Notícia

FIEMG Lab: hub encerra ciclo com R$ 46 mi em negócios entre startups e indústrias

Evento de apresentação de resultados também premiou melhores empresas iniciantes

Divulgação/ FIEMG Lab

O FIEMG Lab, hub de inovação para a aceleração de startups industriais do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), apresentou, nesta quinta-feira (02/12), os resultados da 3ª Jornada da iniciativa. Entre os destaques dessa edição, o FIEMG Lab divulgou a viabilização de cerca de R$ 46* milhões em negócios entre grandes indústrias e startups brasileiras no último ciclo (2020/ 2021).

O evento, conduzido no Centro de Inovação e Tecnologia (CIT), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Estado de Minas Gerais (SENAI-MG), no bairro Horto Florestal, na região Leste de Belo Horizonte, contou com a presença de representantes das empresas iniciantes; das indústrias madrinhas do Hub (veja abaixo); e dos parceiros da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), e do Governo de Minas.

Crescimento

Presente no evento de encerramento, o Superintendente Regional do IEL, Gustavo Macena, pontuou que o último período do FIEMG Lab representa uma jornada de crescimento constante e exponencial. Como exemplo, enquanto a segunda realização movimentou R$ 7 milhões em negócios, a mais recente chega ao fim com movimentações de aproximadamente R$ 46 milhões. Outros dados importantes sobre a 3ª Jornada são:

17 indústrias contrataram 26 startups via FIEMG Lab, gerando R$ 3,9 milhões em negócios;
R$ 58,7 milhões faturados para a indústria;
+ 870 colaboradores;
Aumento de equipe em 45%;
Aumento médio de faturamento global em 60%.

"Houve uma mudança no método, com uma valorização do encontro de negócios. Nós ampliamos a atuação no 'match' entre a demanda da grande indústria e a solução. Quando você coloca uma frente à outra, com metodologia apropriada para isso, o resultado é a explosão de negócios”, afirmou Macena.

Ele ainda completou que a expectativa para a 4ª Jornada é conseguir ainda mais resultados. “Queremos ampliar o leque das indústrias madrinhas, colocando investidores para conhecer as soluções, e multiplicando o tamanho das startups, para que se tornem médias e grandes empresas num curto espaço de tempo", declarou.

Startups

Uma das 50 startups participantes da 3ª Jornada do FIEMG Lab foi a Hedro. A empresa, criada em 2016, desenvolve sensores inteligentes para digitalização de processos e máquinas antigas da indústria. Com isso, a startup ajuda a viabilizar a transição dessas empresas para a Indústria 4.0. De acordo com o CEO, Cássio Barbosa, a entrada no FIEMG Lab, ainda na 2ª Jornada, mudou os rumos da firma.

"O FIEMG Lab nos ajudou a entender qual é o valor que a gente estava gerando para a indústria. Assim, pudemos alinhar o discurso da nossa empresa, e nos conectamos com outras, que hoje são a nossa força. A Gerdau, por exemplo, permitiu que a gente crescesse até onde a gente está hoje. Conhecemos eles aqui e, nos últimos dois anos, ela foi a principal injeção de força, recursos, e novas ideias na Hedro", afirmou.

Representante da startup AI Robots, Luma Boaventura contou que a participação da empresa no FIEMG Lab resultou na geração de negócios, com o investimento do grupo Time Now, e em oportunidades de capacitação sobre marketing e escalabilidade.

"A recomendação que eu dou: onde quer que esteja uma startup no Brasil inteiro, se cadastre no FIEMG Lab: não é restrito a startups e indústrias mineiras. É aberto a empresas do Brasil todo. E é uma oportunidade de crescimento real. A gente vê muitos programas de aceleração por aí. E o FIEMG Lab é realmente ‘ganha-ganha’. A startup cresce”, disse Luma.

O evento de encerramento da 3ª Jornada do FIEMG Lab também contou com a premiação de diversas startups e de alguns representantes inovadores das empresas, além das indústrias madrinhas.

Indústrias madrinhas

Anglo American Um dos projetos viabilizados na parceria entre a mineradora Anglo American e o FIEMG Lab é voltado para a segurança do trabalho. Como aponta o analista de Inovação da empresa, Davi Gonçalves, a mineração é uma atividade de risco alto. Por isso, a Anglo atuou juntamente com as startups Beyond Mining e Thomé Projeto Consultoria nesse aspecto.

"Um trabalho que desenvolvemos é uma solução que elimina a necessidade de acesso ao espaço confinado em moinho de bolas (estrutura que reduz a granulometria do minério) para a execução da atividade. Para isso, usamos a análise de dados e a Inteligência Artificial. Tirar uma pessoa de perigo é prioridade da Anglo American", explicou Davi.

Gerdau Uma das indústrias que está presente há mais tempo no Hub de Inovação Aberta é a Gerdau, maior empresa brasileira produtora de aço. Como explica o especialista em Inovação em Indústria 4.0 da marca, Jackson de Assis Reis, a Gerdau cresce nessa área e busca novos negócios no setor. "Para nós, a parceria permite capturar empresas e parceiros de valor para trazer soluções diferentes daquilo que a gente está acostumado no mercado", contou Reis.

