Notícias

Mesmo com crescimento, desempenho da indústria mineira ainda permanece indefinido

Paralisação parcial do setor extrativo mineral e adiamento da reforma da Previdência contribuem para cenário de incerteza

O faturamento da Indústria Geral cresceu 2,4% em março, em decorrência da expansão daIndústria Extrativa (75,7%), após duas quedas consecutivas, referentes aos meses de janeiro e fevereiro, é o que aponta a Pesquisa Indicadores Industriais de Minas Gerais (INDEX). Esse resultado é consequência do aumento das exportações, mediante a valorização do dólar e o aumento da cotação do minério de ferro no mercado internacional. O estudo, realizado pela área Econômica da FIEMG, foi feito ouvindo 201 empresas.

Mesmo com avanço mensal da maioria dos indicadores, o desempenho da indústria mineira em 2019 ainda permanece indefinido. “A paralisação parcial do setor extrativo mineral e o adiamento de reformas estruturais, como a da Previdência, contribuem para um cenário de incerteza”, comenta Júlia Silper, economista da FIEMG. A economista conta que, se comparado com março de 2018, o faturamento da Indústria Geral recuou 9,2% em decorrência do decréscimo nas indústrias de Transformação (-6,6%) e Extrativa (-36,0%). “No primeiro trimestre, o índice geral caiu 5,2%, em razão das quedas de 0,8% na Indústria de Transformação e de 49,1% na Indústria Extrativa”, afirma Silper.

O índice de Emprego, referente à Indústria Geral, também teve um pequeno avanço (0,5%), justificado por igual aumento na Indústria de Transformação. Por outro lado, na Indústria Extrativa, houve uma queda de 0,5%. No acumulado do ano e na análise dos últimos 12 meses, os indicadores da Indústria Geral registraram avanços pouco expressivos, de 0,2% e 03%, respectivamente.

Em decorrência das expansões nas indústrias de Transformação (2,4%) e Extrativa (3,4%), o Rendimento Médio da Indústria Geral avançou 0,5% em março, se comparado a fevereiro. Em relação a março de 2018, o índice geral recuou 1,9%, com igual queda na Indústria de Transformação. Já na Indústria Extrativa houve retração de 1,8%.

Aumento na Massa Salarial Real – A Massa Salarial Real cresceu 0,7% em março, após duas quedas consecutivas – janeiro e fevereiro. O avanço é explicado pelos aumentos nas indústrias de Transformação (0,3%) e Extrativa (3,2%). Se comparando a março de 2018, o índice geral decresceu 1,3%, mesma variação das Indústrias de Transformação e Extrativa.

Para ler o INDEX completo, CLIQUE AQUI.