Notícias

Confiança dos industriais mineiros permanece elevada

Manutenção da confiança em patamar elevado decorre do avanço da vacinação contra a Covid-19

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), divulgado pela FIEMG nesta segunda (19/07), ficou estável em julho, frente a junho, em 62,4 pontos. A estabilidade foi resultado da combinação de uma avaliação mais favorável do momento econômico atual com um menor otimismo dos empresários para os próximos seis meses. O ICEI varia de 0 a 100 pontos, e tem nos 50 pontos a linha divisória entre falta de confiança e confiança. A manutenção da confiança em patamar elevado decorreu do avanço da vacinação contra a Covid-19 e da continuidade do processo de retomada da economia. O indicador cresceu 13,6 pontos na comparação com julho de 2020 (48,8 pontos) e atingiu o maior valor para o mês desde 2010, quando marcou 63,1 pontos. O ICEI nacional aumentou 0,3 ponto em julho (62 pontos), frente a junho (61,7 pontos), mostrando confiança dos empresários brasileiros.

O ICEI resulta da ponderação dos índices de condições atuais e de expectativas, que variam de 0 a 100 pontos. Valores acima de 50 indicam percepção de situação atual melhor e expectativa positiva para os próximos seis meses, respectivamente. O componente de condições atuais expandiu pelo terceiro mês consecutivo, em 0,6 ponto, entre junho (56,5 pontos) e julho (57,1 pontos). Com esse aumento, o indicador acumulou alta de 11,3 pontos nos três últimos meses. O índice sinalizou uma melhora da percepção dos industriais com relação à situação atual das suas empresas e da economia mineira. Na comparação com julho de 2020 (35,8 pontos), o indicador avançou 21,3 pontos, sendo o mais elevado para o mês desde o início da série histórica.

O componente de expectativas para os próximos seis meses recuou 0,3 ponto em julho (65,1 pontos), ante junho (65,4 pontos), e mostrou empresários menos otimistas com relação à economia do país. Em relação a julho de 2020 (55,3 pontos), o indicador cresceu 9,8 pontos, e foi o mais alto para o mês em 11 anos.

Clique aqui para acessar o estudo completo.