Um dos projetos testados durante a 3ª Jornada foi idealizado pela startup Geoinova Soluções, de Goiás. Trata-se de uma solução para monitoramento via satélite de áreas no entorno da usina de Ouro Branco, na Região Central de Minas. O analista sênior de Gestão e Inovação da Gerdau, Dylan Hosken, lembrou os benefícios da parceria com a FIEMG.

"Os especialistas da FIEMG facilitam muito pra gente o processo de gestão, captação, controle das startups, e do projeto em si", afirmou Hosken.

RHI Magnesita A RHI Magnesita, fornecedora líder internacional de produtos, sistemas e serviços refratários, também é madrinha do Hub de Inovação. Para a trainee do Comercial da empresa, Bárbara Santana, a parceria permite um foco nas oportunidades vindas da inovação. "Pensar um pouco fora da caixa está trazendo resultados inexplicáveis, incluindo fazer mais com o mínimo possível", disse Bárbara.

Um dos exemplos de trabalhos é a pesquisa que inibe o risco de entrada na aciaria da indústria. A aciaria é a unidade onde é feita a transformação do ferro gusa em aço. É, portanto, um local muito quente e onde ocorrem muitas explosões. "Conseguimos desenvolver provas de conceito, trazendo tecnologia de alta ponta para uma área que a gente não pode simplesmente chegar e entrar", afirmou.

Stellantis A parceria da Stellantis, grupo automotivo franco-ítalo-americano multinacional, com o Hub é avaliada como muito produtiva pela gerente de Inovação Aberta América do Sul da empresa, Marina Lima. "A inovação aberta é isso: trabalhar de forma colaborativa. É sempre um aprendizado contínuo. Essa parceria traz uma maturidade de como trabalhar realmente a prova de conceito (POC), validá-la, entender nossos pain points (problemas), e fazer esse acompanhamento", disse.

Segundo Marina, um dos projetos viabilizados na parceria foi com a startup Phigital. O trabalho entregue é de monitoramento do tempo de produção de cada operador durante a montagem de uma peça, sendo que o prazo é acompanhado via smartwatch. "Esse é um pain point não só local, mas do grupo global. O resultado, inclusive, foi apresentado no nosso Stellantis Factory Booster Day, em outubro deste ano", completou.

Usiminas A madrinha Usiminas, líder na produção e comercialização de aços planos, realiza trabalhos de inovação em parceria com startups desde 2019. A entrada no FIEMG Lab ocorreu com o objetivo de gerar mais resultados através da inovação, incluindo redução de custos, aumento de produtividade, melhoria em segurança, e sustentabilidade.

No Hub, um dos principais projetos foi uma parceria com a Ubivis IoT Otimização Industrial, de Curitiba (PR). "Queríamos saber como otimizar o processo de laminação, a fim de gerar produtividade, no planejamento integrado de cargas na planta da indústria em Cubatão (SP). A Ubivis coletou dados, e os apresentou de uma maneira mais intuitiva, apoiando a tomada de decisão", disse o analista de inovação sênior, Rafael Pelli.

O trabalho no Hub de Inovação foi tão produtivo que a Usiminas acaba de contratar a Ubivis para um projeto-piloto de seis meses para ampliação de resultados, incluindo Inteligência Artificial.

Vale O amadrinhamento da mineradora Vale resulta, entre outras coisas, em água limpa para comunidades. É o que explicou a líder de projetos de inovação da terceirizada TCS para a Vale, Greyce Franzmann. Segundo ela, todas as startups participantes apresentaram soluções interessantes. Entre elas, está a PWTech, com um equipamento capaz de transformar água contaminada em potável.

"A gente conseguiu resultados ótimos nas comunidades onde a gente implantou o equipamento. Foi muito bacana ver os depoimentos das comunidades, das pessoas que foram impactadas. Pra gente faz muito sentido ter parcerias como essa, porque são parceiros estratégicos. O FIEMG Lab ajuda a gente a ser mais assertivo e rápido ao se conectar com as startups certas.

* Anteriormente, havia sido divulgado o número de R$ 45 milhões. No entanto, o FIEMG Lab recebeu dados mais atualizados das startups após o encerramento da 3ª Jornada. Esses dados foram analisados e confirmados pelo FIEMG Lab, resultando na alteração para R$ 46 milhões.

Galeria

Últimas notícias

  1. FIEMG e sindicatos apoiam trabalhadores e empresas de Sabará afetados por chuvas

    Leia

  2. Empresário, participe, até dia 31 de janeiro, da pesquisa Missão Carbono Zero

    Leia

  3. Sistema FIEMG capacita empregados para apoiar os municípios atingidos pelas chuvas

    Leia

  4. Internacionalização: CIT SENAI recebe visita de diretor da ArcelorMittal Canadá; veja vídeo

    Leia

  5. SENAI forma primeira turma de detentas em curso de Panificação na Penitenciária de Juiz de Fora

    Leia

  6. O Futuro do Brasil

    Leia

  7. Flávio Roscoe é reeleito presidente da FIEMG

    Leia

  8. Inova SENAI premia alunos com melhores projetos para a indústria

    Leia