Notícias

Cidade de Araguari vai gerar 7 mil empregos com a parceria entre Duratex e Lenzing

Presidente da FIEMG Regional Vale do Paranaíba, Pedro Spina e o presidente do SINDIAA, Mauro Cunha, participaram da reunião de implantação da indústria no município.

O investimento de aproximadamente R$ 4 bi tem a expectativa de gerar um faturamento de R$1,4 bi através da atuação das empresas do setor de celulose, Duratex e Lenzing. Na última sexta (26) as lideranças públicas e privadas de Araguari receberam representantes das empresas citadas para tratarem da implantação do projeto que irá funcionar no formato de ‘Joint Venture’, ou seja, empreendimento em conjunto.

A Duratex terá 49% e a Lenzing, empresa austríaca, 51%. A Lenzing terá exclusividade na compra da produção, que será toda exportada para fábricas da própria empresa na Europa, na Ásia e nos Estados Unidos.

O objetivo primário do projeto é produzir celulose solúvel, e segundo a AMVAP (Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Paranaíba) o projeto nomeado de ‘Amadeus’ terá capacidade para a produção de 450 mil toneladas por ano e será a maior linha de produção de celulose solúvel do mundo. 

O secretário de desenvolvimento econômico da cidade, Juberson Santos, apresentou o projeto para aproximadamente 80 pessoas na capela da Faculdade IMEPAC.

O presidente da FIEMG Regional Vale do Paranaíba, Pedro César Spina, sinalizou a grandeza do investimento e como o mesmo pode trazer bons resultados não somente para Araguari bem como para as cidades do entorno.

“É um marco para a região e sem dúvidas a presença do SESI/SENAI na cidade de Araguari contou para a decisão das empresas virem para cá. É uma conquista de Araguari e por consequência da Regional Vale do Paranaíba, um mega investimento que vai gerar quase 7 mil empregos, e assim, vai melhorar muito a receita de outros municípios envolvidos como Romaria, por exemplo. E nós enquanto Regional temos um papel importante para auxiliar no treinamento destes colaboradores com o SESI/SENAI Araguari, além de disponibilizar nossas unidades móveis e até mesmo as Unidade de Uberlândia para esta empreitada.” disse o engenheiro Pedro Spina.

O presidente da Duratex, Antônio Joaquim de Oliveira, sinaliza que a expansão de novos negócios da empresa é fruto de uma vasta atuação no mercado. “Projetos como este são resultado de nosso plano estratégico e do empenho da nossa equipe para traçar o futuro da Duratex. A companhia é reconhecida por solidez financeira, qualidade, inovação e sustentabilidade, resultado de uma história construída ao longo de mais de seis décadas. Agora, estamos prontos e estruturados para manter a liderança e expandir os nossos negócios, reforçando, assim, o compromisso da Duratex com o desenvolvimento do Brasil, fomentando a economia por meio da geração de empregos e investimentos”, afirma Oliveira.

Segundo o site oficial da Duratex, o Grupo Lenzing utiliza a celulose solúvel como matéria-prima para a produção de fibras utilizadas na indústria têxtil. “As fibras de celulose solúvel são uma importante contribuição para fazer a indústria têxtil global mais sustentável. Alinhado ao nosso plano estratégico sCore TEN, nós estamos comprometidos com um forte crescimento orgânico nessa área. Estamos entusiasmados em ter a Duratex, uma empresa líder em manejo florestal sustentável, como parceira nessa joint venture. Juntos criaremos uma matéria-prima sustentável e competitiva para o plano de expansão mundial da Lenzing”,  afirma Stefan Doboczky, Diretor Executivo do Grupo Lenzing.

Segundo Mauro Cunha, presidente do SINDIAA (Sindicato das Indústrias de Alimentação de Araguari), além do projeto citado, outras 40 empresas irão se instalar no distrito industrial da cidade.

“Estes 4 bilhões de investimentos, vão mudar a ‘cara’ e o comportamento de Araguari, e o poder público bem como as outras lideranças estão preparando o município para esta transformação. Outros investimentos como a ‘Longping High Tech’ (indústria chinesa do segmento de sementes),  ‘Adubos Tocantins’ e mais 40 empresas também foram  liberadas para atuarem no Distrito Industrial através do trabalho da FIEMG  e da Prefeitura Municipal.” afirmou o empresário.

A previsão é de que as obras se iniciem no segundo semestre de 2019 e as operações em 2022.

 

Galeria