras e estrangeiras. “Levando em consideração também, que o engajamento no processo competitivo, desenvolve as habilidades sócio-emocionais preconizadas pela BNCC - Base Nacional Comum Curricular. O aluno que participa das olimpíadas científicas, desenvolve a capacidade de raciocínio, resolução de problemas, organização de ideias, aspectos fundamentais para o sucesso escolar e pessoal” concluiu a pedagoga.

 A prova                   

O foguete terá como combustível somente a mistura, em qualquer proporção, de vinagre com concentração de 4% de ácido acético e bicarbonato de sódio (puro ou contido no fermento em pó). Pode-se construir foguetes de mais de um estágio. A reação química entre o vinagre e o bicarbonato de sódio deve ocorrer principalmente dentro do foguete e não na base de lançamento.

O foguete deve ter a base feita de cano PVC com gatilho (atenção para a inclinação de 45º com o solo para obtenção de maior alcance). Precisa ter mais de uma garrafa pet com asas e pesos internos. A reação só pode ocorrer entre vinagre e bicarbonato, mas caso queira adicionar água, não há problema. Só não serão aceitos foguetes com peças metálicas. Para avaliação dos foguetes e bases, são adotados os critérios de organização e cooperação entre equipe, desempenho e aerodinâmica do foguete e estrutura da base

A OBA e a Jornada de Foguetes

A Olimpíada Brasileira de Astronomia é a fase teórica da competição, quando os alunos realizam atividades relacionadas à física, química e à matemática.  A Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) é a parte prática. Nesta etapa os alunos participantes fazem o lançamento dos foguetes, sempre acompanhados de uma equipe da escola. Podem participar estudantes do ensino fundamental e médio.