Notícia

Precisa-se de profissionais que trabalhem com energia renovável

O mercado de energia renovável está aquecido, mas faltam profissionais capacitados para a atuar área

“Você aceita esse desafio?”, esse foi o questionamento lançado aos estudantes e interessados que participaram, no dia 29/05, do seminário A importância do profissional da área de energia. O evento, realizado no SENAI Cetel, teve o objetivo de apresentar as novas fontes de energia e suas potencialidades mercadológicas. A ideia nasceu de uma solicitação da empresa ArcellorMittal, que está encontrando dificuldades em contratar profissionais capacitados na área de energia renováveis. 

Márcio Fenelon, gerente de Energia e Gases da ArcelorMittal, ministrou a palestra O que a ArcelorMittal procura no novo profissional. Presente em 60 países e com 208 mil empregados pelo mundo, a empresa tem uma demanda reprimida de profissionais treinados para lidar com as questões energéticas. No Brasil, a ArcelorMittal, tem 30 unidades e gera cerca de 16 mil empregos por todo o país. “A indústria 4.0 precisa de pessoas qualificadas, que entendam de automação e dos demais avanços tecnológicos”, ressaltou Felenon. 

Para ser um bom profissional da área, é necessário investir em uma formação que alie a teoria com a vivência prática e para mostrar os possíveis caminhos para quem optar pelo ensino técnico, Saunaray Pereira Barra, engenheira e especialista em energia renovável e instrutora do SENAI, apresentou os cursos oferecidos pela instituição voltados pela área de energia. “Não se pode economizar quando se trata de segurança e qualidade do serviço. Esse é um dos maiores desafios que temos: fazer com que os alunos entendam isso”, esclarece Barra. 

André Luiz Vieira da Silva, consultor do SENAI em Tecnológica em Energia e Gestão Energética, apresentou a palestra Consultoria em energia e eficiência energética. “As empresas buscam sobreviver e a energia hoje é a base de sustentação dos negócios no mercado”, afirmou. Nesta semana, a CEMIG autorizou um aumento de 8,73%, com efeito médio de 10,71% para os consumidores atendidos em alta tensão, que são as indústrias. “É um valor muito alto para ser absorvido pelas empresas e isso impacta na produtividade e sobrevivência delas”, afirmou. 

“O mundo não teria evoluído sem as diversas formas de utilização dos recursos energéticos”, afirmou Ângela Menin, coordenadora do curso de Engenharia de Energia da PUC. O Brasil ocupava o 75° lugar no ranking mundial, com 1,58 tep de consumo. “Ainda temos muito que crescer. Temos um mercado muito grande e temos que planejar a exploração e a distribuição desse recurso, por isso o profissional de engenharia energética é tão importante”, disse a professora. 

Também participou do seminário Antônia Sonia Cardoso Diniz, do grupo de estudo de Energia Green Solar, da PUC. Criado em 1997, o Green é um laboratório de estudos e pesquisas em energia solar. “O Brasil tem, atualmente, mais de 1 milhão de empregos na área de energias renováveis, mas essa demanda está reprimida, devido a falta de profissionais qualificados”, pontuou a coordenadora. 

Cassio Alves Carneiro, da UNIFEMM, de Sete Lagoas, apresentou um estudo sobre de modelos de negócios de geração fotovoltaica. “É um mercado dinâmico, oportuno, acessível e estratégico, pois é um ambiente de posicionamento inteligente e disruptivo”, afirmou.

A palestra também foi organizada em celebração ao Dia Mundial da Energia e Márcio Danilo Costa, presidente da Câmara da Indústria da Energia da FIEMG, comentou como a percepção, sobre o uso consciente da energia, está latente na sociedade. “Precisamos usar essa energia de maneira eficiente e racional. O futuro de nosso país está aqui presente e espero que os jovens que estão participando do evento percebam a bela oportunidade que é trabalhar no setor de energia”, ressaltou Costa, pontuando que, atualmente, a maior parte da população tem a consciência de que a energia é um bem que, além de caro, é finito.

Últimas notícias

  1. Abertas as inscrições para o curso Rotulagem de Cachaça e Aguardente de Cana

    Leia

  2. Nova turma de Aprendizagem Industrial começa as aulas em Paracatu

    Leia

  3. Experiência francesa em terras mineiras

    Leia

  4. Representantes da FIEMG visitam campus da PUC

    Leia

  5. Inovação na Educação em pauta na FIEMG

    Leia

  6. SENAI promove capacitação de seus instrutores

    Leia

  7. Interlocução com governo federal na busca de investimentos

    Leia

  8. Seminário Indústria 4.0 começa com Educação de Qualidade

    Leia